Cabral expulsa Aldeia Maracanã pela "2ª" vez

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/123/09a.jpg
Ativistas da FIP impedem a invasão do choque, 15/12/2013.

Na manhã de 16 de dezembro de 2013, uma segunda-feira, a Tropa de Choque da PM do Rio de Janeiro levou a cabo mais um despejo violento dos indígenas da Aldeia Maracanã, zona Norte da cidade. Nos dois dias anteriores, o espaço abrigou o 1º Encontro da Frente Independente Popular (FIP) — frente de luta que abrange ativistas e movimentos independentes e combativos e que surgiu após as manifestações que tomaram as ruas nos últimos meses. Durante o evento, indígenas ocuparam o prédio anexo, que será demolido se depender do gerenciamento Sérgio Cabral. PMs cercaram o local ameaçando desocupar ambos os imóveis.  Às 7h da manhã do dia 17, o despejo começou. Ruas foram interditadas e vários dos ocupantes foram agredidos por policiais, incluindo crianças e uma gestante. Tudo feito à luz do dia e sem qualquer ordem judicial que sustentasse a ação.

Mais uma arbitrariedade do governo Cabral, esse governo fascista. Mais uma prova de que não existe democracia nesse país. Tudo aqui está acontecendo de forma errada. Nós fomos para aquele prédio porque esse no qual estávamos não tem condições estruturais. Eles estão coagindo, intimidando os indígenas todos os dias por conta disso. Aquele espaço é nosso. Dois juízes já quiseram colocar a gente naquele espaço. Não foi possível por que a Odebrecht estava no local. Agora eles já saíram e agora o governo quer derrubar aquele prédio. Eles querem tirar a gente daqui a qualquer preço por conta da Copa do Mundo, por conta do Maracanã. Eles não querem os movimentos, os indígenas aqui nesse lugar. Isso não é mais um museu, é um Centro Cultural, é uma Universidade, é a representação dos movimentos indígenas do Brasil inteiro e nós vamos lutar por esse espaço — disse a indígena da etnia Manauara, pesquisadora do Hospital Estadual Pedro Ernesto e professora da rede estadual, Mônica Lima, pouco depois de ser expulsa da Aldeia Maracanã e presa.

http://www.anovademocracia.com.br/123/09b.jpg
Apoiadores da Aldeia não se intimidaram perante a repressão.

O prédio em questão, antes ocupado pela construtora Odebrecht e pela Empresa Municipal de Obras Públicas para a reforma do Maracanã, foi esvaziado para, em seguida, ser demolido. No entanto, os indígenas revindicam o espaço para abrigá-los durante a reforma do prédio histórico da Aldeia Maracanã, também desocupado e centro de uma luta incansável dos movimentos indigenistas. O imóvel, que já abrigou o Serviço de Proteção ao Índio e o Museu do Índio, fundado pelo antropólogo Darcy Ribeiro, já havia sido readaptado pelos habitantes da Aldeia para o funcionamento de uma universidade indígena e de um Centro Cultural. Os sistemas hidráulico e elétrico foram reinstalados e outros quatro banheiros foram erguidos pelos indígenas. O prédio ocupado no dia 15 seria uma justa expansão do trabalho empreendido pela Aldeia Maracanã.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait