Meninas do choro paraense

A- A A+

Formado somente por mulheres, o Charme do Choro é um dos representantes do gênero em Belém — PA, local onde está bem presente. Nascido a partir de uma oficina de choro, o grupo lançou seu primeiro disco com obras de compositores paraenses, algumas de sua autoria e tem conquistado o público de várias partes do país.

http://www.anovademocracia.com.br/128/16.jpg

— Aqui em Belém tem um movimento de choro muito forte. Talvez nacionalmente não se tenha o conhecimento disso, mas é algo conhecido entre os chorões de várias localidades, que vez ou outra aparecem para participar de algum evento, oficinas. Vários grupos já passaram pela cidade — diz Camila, integrante do grupo.

Mas a maioria dos chorões que atuam em Belém é daqui mesmo. São muitos os grupos, alguns bem antigos. É um pessoal que se interessou pelo gênero e pratica de verdade em rodas, lugares voltados.

— As rodas acontecem esporadicamente quando nos ligamos e marcamos, fora as fixas. Todos os domingos têm uma no Bar Casa do Gilson, especializada em choro e também no samba, porque esses dois acabam sendo meio irmãos — acrescenta.

Camila conta que a casa, conhecida como a mais tradicional do choro em Belém, tem mais de vinte anos.

— Uns vinte e seis, a minha idade. Pelo que sei, antes de pertencer ao Gilson, se chamava A Casa do Choro, e era muito frequentada pelos chorões da época. Após o falecimento do dono, eles começaram a ficar sem ter onde se encontrar.

— Passaram então a se reunir na residência do Gilson, que era também um frequentador da antiga A Casa do Choro. Desse movimento surgiu a casa que temos hoje — continua.

— É muito antiga a história do choro aqui em Belém, e bem forte. São vários grupos, não sei nem dizer quantos temos aqui. Inclusive, o livro Almanaque do Choro, que é bastante conhecido, publicou que Belém está se tornando já a terceira capital do choro no Brasil — afirma.

As meninas se juntaram para tocar depois que participaram de uma oficina de choro, do projeto Choro do Pará.

— Essas oficinas começaram em 2006, no Instituto de Artes do Pará, com aulas dos instrumentos peculiares do choro: bandolim, clarinete, flauta transversal, turmas de violão de 6 e 7 cordas, turmas de pandeiro e de cavaquinho — continua Camila.

— Nos conhecemos lá e no final do ano de 2006 apresentamos dois choros, isso só as meninas da oficina, que não eram muitas. Assim o grupo foi surgindo, se selecionando, se enxugando.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait