Combinando artes

A- A A+

Cantador, violeiro, compositor, educador infantil, contador de histórias, ator e artista plástico, Valdir Rivero é um polivalente cultural. Paulistano, se dedica a pesquisar a cultura brasileira em geral e passá-la para adultos e crianças através de várias formas de arte.

http://www.anovademocracia.com.br/148/15a.jpg

— A viola vem desde a infância comigo. Mas não sou um violeiro caipira tradicional, e sim alguém que usa a viola para cantar o Brasil, falar da vida do povo. Também trabalho com pandeiro, djembê, violão, charango, tudo que me serve para mostrar a cultura brasileira — conta Valdir.

— Minha música fala da natureza, do homem do campo, dos bichos, dos índios e de tudo aquilo que como, minha música, é simples, porém muito bem trabalhada. Como instrumentista, foram anos de violão clássico, flauta etc. Mas, antes de aprender instrumento, já compunha.

— Já na hora de cantar me considero um teimoso. Como diz o amigo Rolando Boldrin, sou um cantador, porque cantor é aquele que tem que cantar direito, compromisso lírico, erudito. Cantador não tem esse compromisso. Minha preocupação é buscar emoção — define.

Valdir diz que faz música regional, no sentido de mostrar o Brasil.

— Na minha formação tem Xangai, Elomar, Dércio Marques e outros nesse estilo, que foram a minha inspiração. Por esse lado vai a minha música e, juntando a isso, vêm outras coisas, outros sons dentro da cultura popular.

— O Maracatu e os sons do Nordeste em geral são muito ricos. Tanto que o pernambucano Jorge Costa veio de Recife querendo montar um grupo de maracatu aqui, e isso acabou acontecendo na laje da minha casa — recorda.

— Não estou mais no grupo, que se chama Baque Estandal, por conta de muitos outros compromissos, mas ele continua em atividade.

O artista também ajudou a fundar um grupo de folia de Reis e nesse permanece.

— A ideia é preservar a cultura e já estamos no sexto ano. Quando chegamos nas casas das pessoas no primeiro ano, virou uma coisa maior do que imaginávamos, e assim decidimos continuar fazendo.

— Aqui em São Paulo não dá pra ser como no interior que se vai percorrendo, então saímos com uma caravana de carros. Em Guarulhos fazemos quatro casas, em Osasco também tem muita coisa, e onde mais chamam nós vamos.

Várias formas de arte estão entrelaçadas a sua carreira de violeiro e cantador.

— Ser artista plástico para mim é nato, desde menino essa coisa de desenhar, pintar e esculpir era natural. Claro que depois estudei desenho, escultura, etc., mas somente para aprimorar o que já existia — fala Valdir.

— Como ator, montei e atuei em grupos de teatro, entre eles o ‘Anárquicos de Santa Cruz’ e ‘Gaia’. Inauguramos teatro, fizemos apresentações de rua. Já escrevi muita peça e chamei pessoas para montar, mas sempre como autodidata.

— Como contador de história atuo desde antes dessa coisa da contação virar meio que moda. Sempre contei histórias, porque para mim isso é inerente a nossa raiz, a nossa existência — acrescenta.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait