Vivendo e divulgando poesia

A- A A+

Incansável na luta em favor da poesia, o jornalista e poeta Castelo Hanssen foi um dos pioneiros a fazer o que se chama hoje sarau, mas que entre amigos era um recital aberto de poesia. Apesar de sérias limitações em sua saúde, Castelo faz saraus, escreve livros e mantém coluna semanal de prosa em um jornal de Guarulhos, SP, onde mora.

http://www.anovademocracia.com.br/142/13.jpg

Faço poesias desde pequeno, mas não mostrava para ninguém, a não ser para meus pais. Conheci alguns amigos que também gostavam de poesia e nos encontrávamos para bater papo, trocar informações sobre literatura, cultura e política lembra Castelo.

Nessa época aconteceu um ‘Encontro de poetas de Mauá’. Tivemos a oportunidade de conhecer vários outros poetas da região. Fiquei em quarto lugar e tudo isso me incentivou,.Assim resolvemos fundar uma entidade chamada ‘Colégio Brasileiro de Poetas’.

Castelo e seus companheiros passaram a se reunir uma vez por mês em um ‘Encontro livre de poesia’ e assim começaram a surgir os saraus.

Também fui fundador e membro do Colégio Brasileiro de Poetas de Mauá e ajudei a desenvolver o movimento cultural na cidade. Em 1977, vim para Guarulhos trabalhar na Folha Metropolitana e mais tarde ajudei a criar o jornal Olho Vivo, do qual hoje sou aposentado conta.

Aqui fiz amizade com um professor de português que me incentivou a fazer aquele encontro de poesia em Guarulhos também, e surgiu o ‘Grupo literário letra viva’. Às vezes também fazíamos saraus abertos em praças e ruas.

Passei também a apresentar poesias em escolas. Entre outras, me chamou atenção crianças com menos de sete anos de idade declamando e contando historinhas. Isso mostra que toda criança tem capacidade. O que acontece é que muitas vezes não é dado oportunidade para que isso se desenvolva constata.

Atualmente, Castelo Hanssen promove um sarau todo último domingo do mês, às 16 horas, na Casa de Cordéis de Guarulhos.

E vai muita gente.  Costumo dizer que o sarau não é meu, porque uma manifestação assim não tem dono, é do povo, da arte. Já houve um tempo que a poesia parecia estar restrita no meio da classe mais rica, porque pobre não gostava.

Na verdade a poesia popular sempre existiu e cresceu no meio povo, ainda que muito pouco divulgada. No caso, essa diferença entre ‘ricos e pobres’ parecia estar dentro da questão ‘estudou e não estudou’, mas conheço gente semianalfabeta que gosta de poesia. Então o problema é a falta de divulgação mesmo, o esconder a poesia continua.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait