A nefasta persistência do analfabetismo

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/126/15.jpg

O filme Central do Brasil, lançado em 1998, retrata a vida de Dora e Josué no início dos anos 80 do século passado. Dora é uma professora aposentada que ganha a vida escrevendo cartas para analfabetos e pessoas com dificuldades de leitura e escrita, na maior estação de trens do Rio de Janeiro, a Central do Brasil. Ele, um garoto pobre, que com oito anos de idade perde sua mãe no Rio de Janeiro e sonha com uma viagem ao Nordeste para conhecer o pai.

As cenas que mostram a atriz Fernanda Montenegro interpretando a professora Dora que, num misto de pena e desonestidade, vivia avolumada de pedidos para escrever cartas, algumas enviadas outras não aos seus destinatários, evidenciam um profundo exemplo de atraso provocado pela opressão capitalista: o analfabetismo.

Passados mais de três décadas das sintomáticas cenas abordadas no filme Central do Brasil, ainda persiste seriamente no país o problema do analfabetismo. Um relatório divulgado recentemente pela Unesco aponta que o Brasil aparece em 8° lugar entre os países com maior número de analfabetos adultos. Segundo o último levantamento do IBGE, através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), são 13,2 milhões de analfabetos (entre a população com mais de 15 anos) no país. Recentes pesquisas apontam que o analfabetismo funcional* atinge 20% da população brasileira adulta, ou seja, são mais de 30 milhões de brasileiros que não sabem minimamente escrever um bilhete e interpretar o que está escrito nele.

Não é possível esconder a realidade

Não podemos descartar os dados. As gerências de turno só gostam de utilizá-los quando lhes é favorável.  Os oportunistas do PT e seus asseclas (pecedobê e companhia) viviam criticando as outras gerências do Estado brasileiro pelo fato de nos períodos desses governos milhões de pessoas serem consideradas analfabetas funcionais. E agora? Como vão justificar o injustificável, à medida que dados levantados pelos próprios órgãos dos governos apontam que esse número aumenta a cada ano.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait