Técnica e estilo da música brasileira

A- A A+

Músico nato, o goiano meio brasiliense e meio carioca Rogério Caetano é um talento no violão 7 cordas, principalmente de cordas de aço, no qual é especialista. Chorão, como gosta de ser chamado, e compositor de sambas e outros gêneros brasileiros, ele vem se destacando na música instrumental brasileira em seus discos solo e parcerias, principalmente com Yamandu Costa, amigo de longa data, com quem lançou um disco em homenagem ao violão brasileiro.

http://www.anovademocracia.com.br/105/16.jpg
Rogério, com Yamandu Costa formam um duo, e dedicam o trabalho ao Dino 7 Cordas, Raphael Rabello, Helio Delmiro e Marco Pereira. "É a história do violão popular brasileiro"

— Comecei a tocar muito criança, com 5 anos já tirava algumas músicas de ouvido em um violão do meu pai, e sempre coisas vinculadas ao choro, samba, música brasileira. Depois meu pai comprou meu primeiro instrumento, que foi um cavaquinho. Por volta dos 6 anos comecei a tocar o repertório de choro do cavaquinho, músicas do Valdir Azevedo, Jacob do Bandolim — conta Rogério Caetano.

— Embora os meus pais não sejam músicos, o ambiente da minha casa era musical, passei a infância rodeado de música, ouvindo e tocando. Com doze anos comecei a tocar o violão de 7 cordas, que é hoje o meu instrumento. A primeira vez que o ouvi foi o som do Dino naquele disco com a Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Época de Ouro. Falei 'quero tocar esse som' e mergulhei totalmente — continua.

Posteriormente, Rogério Caetano conheceu a música de Raphaell Rabello, um dos maiores violonistas brasileiros, e o teve como sua maior referência.

— O seu trabalho foi uma revolução muito importante na minha vida, causou uma mudança na forma de pensar música, e principalmente com relação ao violão. Isso eu estava com uns 14 anos. Com quinze já tinha uma bagagem muito boa dessa escola do 7 cordas, principalmente de aço, que considero minha especialidade. Nessa época fui morar em Brasília e foi lá que me integrei mesmo nesse universo da nossa música instrumental, inclusive participando do Clube do Choro — expõe.

— Lá estudei com importantes mestres que me ajudaram a fazer cair os mitos, abrir minha cabeça quanto à utilização de elementos de outras linguagens dentro da música brasileira, sem deturpá-la. Mudei-me para o Rio de Janeiro em 2004, porque vinha tanto para cá gravar que compensava mais ficar aqui de uma vez. Porém, no Rio também encontrei um ambiente musical muito bom — continua.

— Sou um chorão, apesar de tocar outros gêneros também, porque sou apaixonado e tenho um envolvimento muito forte nessa linguagem. É um gênero super determinante e importantíssimo na linguagem da música brasileira. Desde o Garoto, que influenciou o Baden Powell, que por sua vez influenciou outros, quase todo músico brasileiro tem um pé no choro, até o Luiz Gonzaga, que tocou acordeon no Regional do Canhoto — constata.

A carreira fonográfica de Rogério Caetano começou com um disco do Brasília Brasil, trio que formou ainda adolescente.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait