Editorial - Potencializar o protesto popular

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/149/02.jpg

O oportunismo eleitoreiro se esfarela a olhos vistos diante da crise econômica e política, dos ataques da “oposição” à direita e à “esquerda” do Partido Único e, principalmente, dos setores das massas iludidos pelas medidas cosméticas e contrapropaganda sistemática que, parte por parte, e cada vez mais, se descolam de sua influência. Essas massas, junto a vastos setores do proletariado e do campesinato, que nunca deixaram de lutar, empreendem também o caminho do classismo e combatividade contra o velho Estado semicolonial e semifeudal brasileiro, independente de quem o gerencie.

Nas últimas semanas, além dos desdobramentos da “operação lava jato”, o país assiste, graças à cobertura do monopólio da imprensa, sucessivas “derrotas” do governo PT/pecedobê. Especialmente no caso do Projeto de Lei 4330, que trata da “regulamentação” da terceirização já praticada há décadas no país.

O oportunismo eleitoreiro em geral, que nunca atacou a terceirização como vem sendo praticada, viu nisso uma oportunidade de limpar a barra com os trabalhadores e encenou protestos contra a aprovação da lei. Não mobilizou ninguém além da minguante militância sindical corporativizada que alimenta e não impediu a aprovação do PL 4330 pelos deputados. Ainda que, no seguir dos trâmites, Dilma deva vetar a lei quando chegar sua vez, é flagrante que o preço da base aliada do PT no congresso é quase impagável.

Aos que ainda procuram, as razões da derrocada do oportunismo só podem ser encontradas no seu próprio papel de última opção do imperialismo para amortecer a revolta popular e retardar a luta revolucionária na América Latina por tanto tempo quanto fosse capaz. E esse tempo está no fim.

Mas o que explica que uma gerência em tudo subserviente ao imperialismo, ao latifúndio e à grande burguesia nativa esteja sob ataque de setores mais reacionários é a disputa dos grupos de poder mais apegados ao aparelho de Estado e que vêm sendo deslocados pela pandilha oportunista e seus coligados. No caso do PMDB, sempre governo, ele apenas tenta se aproveitar da fraqueza do PT para fazer o que sabe fazer melhor: chantagem.

Por seu lado, o oportunismo eleitoreiro pretende prolongar sua melancólica decadência utilizando os meios ao seu alcance para convencer a população de que este é “o congresso mais reacionário” eleito em décadas, bem como, ainda, os surrados e histéricos gritos do “perigo de golpe da direita” e semelhantes.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Insistem em caracterizar as manifestações antigoverno como manobras golpistas e propositalmente ignoram a crescente insatisfação com as medidas antipovo tomadas sucessivamente por sua gerência, como os pacotaços e tarifaços baixados desde a eleição de Dilma no fim de 2014. As condições de vida das massas seguem piorando e os gerentes de turno insistindo em enganá-las de que isso é intriga da oposição.

Na sua lógica torta, os oportunistas na gerência do velho Estado pensam que podem se eternizar na função, promovendo cada vez mais políticas antipovo e antioperárias, aprofundando a repressão aos movimentos populares (principalmente o movimento camponês revolucionário), intensificando a criminalização da pobreza, bem como na concessão de benefícios infinitos aos bancos, monopólios estrangeiros e locais e os latifundiários, a esses últimos com uma política de extermínio de lideranças camponesas sem precedentes nos governos “democráticos”. E ainda têm a desfaçatez de dizer que os que se opõem a eles são todos de direita.

Com isso tentam criminalizar tudo que se levanta contra as políticas que aplicam a mando de seus amos imperialistas. Fizeram isso com as jornadas de protesto popular de 2013, com os protestos contra a Copa da Fifa e com a campanha de boicote às eleições de 2014. Assim também com as atuais manifestações, chamadas “golpistas”, mas que encerram um conjunto de insatisfações da pequena e média burguesias, que compõem também o povo brasileiro e têm sido capaz de mobilizar massas importantes.

Se os mais vacilantes entre os que se consideram de “esquerda” ponderam pelo histerismo do oportunismo e cedem, mais uma vez, ao seu chamado, enrolando suas bandeiras e se retirando vergonhosamente da luta, o movimento popular e revolucionário segue nas ruas, se fortalecendo e se preparando para os dias difíceis que por certo virão com lutas mais duras, porém mais profundas e definidoras.

Neste 1° de Maio, o oportunismo pretende fazer uma demonstração de força mobilizando tudo o que pode ser mobilizado, inclusive com suas “personalidades” internacionais, como o uruguaio Mujica, por exemplo. As já tradicionais “festividades” que as centrais sindicais se acostumaram a promover para celebrar a conciliação de classes, neste ano, serão também marcadas pelo selo do desespero do oportunismo eleitoreiro tentando se safar, tarefa das mais inglórias.

Quanto aos revolucionários e verdadeiros democratas, os que compreendem de verdade o significado do dia 1° de Maio, trata-se de uma oportunidade a mais de cerrar fileiras e intensificar o chamado para a greve geral. Mais que nunca é tempo de potencializar o protesto popular!

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait