Resgatemos a gloriosa bandeira de 1935

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/122/13.jpg
Selo da Alemanha Oriental homenageando Ewert.

Há 78 anos, o Partido Comunista do Brasil, apenas treze anos após sua fundação, empreendeu um dos feitos mais importantes da história de nosso país e do movimento comunista brasileiro. Na luta por assimilar o marxismo-leninismo e para superar a herança anarco-sindicalista da maioria de seus fundadores e as concepções obreiristas e economicistas, o partido se defrontará com o desafio de compreender a realidade peculiar dos países dominados pelo imperialismo, para desencadear a luta armada com o objetivo de cumprir a missão histórica do Partido Comunista: a conquista do poder para o proletariado para promover a revolução agrária e a democracia popular, libertar o país da dominação imperialista e construir o socialismo.

“Novembro de 1935 projetase em nossa vida política como importante divisor de águas. A partir de então, a contenda entre as forças progressistas e as reacionárias, em torno das mesmas questões e tarefas básicas, se aguça, sempre mais. Assustados pelo que consideram o mais terrível dos precedentes, os inimigos do povo — a grande burguesia e os latifundiários, associados ao imperialismo, tendo à frente as Forças Armadas — decidiram impedir por todos os meios que o feito se repita.”

As palavras do grande dirigente comunista Pedro Pomar no artigo A gloriosa bandeira de 1935, publicado no jornal do partido A Classe Operária nº 102, em novembro de 1975, por ocasião do 40º aniversário do levante popular revolucionário, tem grande vigência nos dias atuais, sobretudo com a persistência da resistência camponesa e após as tormentosas jornadas de lutas populares desatadas em meados deste ano.

O camarada Pedro Pomar redigiu este artigo no momento mais maduro de sua militância comunista. Ele, que ingressou nas fileiras do Partido Comunista do Brasil em 1932, vivenciou a efervescência dos preparativos e combates do Levante Popular de 1935 e foi alvo das perseguições que se seguiram à sua derrota. Participou diretamente da reorganização do partido no início dos anos de 1940, o qual fora desmantelado quase que por completo pelo fascismo estadonovista. Pomar atuou destacadamente da ruptura com o novo revisionismo capitaneado por Prestes e para a reconstrução do partido em 1962, da defesa do Pensamento Mao Tsetung, da guerra popular prolongada como caminho da revolução brasileira, de sua preparação e deflagração. A heroica Guerrilha do Araguaia no final dos anos de 1960 e início dos de 1970 foi combatida pelo regime militar instalado pelo golpe de 1964 com a maior mobilização de tropas e meios de guerra depois da II Guerra Mundial. Sua derrota abriu uma titânica luta no partido e Pomar não abriu mao de um justo balanço daquela experiência e por uma profunda autocrítica sobre a concepção e método nela aplicados, para superar os erros e seguir com a guerra popular.

O balanço de Pedro Pomar sobre o Levante Popular de 1935, 40 anos depois de seu acontecimento, foi base segura para o balanço do Araguaia. E, portanto, resultado do acúmulo de décadas de experiência, estudo e luta do mais capaz e mais destacado dirigente comunista, que mais compreendeu e encarnou a ideologia do proletariado, o marxismo-leninismo-pensamento Mao Tsetung (como era denominado o Maoísmo à época), desta última etapa da história do PCB.

AND já tratou, em edições anteriores, com bastante propriedade do tema. Gostaríamos de nos ater a alguns pontos fulcrais da análise de Pomar sobre o Levante Popular de 1935, que consideramos fundamentalmente corretos e que podem servir de grande lições para as futuras batalhas de nosso povo.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A luta no seio do Movimento Comunista Internacional por compreender os novos problemas surgidos com a profunda crise do capitalismo precipitada pela quebra da Bolsa de Nova Iorque em 1929 e a ascensão do fascismo na Europa e Ásia, exigiram da luta na Internacional Comunista – IC (a III Internacional) formular a política de frente única antifascista. No Brasil, essa orientação fomentará a criação da Aliança Nacional Libertadora – ANL, propugnando a derrubada revolucionária do governo Vargas e o estabelecimento de um Governo Popular Nacional Revolucionário para realizar as transformações democráticas agrárias de caráter antifeudal e anti-imperialista.

A aplicação mecanicista das teses da IC fica expressa tanto na abordagem na análise de classes e programa da revolução, quanto à forma que o movimento revolucionário deveria tomar para o seu êxito. Daí a concentração do movimento revolucionário nos centros urbanos e os planos de assalto ao poder via insurreição. Fica expressa a visão dogmática da direção do Partido sobre a Revolução Bolchevique, bem como a desinformação e incompreensão da experiência revolucionária na China, revelando sua completa subestimação do campesinato como força decisiva na revolução no Brasil.

Segundo Pomar: “Não obstante, a política do Partido e seu trabalho de frente-única padeceram de sérias debilidades. Ao fazer esforços para expandir a Aliança entre as massas urbanas, não soube estendê-la ao campo. A mobilização dos camponeses continuava subestimada. Nesse período, no entanto, o inolvidável Harry Berger¹ insistiria na importância da atividade entre as massas rurais. Berger, dirigente comunista alemão que a Internacional Comunista incumbira de ajudar a luta dos trabalhadores brasileiros, assim que chegou ao Brasil passou a estudar pessoalmente a experiência do surgimento das Ligas Camponesas e de guerrilhas na região do Baixo São Francisco, em Alagoas.

Argumentava que ‘enquanto os comunistas não se ligassem às massas camponesas e conquistassem seu apoio, seria impossível obter a vitória bem como a direção do movimento revolucionário pelo proletariado’. Aliás, não era outra a orientação da III Internacional. Dimitrov, em seu informe ao VII Congresso, esclarecendo o sentido concreto que devia ter a frente-única nos países submetidos ao imperialismo, e particularizando nosso país, dizia: ‘No Brasil, o Partido Comunista, que construiu uma base correta para o desenvolvimento da frente-única com a fundação da Aliança Nacional Libertadora, deve fazer o máximo de esforços para estender ainda mais esta frente e atrair, antes e acima de tudo, as massas de milhões de camponeses com o propósito de orientá-las na formação de unidades do exército popular revolucionário devotado até o fim ao estabelecimento do poder da Aliança Nacional Libertadora’.”

Cabe porém destacar, humildemente, algo que o camarada Pomar não considerou: no mesmo período destes acontecimentos no Brasil, ocorria a Grande Marcha na China (de 1934 a 1936).  As ideias do Presidente Mao Tsetung sobre a guerra popular e o cerco da cidade pelo campo triunfariam no Partido Comunista da China, em janeiro de 1935, na reunião ampliada do Birô Político em Tsunyi. Sob a justa direção do Presidente Mao Tsegung, o Partido Comunista da China estabelecera uma correta linha de massas, a partir da qual se impunha a necessidade de realizar as relações com setores da burguesia (pequena burguesia e média burguesia ou burguesia nacional) na base da unidade e luta, de tomar o campesinato como força principal na revolução democrática e de avançar com a guerra popular como guerra de libertação antijaponesa.

Harry Berger inclusive, “durante os cursos de formação política, fazia brilhante exposição a respeito da revolução na China, onde estivera antes, explicando as razões da hoje chamada Grande Marcha, quando o exército de Mao Tsetung e Chu-Te se deslocaram para o interior, onde se encontravam acuados pelas tropas de Chiang Kaichek a fim de postar-se na retaguarda das tropas invasoras do Japão, colocando estas entre dois fogos e organizando assim o que se denominara Guerra de Resistência anti-japonesa, que propiciara a organização do Governo de Coalizão em Tchumking” ².

Convicto defensor da luta armada, após proceder a sua rigorosa análise das falhas e debilidades do partido na condução do Levante Popular de 1935, transbordando otimismo revolucionário, o camarada Pomar conclui:

“A importância extraordinária da insurreição de 35 reside no fato de que pela primeira vez situou em forma concreta, em termos práticos, para os militantes comunistas e as forças populares, a tarefa da preparação e do desencadeamento da luta armada. Por isso, nosso Partido, procurando generalizar essa magnífica experiência e outras já vividas nesse terreno pelo povo brasileiro, e à luz dos ensinamentos do marxismo-leninismo, concluiu que o método provado para alcançar o triunfo é o da guerra popular, da guerra revolucionária das massas. Com base nessa concepção, o Partido orienta seu esforço, preparando-se para a luta armada. Só assim, estará em condições de realizar, junto com as massas e na devida oportunidade, ações de envergadura, capazes de vencer a violência das forças contrarrevolucionárias”.

______________________
[
1] Arthur Ewert (verdadeiro nome de Harry Berger), um dos quadros da IC destacados para dar suporte ao processo revolucionário em curso no Brasil. Preso após a derrota do Levante Popular de 1935, Berger foi submetido as mais bárbaras torturas que se tem notícia e resistiu bravamente até perecer de suas faculdades mentais. Ele passou 13 anos preso no Brasil e faleceu no hospital psiquiátrico na Alemanha em 1959.

[2] Lima, Heitor Ferreira. Caminhos percorridos – memória de militância. São Paulo, Brasiliense, 1982. Pg. 200.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait