RJ: tratores da prefeitura atacam no Horto

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/131/07.jpg
Os "robocops" do choque da PM chegando no Horto

Na manhã do dia 5 de maio, PMs da tropa de choque levaram a cabo uma ação de reintegração de posse no bairro do Horto, Zona Sul do Rio de Janeiro. O alvo foi o modesto clube Caxinguelê, tradicional ponto de encontro dos moradores da região. O Horto é um bairro cada vez mais dividido entre luxuosas mansões de um lado e bairros pobres repletos de moradias humildes de outro. Apesar de estarem na região há mais de um século, os moradores pobres do Horto sofrem cada vez mais com as investidas dos milionários que se instalaram no bairro. Encabeçados pela Rede Globo e pela direção do Jardim Botânico, os canastrões já usaram todos os argumentos imagináveis para justificar a expulsão dos pobres da região: “dano ao meio ambiente”, “invasão de propriedade”, “perturbação à flora do Jardim Botânico” e por aí vai.

A tropa de choque da PM chegou em peso às 5h manhã e não poupou violência. Um grupo de cem moradores, muitos deles idosos e mulheres, ainda tentou resistir, mas foi atropelado pela polícia. PMs usaram escadas para pular o muro do Caxinguelê e proibiram o acesso da imprensa.

Minha neta está aí dentro, gente. Por favor, cuidado! — pediu uma senhora.

A explosão de bombas de gás e efeito moral podia ser ouvida a cem metros do clube e, em seguida, várias pessoas começaram a pular para fora do Caxinguelê asfixiadas pelo gás. Segundo um dos diretores do clube, a operação foi uma retaliação da direção do parque e da Rede Globo — maior interessada naquelas terras — ao protesto contra a remoção, organizado por moradores no sábado anterior, que bloqueou o acesso ao estacionamento do Jardim Botânico.

— Foi o coronel Bonfim que chegou e já foi jogando spray de pimenta na nossa cara. Eles também usaram bala de borracha, que acertou inclusive um amigo nosso embaixo do braço. Essa é a policial militar. Muitos de nós estávamos no trabalho e tivemos que voltar. Sábado nós fechamos o estacionamento do Jardim Botânico em protesto contra a remoção e contra o desmatamento daquela área que eles estão promovendo. Provavelmente, essa reintegração de posse foi uma retaliação. Esses policiais que servem para proteger a gente. São eles que querem tirar o pessoal que mora aqui há 20, 30, 50 anos. Querem nos tirar na porrada — disse um morador que preferiu não se identificar.

Os gerenciamentos Dilma, Pezão (Cabral) e Paes, aliados em todas as políticas antipovo aplicadas no Rio de Janeiro, ameaçam de despejo 514 famílias do Horto por irregularidades fundiárias. Ao mesmo tempo, nenhuma das mansões que nesse exato momento expandem seus limites derrubando árvores e construindo edificações mal fundadas, com excessivo consumo de energia e sem tratamento de esgoto adequado foi notificada.

Segundo integrantes da resistência, era no Caxinguelê que moradores se reuniam e se organizavam para resistir e a remoção do clube seria o começo da remoção total do Horto. Em abril do ano passado, AND noticiou a investida do Estado contra duas casas que estariam em área de preservação ambiental e foram alvo de uma ação de restituição de posse à União. Moradores prepararam barricadas e se reuniram em massa no acesso às moradias para resistir, mas no final, as famílias acabaram aceitando uma contrapartida do Estado e deixaram o local.

— É o Jardim Botânico quem manda aqui, a especulação imobiliária, a Rede Globo, o poder. É o dinheiro que está no bolso desses ricos que está contaminando essa região. O Horto agora é só para ricos. O pobre não pode mais nada. Não pode mais morar na Zona Sul. Tem que morar longe. Aqui os ricos não admitem pobres do lado deles. Nós viemos pra cá quando isso tudo aqui era lama. Nossas famílias habitaram essa região há 200 anos atrás, quando isso não era nada — diz uma moradora.

Depois do despejo, moradores protestaram bloqueando a Rua Jardim Botânico durante todo o dia. Policiais acompanharam a caminhada da população até o local e fizeram um cordão de isolamento na passagem da passeata pela Rede Globo. Segundo as lideranças do movimento, a resistência vai continuar e pedem o apoio de todos os verdadeiros lutadores do povo para barrar mais esse crime do Estado contra as favelas e bairros pobres do Rio de Janeiro.

O vídeo produzido por AND pode ser visto em nosso canal no Youtube: http://www.youtube.com/user/patrickgranja.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait