RJ: depoimentos dos presos e feridos nos protestos

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/114/07-rafael.jpg

"Senti uma pancada enorme na perna. Pensei: "é uma bomba. Vou me erguer antes que exploda". Mas não houve explosão. "É uma bala de borracha", pensei então (…). O voluntário rasga a minha calça e se assusta e grita: "Isso é bala de verdade", ecoando o que pensava no momento. (….) Radiografam o local do ferimento, mas nada apareceu. Somos abordados pelo soldado de plantão no hospital e dizemos que, como o raio-x não havia mostrado nenhum corpo estranho, acreditávamos tratar-se de uma bala de borracha ("que bala de borracha é essa?", pensávamos). Aparentemente baseado na conversa informal que teve conosco, ele informou à polícia que era bala de borracha, embora nenhum médico tenha olhado as radiografias. No IML, onde deveria realizar o exame de corpo de delito, o sistema estava fora do ar. Não sei em que se baseiam para afirmar que eu alegara ser vítima de uma bala de fuzil. Nem sei em que a polícia se baseia para afirmar ser bala de borracha, conforme informado pela TV."

(Rafael Caruso. Farmacêutico. Ferido na manifestação do dia 22/07/2013)


http://www.anovademocracia.com.br/114/07-rgomes2.jpghttp://www.anovademocracia.com.br/114/07-rgomes1.jpg

"Estava com um grupo de pessoas na Praça São Salvador, nas Laranjeiras, após a dispersão do ato no Palácio Guanabara. O choque da PM, que estava caçando manifestantes pelo bairro, chegou e nos encurralou entre a calçada, um carro e uma barraquinha de camelô. Levei quatro tiros de bala de borracha praticamente a queima-roupa, pois o carro da PM estava bem próximo. Fiquei com sérios ferimentos na barriga e na coxa. Na hora, eu estava com um bumbo protegendo o rosto, e pude sentir várias balas de borracha acertarem o bumbo, ou seja, eles atiraram para acertar o rosto. Os moradores de um prédio foram bastante gentis e nos oferecerem abrigo, pois a polícia continuava a caçada. Depois fui no hospital Souza Aguiar fazer curativos e encontrei mais alguns feridos."

(Rafael Gomes Penelas. Membro da equipe do jornal A Nova Democracia. Ferido na manifestação de 22/7/2013)


http://www.anovademocracia.com.br/114/07-bernardo.jpg

"Eu estava sem pedras, sem mochila na hora da prisão. Os policiais começaram a jogar bomba, balas de borracha. Nós corremos e por causa do gás lacrimogêneo começamos a ficar sem ar. Eu e outras pessoas nos refugiamos num prédio. Nós estávamos num grupo de sete pessoas, os policiais não nos revistaram e nos mandaram direto pra prisão. (...) Eles inventaram uma acusação de formação de quadrilha com pessoas que sequer se conheciam. (...) A gente precisa continuar nas ruas e se indignar com tudo isso. Quanto mais a PM fizer isso com a gente, mais forte nós vamos ficar. A verdade está com a gente."

(Bernardo Seabra. Jornalista. Preso na manifestação do dia 18/07/2013. Está sendo indiciado por formação de quadrilha)


http://www.anovademocracia.com.br/114/07-tabata2.jpghttp://www.anovademocracia.com.br/114/07-tabata1.jpg

"Fui atingida por quatro tiros de bala de borracha. Os disparos foram feitos de maneira muito covarde, pois eu e uma amiga fomos atacadas quando tentávamos nos afastar da nuvem de gás lacrimogêneo. Nesse momento, a tropa de choque vinha em sentido oposto e atirou contra a gente, mesmo estando nitidamente fugindo do confronto e com o rosto descoberto. Tivemos que nos esconder e só conseguimos chegar ao hospital sendo carregadas no colo por outros manifestantes. Como consequência dessa atrocidade, estou até hoje com muita dificuldade de me locomover, não consegui comparecer ao trabalho e tive meu contrato encerrado devido às faltas, mesmo munida de atestado médico."

(Tabatah Flores. Bacharel em direito. Baleada na manifestação de 11/07/2013)


http://www.anovademocracia.com.br/114/07-thiago2.jpghttp://www.anovademocracia.com.br/114/07-thiago.jpg

"As pessoas começaram a correr, o gás estava muito forte. Senti uma granada bater no meu pé e então uma explosão muito forte. Estava sufocando e não conseguia andar direito. Quando cheguei à Casa de Saúde Pinheiro Machado, a porta estava estilhaçada pela polícia e a clínica cheia de gás. Muitos outros foram feridos. Foi uma ação covarde, uma ordem covarde e autoritária de um comando irracional liderado por maníacos. Um governo que a cada dia mostra que, em vez de ouvir a voz do povo, trata este como um inimigo a ser combatido."

(Thiago Earp. Produtor e Roteirista audiovisual. Ferido na manifestação de 11/07/2013)


http://www.anovademocracia.com.br/114/07-patrick1.jpg

"Repentinamente, a PM atacou os manifestantes com um caminhão que dispara jatos fortíssimos de água. Eu e um grupo de cerca de 10 jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos permanecemos postados entre manifestantes e PMs registrando o confronto, que seguiu pela rua Paissandu. De repente, uma bomba foi atirada contra nós, que levantamos as mãos e gritamos repetidas vezes: "Imprensa! Imprensa". Mesmo assim, outras quatro granadas de efeito moral foram atiradas. Duas delas me acertaram na perna. Minha panturrilha ficou literalmente deformada. Agora fica a pergunta: Quem atirou a bomba? Quem atirou foi uma polícia que, ao contrário do que muitos dizem, é muito bem preparada. Preparada para reprimir, ser truculenta e não ter um pingo de humanidade. Preparada para não respeitar ninguém e promover violência."

(Patrick Granja. Jornalista do Jornal A Nova Democracia. Ferido na manifestação do dia 11/07/2013)


Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

"Com o início do confronto, o cordão dos policiais que protegia o Palácio foi reposicionado, fechando a rua às minhas costas. Nesse momento fui atingido por trás, no lado direito da cabeça; (...) o que me faz acreditar que fui atingido pela polícia (...). 

Fui internado no CTI com traumatismo crânio-encefálico (...). A ação da Polícia Militar não se dá de modo a garantir a dignidade das pessoas e a integridade do patrimônio público e privado; pelo contrário, ela instiga a violência e o conflito. (...) a intervenção desmedida da Polícia Militar é sempre relevada em função de um suposto mau comportamento por parte dos manifestantes, o que não é a realidade prática das passeatas."

(Pedro Guimarães Lins Machado. Fotógrafo. Ferido na manifestação do dia 11/07/2013)

 

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait