Um milhão nas ruas do Rio

A- A A+

Juventude resiste à violência do Estado

http://www.anovademocracia.com.br/113/10.jpg

Na última edição de AND divulgamos a manifestação do dia 17 de junho que, até então, havia sido a maior das últimas décadas na capital fluminense. No entanto, em 20 de junho a população carioca deu nova demonstração de energia e cerca de um milhão de pessoas foram às ruas.

Quando nossa reportagem chegava ao Centro da cidade em direção à Candelária, onde estava marcada a concentração, nos deparamos com uma multidão saindo do metrô, dos trens da Central do Brasil e dos ônibus com faixas, cartazes e cantando palavras de ordem. Cenas emocionantes que arrancaram simpatia de outras milhares de pessoas que estavam nos prédios do Centro e lançaram papéis pelas janelas, um tradicional gesto de apoio da população às manifestações de rua.

As diversas organizações presentes também levaram suas reivindicações que iam desde mais verbas para saúde e educação até a punição para corrupção, e palavras de ordem mais politizadas criticando os "governos" de plantão e suas medidas antipovo, exigindo o fim da violência policial contra o povo pobre, etc. Duas faixas assinadas pela Frente Revolucionária de Defesa dos Direitos do Povo (FRDDP) sustentavam: 'Abaixo o Estado fascista e seus governos antipovo e vende-pátria!' e 'Viva a Revolução de Nova Democracia'.

A manifestação corria de forma tranquila quando um tumulto surgiu em frente à prefeitura, na Cidade Nova. A tropa de choque da PM iniciou as agressões contra os manifestantes. Daí pra frente armou-se a praça de guerra. Milhares de pessoas enfrentaram corajosamente a polícia. Diversas barricadas em chamas foram erguidas na Avenida Presidente Vargas. Dezenas de agências bancárias, grandes lojas, radares de trânsito e pontos de ônibus foram destruídos e incendiados pelos jovens.

As bombas lançadas contra a multidão eram jogadas de volta contra o choque e, num determinado momento, numa das cenas mais combativas já vistas no Rio de Janeiro, os manifestantes colocaram o famigerado 'Caveirão' da PM para 'correr'.

Cerca de 4 mil bombas de gás (grande parte delas fora da validade) foram jogadas pela polícia, acabando com o estoque. Após a dispersão na Pres. Vargas, vários focos de protestos surgiram por todo o Centro. Na Lapa, houve novo confronto e pessoas que estavam no local afirmaram aos canais de TV e jornais que a polícia não distinguia quem era ou não manifestante. Bombas e balas de borracha chegaram a ser lançadas dentro de estabelecimentos comerciais ferindo várias pessoas. Cerca de 40 pessoas ficaram feridas, entre elas um policial e dois guardas municipais. Algumas delas foram levadas para o Hospital Souza Aguiar.

— A multidão estava caminhando em direção à prefeitura quando teve início o confronto. Muitas bombas foram lançadas contra os manifestantes, fazendo com que muita gente passasse mal. Depois, quando o ato acabou, os policiais iniciaram uma caçada pelo Centro. Na região da Lapa, o policiamento estava bastante reforçado e muita gente que não tinha nada a ver com o protesto também foi alvo do gás. Eu nunca tinha visto um confronto tão grande – relatou o estudante Emerson Oliveira.

No dia seguinte, o monopólio da imprensa e seus diversos canais vomitaram ódio contra os manifestantes repetindo, praticamente 24 horas por dia, as palavras "vândalos" e "pequeno grupo", como se umas poucas pessoas fossem capazes de causar tamanho enfrentamento nas ruas da cidade. Quem lá estava conferiu que quem iniciou o confronto foi a polícia e que esses tais "vândalos" estavam aos milhares demonstrando sua raiva contra a repressão.

— Violência não gera violência? A polícia começa e a gente vai ficar tranquilo? Não vai fazer nada? Vai levar um tiro, vai chegar em casa, vai estar todo machucado e vai fazer o que? A gente não pode andar pra trás! Então, se a gente tem que revidar, é pedra na mão, a única 'arma' que a gente tem, pois ninguém aqui está com arma dando tiro na polícia... E a gente tem que revidar mesmo, porque se a gente não revidar, a coisa vai continuar do mesmo jeito, a gente vai sofrer a violência do mesmo jeito – disse outra manifestante ao repórter de AND, Patrick Granja, no vídeo que pode ser visto no link: http://anovademocracia.com.br/blog/?p=5800

Plenária decide rumos do movimento

Após esta grande prova de disposição da juventude carioca, uma plenária foi realizada no dia 25 de junho, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da UFRJ, no Centro da cidade, para planejar os rumos do movimento. Centenas de pessoas eram esperadas nessa reunião que, de fato, lotou e teve que ser realizada na praça em frente ao prédio. As decisões da plenária acertaram um novo protesto para o dia 27 de junho e outro para a tarde do dia 30 em conjunto com o Comitê Popular da Copa.

Apesar de a plenária estar composta também por estudantes independentes, algumas organizações oportunistas, como PSTU, PSOL e PCdoB, estiveram na mesa e tentaram manobrar as decisões de acordo com seus interesses. Burocratizaram e prolongaram os debates, visando com que as pessoas aos poucos se retirassem e sobrassem apenas seus militantes para votar as propostas. Mas não conseguiram seus intentos completamente e foram desmascarados pelas massas.

As decisões da Plenária foram:

Ato no dia 27: concentração na Candelária e marcha até a Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes), passando pela Cinelândia.

Ato no dia 30, na final da Copa das Confederações, à tarde, saindo da Praça Saens Peña, na Tijuca, rumo ao Maracanã. PSOL, PSTU e outros grupos defenderam a realização de outro ato pela manhã, o que foi aceito com a condição de que a manifestação da manhã se mantivesse mobilizada para o protesto da tarde.

Na mesma plenária foram rejeitadas inúmeras propostas de reivindicações feitas pelo oportunismo e logrou-se certa unidade em torno de três pautas principais: tarifa zero, desmilitarização da polícia e liberdade para todos os manifestantes presos.

Dia 27: mais luta!

Em 27 de junho, a manifestação prevista reuniu cerca de 10 mil pessoas e voltou a ocupar o Centro. Dessa vez, amedrontados com a fúria popular, as "autoridades" deslocaram para essa região da cidade um enorme aparato policial. Em cada quarteirão, bem como na Candelária, Cinelândia e ruas adjacentes centenas de PMs estavam a postos com escudos.

O ato saiu da Candelária pela Av. Rio Branco indo em direção à Cinelândia, cercada por policiais na frente, atrás e dos lados, fora os PMs à paisana, infiltrados entre os manifestantes.

Chegando à Cinelândia, os carros de som de sindicatos e siglas oportunistas estacionaram e conclamaram para o encerramento da manifestação, contrariando o que havia sido decidido na plenária. Confrontados, justificaram-se dizendo que "manifestantes radicais criariam tumulto".

Diante de tamanha desfaçatez, a massa rejeitou, mais uma vez, a direção oportunista dizendo que "o povo é quem comanda!" e continuou a marcha, deixando pelegos e traidores falando sozinhos.

Manifestantes também levaram suas mensagens de repúdio ao massacre levado a cabo pela Polícia Militar no Complexo da Maré poucos dias antes da manifestação. Numa grande faixa da Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência podia-se ler: "A polícia que reprime na avenida é a mesma que mata na favela".

Por que protestam?

Nossa reportagem também conversou com o professor de História da rede estadual do Rio de Janeiro, Filipe Proença, presente na manifestação de 20 de junho:

"Como professor de História e participante das lutas contra o aumento desde 2007, na época militando no MPL-RJ, não poderia ficar indiferente às recentes mobilizações. Participei do ato e pude perceber a forma como Estado usa seu aparato para reprimir as manifestações populares. Estive lá e vi, a polícia iniciou do nada um confronto. Os manifestantes caminhavam e quando chegaram às portas da prefeitura começaram a ser atacados com bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo. Depois foram cenas de verdadeiro terror, os manifestantes encurralados até a Central e as luzes da Av. Pres. Vargas foram apagadas.

A mídia fala muito em vandalismo, mas o que eu vi foi uma reação da juventude, que foi covardemente agredida e encurralada pela PM. Quando imigrantes franceses ou jovens das periferias de Londres se revoltam, a imprensa não cessa de falar em revoltas populares. Quando acontecem aqui, essa mesma imprensa fala em 'vandalismo' e 'baderna'. Vandalismo é o que os governos vêm fazendo com os trabalhadores, com a saúde, educação. Em especial a repressão vândala que tem se dirigido contra os mais pobres e moradores de favelas. Não podemos esquecer que essa é a mesma polícia que mata nas favelas e periferias da cidade, a mesma polícia herdeira da ditadura militar. O Estado brasileiro sempre tentou resolver a questão social como caso de polícia. Depois ocorreu um verdadeiro estado de sítio do Centro do Rio até o bairro das Laranjeiras, quando a PM cercou universidades e evacuou quase todos os bares com o uso da violência, usando até mesmo armas letais."


Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait