A necessidade da consciência política

A- A A+

Entrevista: Sérgio de Carvalho / Companhia do Latão

Criada em 1996 por Sérgio de Carvalho e Márcio Mapiano, a Companhia do Latão, uma das mais bem-sucedidas trupes teatrais nacionais, difere das demais por preferir focar a sociedade aos conflitos individuais. Inspirada pelo teatro épico do dramaturgo Bertolt Brecht, ela trabalha, além dos textos de Brecht e outros, com escrita teatral própria, sempre buscando uma linguagem adequada aos problemas atuais brasileiros. O processo de criação do grupo é coletivo e trabalhado diretamente por Sérgio, que cursou Administração de Empresas, se formou em jornalismo e fez mestrado em Artes Cênicas, e Márcio, formado em Artes Cênicas na Escola de Comunicações e Artes da USP.

Quando começaram, eram somente um grupo de atores tentando realizar um espetáculo desenvolvido através de estudos de teatro dialético proposto por Brecht, com a intenção de produzir dramaturgia nacional contemporânea, que abordasse temas atuais de uma forma não dramática e mais ampla sob um ponto de vista social. Enquanto muitos grupos investiam nas emoções do público, procurando envolver as pessoas nos dramas dos protagonistas, o futuro Latão queria alguma coisa a mais do que isso.

“O nome do grupo provém do trabalho com um texto teórico de Bertolt Brecht chamado A compra do latão. Nesse texto Brecht usa a imagem de um comprador de ferro-velho que vai ouvir uma orquestra de música e sai pensando no preço do quilo da lata dos instrumentos. Existe ali um debate sobre a função da arte, em que a posição mais avançada é a materialista. A dimensão teorizante, a forma incompleta e fragmentária, bem como a proposta de um teatro dialético, serviram de base para a formação artística do nosso grupo”, conta Sérgio de Carvalho.

Agente do debate

Um dos temas constantes em seus espetáculos é a política, centrada na luta de classes. Procuram sempre realizar um teatro que tenha um elemento humanizador na racionalidade humana e inteligível para o espectador. Para a Companhia do Latão um ator não é apenas um repetidor de falas e sim um agente que ajuda a fazer do teatro um meio de provocar a reflexão sobre os problemas políticos do país. Ela mostra as contradições do capitalismo, que condicionam os atos e as posturas de cada indivíduo, atores, personagens e públicos. Essas contradições são apresentadas, tornadas evidentes, sem serem resolvidas, porque, na verdade, essa resolução pede uma ação social coletiva, e não somente ação estética individual. “A Companhia do Latão conseguiu superar o sentimentalismo socializante graças ao marxismo. Sem um diálogo com o materialismo dialético e sua tradição crítica seria impossível representar as contradições do capitalismo brasileiro. Foi importante para nós perceber que preocupação social não significa tratamento crítico. Não basta mostrar a exploração com idealismo, como se bastasse citar o problema para gerar reflexão mais ampla. As imagens da desigualdade podem ser conservadoras se a forma da apresentação não for questionada. É por isso que parte do bom cinema brasileiro de hoje ainda está na fase da compaixão pelos pobres ou da descrição moralista da barbárie. São poucas as obras em que existe uma vontade de ativar os conflitos e torná-los mais claros”, explica Sérgio de Carvalho.

A Companhia tem como base alguns princípios brechtianos ligados à aplicação do materialismo dialético à forma teatral. Entre esses recursos aparece o distanciamento, que impede que o espectador se envolva emocionalmente com a peça chegando a ponto de alienar-se da sua própria consciência crítica. O teatro da Companhia do Latão, assim como o de Brecht, lança-se para fora do palco, quer dizer, não é um teatro que faz o espectador se esquecer de seus problemas e envolver-se com as aventuras de heróis e heroínas. É, sim, crítico, que fala de problemas sociais, luta de classes, mostrando a realidade em que o próprio espectador está vivendo, expondo a sociedade sem hipocrisia.

Teatro de debates

Buscando resgatar o teatro engajado e sempre com preços populares o grupo tem conquistado públicos distintos. Os espetáculos, geralmente com debates ao seu término, também são levados às universidades, sindicatos, etc. “Os nossos espetáculos têm se deparado com todo tipo de platéias. É claro que é sempre uma alegria encontrar espectadores que tendem a uma posição antiburguesa. Há poucos dias, um grupo de 40 operárias da indústria química foi ver O mercado do gozo. No debate ficou claro que elas tiveram uma compreensão inovadora sobre a forma da peça porque entendem, na prática, que a exploração e a alienação do trabalho não são imagens de fi cção”, comenta Sérgio.

“O trabalho do artista não tem sentido quando é feito para abastecer o mercado espiritual das elites. Ao longo da história, os grandes artistas foram aqueles que subverteram essa destinação, aqueles que inventaram imagens menos conformadas do mundo, que dialogaram com as contradições da época, sem reproduzir a visão de mundo dos poderosos. O potencial politizante da arte depende muito de sua capacidade de desmercantilização. Não interessa nem o mercado de esquerda”, continua Sérgio.

Os espetáculos

Em 1996, assim que foi formado, ainda sem o nome, o grupo montou seu primeiro espetáculo: Ensaio para Danton, baseada em A Morte de Danton, de Georg Büchner. Depois deste, mandaram um projeto de ocupação do Teatro de Arena, em São Paulo, ganharam o espaço e foram estudar a obra de Bertolt Brecht. Assim surgiu o seu segundo espetáculo, Ensaio sobre o latão, um experimento cênico inspirado no pensamento artístico de Brecht, da mesma forma como é exposto em A compra do latão. A peça estreou em agosto de 1997 no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, em São Paulo, com a proposta de desnudar o processo de criação de uma peça. Montaram um espetáculo no qual faziam uma discussão sobre a arte voltada para a realidade, que ensina a observar o mundo, mas de uma forma teatral.

Em seguida, fevereiro de 1998, realizaram uma montagem pioneira de Santa Joana dos matadouros, de Brecht, considerada difícil de ser levada ao palco. O espetáculo nasceu de uma série de leituras cênicas abertas ao público desde julho de 1997. Com essa peça obtiveram sucesso de público e a consciência de que é possível fazer boa arte na perspectiva do engajamento. O espetáculo põe em cena a luta de classes, de uma forma épica e muito atual, apesar de ter sido escrita em 1932. O nome do sujeito, peça escrita pela própria Companhia, estreou em outubro de 1998, dando início a uma das mais importantes tarefas da pesquisa do grupo, que é a formação de uma escrita teatral brasileira. Essa peça teve origem na leitura de fontes literárias, como o poema dramático Fausto, de Goethe, onde aparece a frase “Eis aí um povo antigo, ansioso por entrar na nova luta.”

O espetáculo O auto dos bons tratos, uma minuciosa exposição das relações de poder num incipiente Brasil do século XVI, estreou logo depois. O espetáculo foi construído como um aprendizado sobre o início do capitalismo que definiu os contornos do Brasil. Isso revela o essencial do trabalho da Companhia do Latão, aquilo que a diferencia no atual cenário do teatro nacional, quando conseguem colocar a cultura e a arte a serviço da transformação de nossa sociedade. “Nas peças da Companhia do Latão, o Brasil tem sido discutido como um país em que a burguesia não fez sua revolução tradicional. E por isso dilui a exploração em formas mais ambíguas e perversas. Seguimos aquela tradição dos estudos brasileiros que pensam o nosso atraso como consequência dos progressos do capitalismo internacional. Nesse sentido as crises brasileiras têm algo a mostrar sobre o pior da nossa época”, diz Sérgio.

“A cada trabalho o grupo tem procurado manter sua pesquisa artística em avanço. Certas peças, como A comédia do trabalho, foram ensaiadas pensando em qualquer espaço de apresentação. Mesmo ao ar livre era possível ser bem vista. Outras exigem condições técnicas mais rigorosas. O importante é que sempre modificamos o sentido da forma artística em razão dos assuntos e do nosso momento histórico. Mesmo quando fazemos uma comédia, nosso teatro prefere o conflito, não a festa. É esse o material que escolhemos trabalhar: a contradição. E o movimento das contradições no teatro é tarefa coletiva. O potencial de desalienação de uma peça só se realiza coletivamente. Só como instrumento desalienante o teatro pode nos fazer experimentar uma vida mais viva do que essa criada pelas imagens dominantes no capitalismo”, acrescenta Sérgio.

Sucesso de público

A comédia do trabalho é um grande sucesso da Companhia do Latão. Escrita pela própria Companhia, mais especificamente por Sérgio de Carvalho e Márcio Mapiano, estreou em agosto de 2000, conseguindo um absoluto sucesso de público — assistido por mais de 40 mil espectadores, ultrapassou a marca de 150 apresentações, e continua somando números já que, assim como Santa Joana dos matadouros, faz parte do repertório atual da Companhia. O espetáculo mostra o universo das relações trabalhistas, falando de desemprego, busca por uma ocupação no mercado de trabalho, subemprego e exploração. Depois do enorme sucesso na primeira temporada em São Paulo, o grupo viajou um ano pelo Brasil, levando os espetáculos às principais capitais brasileiras e interior.

O mercado do gozo, outra peça da Companhia, terminou sua temporada no Teatro Cacilda Becker, São Paulo, em outubro. Também explorando o tema capitalismo, fala de um jovem burguês que, chamado a assumir a fábrica de tecidos da família, as vésperas de uma greve, rejeita sua condição de classe e cai no submundo da prostituição, se deparando com um mundo de teatrização do desejo.

Além das montagens teatrais, que inclui também leituras cênicas diversas como Ensaio da comuna, baseado na peça Os dias da comuna, de Bertolt Brecht, a Companhia promove e participa de debates e realiza oficina, sempre preocupada com o futuro do teatro nacional, criou, em 1997, a revista Vintém, uma produção independente que trata de teatro e pensamento político, apresentando-se como um espaço de discussão e crítica sobre teatro.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait