Índios de SC: aos capitalistas tudo, às aldeias nada

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Embora o “governo” de Santa Catarina e seus aliados (ricos empresários, fazendeiros e monopólio das comunicações) venham teimosamente caluniando os povos indígenas quanto ao tamanho “exagerado” de suas áreas, as tribos do estado (Guarani, Caingangue e Xokleng) na realidade ocupam apenas 0,81% do território catarinense (77.754 hectares), enquanto somente uma empresa papeleira possui quase o dobro de terras, cerca de 150 mil hectares.

A informação foi apresentada pelo professor e membro do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) Clóvis Brighenti, no seminário interuniversitário da UFSC e UDESC, Terras Indígenas e Crescimento Econômico: tempos de dúvidas e desafios, realizado em Florianópolis no dia 25 de março.

Campanha pelo Morro dos Cavalos

Durante o seminário a comunidade dos guaranis de SC lançou uma campanha pela imediata homologação, por parte da gerente Dilma, da Terra Indígena (TI) Morro dos Cavalos, localizada no município de Palhoça.

Em 2011 a Funai procedeu a demarcação física e desde então aguarda a decisão de Dilma, que tem se recusado a assinar a Portaria por conta da relação política com empresários e políticos catarinenses contrários aos direitos indígenas

Em cima da TI foi criado o Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, porém não é o Parque o principal empecilho ao processo demarcatório. Opõem-se a ele empresários do ramo de turismo e exploração de água que estão de olho no rico manancial que nasce no interior da área dos índios.

A TI Morro dos Cavalos tem 1.988 hectares e foi reconhecida como de ocupação tradicional da Comunidade Indígena Guarani em 1993. Submetida ao Decreto 1775/96, passou por novos estudos e em 2008 o ministro da Justiça assinou a Portaria Declaratória.

Atualmente a comunidade conta com 138 pessoas e vive em menos de dois hectares, espremida entre o morro e a rodovia BR-101.

A homologação é o último passo para que Funai proceda ao pagamento das benfeitorias das 74 famílias de posseiros que vivem sobre a área e para que a tribo possa ocupar toda a terra.

Um grande adversário da legalização, além dos empresários, tem sido o gerente estadual de SC, o direitista Raimundo Colombo, que tem acionado seus poderes contra os guaranis.

Assim, a Procuradoria Geral de Santa Catarina entrou com pedido ao STF para que o processo demarcatório seja anulado.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait