Aula de fascismo na USP

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/121/13a.jpg
Assembleia dos estudantes que decidiu pela ocupação.

Desde as grandes manifestações de junho a população tem enxergado de forma mais clara como funciona a "democracia" em nosso país. Não bastasse a falta de educação e saúde, transportes precários, a falta de moradia e as inúmeras humilhações sofridas diariamente por milhões de brasileiros, quando as pessoas vão se manifestar são tratadas como "criminosas" pelos governos e pelas forças de repressão.

O movimento estudantil da USP sabe bem disso e tem sido posto a prova nos últimos anos. A cada nova luta na universidade, o monopólio da imprensa, o governo do estado e a reitoria de João Grandino Rodas lançam uma campanha histérica na tentativa de deslegitimar suas reivindicações e criminalizar o movimento.

Mas, independente disso, no dia 1º de outubro, em seu pleno direito de manifestação, os estudantes ocuparam a reitoria exigindo democracia na USP. Eles criticam duramente a forma como é escolhido o reitor da universidade e o fajuto sistema de lista tríplice, com o qual os nomes dos três candidatos mais votados são enviados ao gerente estadual Geraldo Alckmin, que decide quem será o vencedor. O pleito ocorre por colégios eleitorais que são representados majoritariamente por professores titulares.

Além do voto direto, os estudantes exigem a saída da Polícia Militar do campus. A presença da PM, alardeada como necessidade de "segurança", é tida pelo movimento estudantil como patrulhamento político, já que as lutas na USP têm sido intensas, e como uma afronta à autonomia universitária.

Após a entrada do pedido de reintegração de posse pela USP em 15 de outubro, a "justiça" havia determinado um prazo de 60 dias para estabelecimento das negociações. Porém, a direção da universidade solicitou a antecipação desse prazo e, em 4 de novembro, o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu pela reintegração de posse imediata. Os estudantes decidiram resistir e permanecer no local. Na madrugada de 12 de novembro, a tropa de choque da PM cumpriu a reintegração. A combativa ocupação durou 42 dias.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait