Editorial - Fascistas são o velho Estado e seus defensores

A- A A+

Na história recente do Brasil, nunca se falou tanto em fascismo como nos últimos meses.

Notadamente nas bocas de esgoto dos próceres do oportunismo eleitoreiro no gerenciamento de turno do velho Estado semifeudal e semicolonial brasileiro esse conceito perde todo sentido. Isso porque eludem que são eles mesmos não somente os defensores, mas os que presidem o fascismo que é da natureza do velho Estado e tentam fazer crer que tudo que se lhes opõe é que é fascismo. A ratazana delatora, durante as jornadas de luta do ano passado, num acesso de vômitos, chegou a acusar manifestantes de fascistas. E não faltaram filósofos oficiais para dar ao disparate ares epistemológicos.

Ora, pois essa gente se aprimorou na prática de aplicar as medidas mais discricionárias contra o povo e seus dirigentes mais combativos, sempre tentando se cobrir com o véu publicitário de “popular” ou “de esquerda”.

Apoiados no ecletismo ideológico que caracteriza o fascismo, essas siglas que traficam com os interesses do povo ampliam tremendamente a corporativização (cooptação de “movimentos sociais”, programas assistencialistas e a militarização das ocupações policiais e das forças armadas, formação de guetos...) da sociedade. Aqui, procurar por exemplares clássicos do fascismo seria uma caça a fantasmas.

Trata-se de um fascismo sofisticado, travestido de “democracia”, porém de mesmíssima essência, uma vez que dá aos cidadãos uma única “liberdade”, a de “ir e vir”, paga a peso de ouro.

Afinal, o que significa a genocida ação da PM do Rio contra os moradores da favela da Telerj, numa ação que justamente foi comparada com a famigerada operação policial que acabou com o Pinheirinho, em São Paulo, em 2012? Nada como um dia após o outro para que se rompa o véu sujo que cobre as diferentes siglas do Partido Único, revelando que são a mesma coisa imunda.

E que tipo de democracia é esta que se vale das forças armadas para reprimir a população a pretexto de combate ao “crime organizado”? Não é a primeira vez que se recorre a isso, mas nem por isso é menos grave o incremento da brutalidade policial e que continue a se utilizar as FFAA no combate ao “inimigo interno”, missão dada pelo imperialismo ianque e cumprida à risca pelos gerentes de turno do velho Estado.

Vale dizer que os militares empenhados na ocupação do Complexo da Maré, no Rio, são todos egressos das tropas que ocupam o Haiti (nomeadamente a grande favela Cité Soleil de Porto Príncipe) desde 2005. Na ocasião, AND já alertava que além de liberar, temporariamente, o exército ianque para seus genocídios no Iraque e Afeganistão, a missão no Haiti serviria de treinamento para a contra-insurgência no próprio país.

E o que dizer da ininterrupta e brutal repressão, inclusive com tropas federais, aos camponeses pobres e indígenas em legítima luta pela terra? Sem contar os bandos armados pelo latifúndio, compostos quase sempre de policiais e acobertados pelo judiciário e executivos federal e estaduais.

Centenas de jovens estão sendo processados em todo o país por protestarem desde junho contra todo esse estado de coisas que oprime o povo brasileiro. Esta deve ser a luta da “democracia” contra o fascismo desses cínicos. E se pensavam que com isso impediriam protestos durante a Copa da Fifa, cremos que já se convenceram do contrário, até porque não perderam tempo para providenciar todo um arsenal de medidas discricionárias de causar inveja ao regime dos generais gorilas.

E não satisfeitos com toda vilania praticada contra o povo, ainda ficam a lançar cortinas de fumaça, como “procurar” fascistas por toda parte, principalmente no movimento popular que tomou as ruas no ano passado. Para isso se valem de gente na academia, que se utiliza de todo tipo de malabarismo “teórico” para condenar a ação da juventude combatente em luta contra esse velho Estado em decomposição.

Mas nada disso os salvará do destino, mais próximo que distante, da lata de lixo da história.

Os gerentes e defensores de um Estado fascista são também fascistas. Se quisessem realmente encontrar gente assim, deviam se olhar no espelho e buscá-las em seus próprios valhacoutos.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait