Uma notável irrelevância

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/104/05.jpg

A política econômica do decênio petista tem como traço destacado a concentração do capital. Na gestão de Luciano Coutinho, iniciada em 2007, o BNDES transformou-se numa incubadora de monopólios – quase sempre, com a desnacionalização das empresas envolvidas.

Mas esta não é uma reportagem sobre como o Grupo Pão de Açúcar, pouco depois de comprar as Casas Bahia, o Ponto Frio, o Assaí e o Sendas, foi absorvido pelo francês Casino. Tampouco trata da aquisição da falida VCP, de Antônio Ermírio de Moraes, pela Aracruz Celulose, nem tem por tema a associação entre Shell e Cosan, dois gigantes monopolistas do setor de combustíveis, com cláusula de opção de compra da segunda pela primeira. Também não versa sobre o caso da sucroalcooleira Santelisa, que, depois de engolir sua concorrente Vale do Rosário, passou ao controle do monopólio francês Louis Dreyfuss Commodities (LDC) – tudo, naturalmente, viabilizado por dinheiro do BNDES. Nem mesmo sobre o descalabro instaurado no setor de aviação com a absorção da Varig e da Webjet pela Gol e pela fusão da TAM com a LAN e posterior aquisição da Pantanal, ou sobre a fusão Itaú/Unibanco, que levou a oligopolização bancária ao paroxismo. Nem sobre o como e o porque de um empréstimo de R$ 3 bilhões à Telefónica para obtenção do controle total da Vivo. E nem, tampouco, sobre os bilhões de dólares enterrados na aquisição da Bertin por seu maior concorrente, o frigorífico JBS Friboi, ao qual Coutinho tem por hábito facilitar a aquisição de empresas do ramo. Muito menos sobre o recente caso Doux, cuja matriz francesa foi à bancarrota: o BNDES entregou sua divisão de suínos à Brasil Foods e a de aves ao JBS Friboi.

Esta matéria não trata sequer das duas pérolas mais brilhantes do colar da gestão de Coutinho: a compra da Sadia pela Perdigão, que originou a Brasil Foods e a fusão entre a Oi e a Brasil Telecom, ambas em 2009. Operações desmoralizadas, no primeiro caso, por um de seus partícipes, Nildemar Secches presidente da Perdigão, que declarou que poderia tê-la realizado sem o BNDES e que este interveio para favorecer os acionistas da Sadia; e, no segundo, por um dos mais aguerridos defensores dos governos Lula e Dilma, o jornalista Paulo Henrique Amorim, que enviou uma carta a Coutinho dispondo-se a desembolsar pela BrT R$ 1 a mais do que os controladores da Oi investiriam do próprio bolso (ou seja, nada).

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait