Araguaia: Agora compactuam com a ditadura

A- A A+

O presidente Luis Inácio da Silva ordenou, através do advogado-geral da União, Álvaro Ribeiro da Costa, o encaminhamento de um recurso judicial cujo objetivo é impedir que o Exército seja obrigado, judicialmente, a revelar seus arquivos secretos sobre uma das mais importantes e censuradas lutas do povo brasileiro, a Guerrilha do Araguaia, ocorrida entre os anos de 1972 e 1975, nos estados do Pará e Tocantins.

Passados trinta e um anos deste dramático e marcante episódio nacional, os familiares dos guerrilheiros mortos e desaparecidos continuam sendo desrespeitados e cerceados no seu legítimo direito de recolher os restos mortais de seus parentes. Ainda que, cinicamente, o governo diga, no seu recurso, que preserva este “legítimo direito das famílias dos desaparecidos”, na prática lança mão de uma manobra jurídica tão “legal” quanto torpe, negando o imprescritível e inalienável direito das mães, pais e filhos velarem dignamente seus mortos e o da sociedade brasileira de conhecer a verdade dos fatos históricos.

No mês de julho, a Justiça Federal havia, então, determinado a quebra do sigilo das informações submersas nos arquivos do aparato repressivo do Estado. Informações estas referentes a todas as operações de combate à guerrilha do Araguaia — movimento armado que opôs militantes comunistas e camponeses à tropas das Forças Armadas, da Polícia Federal e das polícias militares da região. A sentença foi proferida pela juíza federal Solange Salgado, titular da 1ª Vara Federal do Distrito Federal, em processo de nº 82.00. 24682-5, instaurado no ano 1982, por familiares de 22 dos 61 guerrilheiros, militantes do Partido Comunista do Brasil, contabilizados pelo Ministério da Justiça como desaparecidos no Araguaia.

No seu despacho, a juíza Solange Salgado deu prazo de 120 dias para a União dizer onde estão sepultados os restos mortais destes guerrilheiros determinando, para isso, uma “rigorosa investigação no âmbito das Forças Armadas” e intimando a prestar depoimentos “todos os agentes militares ainda vivos que tenham participado das operações, independente dos cargos ocupados à época”, ou seja, de generais de reserva a militares de patentes inferiores.

A juíza determinou ainda o fornecimento de informações detalhadas sobre a totalidade das operações militares de combate à guerrilha. Desde os enfrentamentos armados com os guerrilheiros até as capturas e detenções de pessoas com vida, o recolhimento dos corpos dos guerrilheiros mortos, os procedimentos adotados para sua identificação e o destino dado aos corpos.

Formalmente, até que se abram os arquivos lacrados dos militares, não foram feitos prisioneiros no período. Embora camponeses e ex-soldados tenham testemunhado a prisão de guerrilheiros, nem estes nem os que morreram em combate têm suas mortes reconhecidas oficialmente.

A luta dos familiares dos desaparecidos em busca de notícias tem sido longa e dolorosa. E ainda que seja um exemplo de respeito à memória daqueles que viveram uma das mais importantes experiências de luta armada brasileira, tanto esforço não foi suficiente para superar a barreira de silêncio imposta por setores das Forças Armadas, com a conivência da direção nacional do PCdoB e, agora, do governo de Luis Inácio.

Capituladores X famílias

Em entrevista ao Jornal do Brasil no mês de novembro de 2002, João Amazonas — membro do Comitê Central do PCdoB no período da Guerrilha do Araguaia, que assume a direção nacional do partido após o Massacre da Lapa — ao falar dos mortos e desaparecidos do Araguaia afirmou, categoricamente, que não existia nada mais a fazer e conclamou militantes do PCdoB e familiares a acreditarem na versão do coronel-aviador C. Cabral, participante ativo da repressão à guerrilha e autor do livro Xambioá, onde se pode ler que os corpos foram incinerados na Serra das Andorinhas, estado do Pará. João Amazonas avalizou, assim, antes de falecer, a versão dos militares (veja AND nº 8, de abril/2003).

Por sua vez, o ex-guerrilheiro do Araguaia, José Genoíno, atual presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), acusado de delação, em detalhadas reportagens publicadas pelo Correio Brasiliense (12 e 13/08/ 2003), não defende com firmeza e convicção a memória dos combatentes brutalmente torturados e assassinados, preocupado em sustentar a gerência de Luis Inácio e resguardar a imagem deste velho e podre Estado, em particular das Forças Armadas.

Por tudo isso, acreditar que o Estado brasileiro, por sua iniciativa própria concordará em ter “obrigação jurídica e ética para com todas as famílias de desaparecidos políticos”, como reivindicam alguns neste momento, é ingenuidade. A sua ética é a das classes dominantes, cujo interesse é manter amordaçada, definitivamente, a história da Guerrilha do Araguaia.

Assim como os anistiados, principalmente os de origem proletária que pegaram em armas contra a ditadura militar de 64, enfrentam hoje uma nova batalha em busca de seus direitos, os familiares dos combatentes do Araguaia também se preparam para continuar a luta na busca dos meios concretos que permitam encontrar os restos mortais de seus parentes.

Diferentemente da Argentina e Chile, onde o movimento tem peso e avança para levar aos tribunais os assassinos e torturadores, tanto executores como mandantes dos crimes políticos, no Brasil isto não acontece porque os anistiados “bem nascidos” e os renegados, em sua maioria, estão no poder, e são eles próprios que interferem para que a verdade não venha a público.

A frustração deu lugar às duras críticas ao governo de Luis Inácio, que, em discurso, reconhece o direito dos familiares, desde que estes não possam exercê-lo, de fato.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait