Refugiados à deriva pelos mares

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/151/16b.jpg
Havaianos protestam contra ocupação ianque

Em maio de 2013, o “presidente” de Myanmar — antiga Birmânia —, Thein Sein, esteve em Washington para fazer negócios com o imperialismo ianque. Obama, que o recebeu pessoalmente, fez cumprir a cartilha da geopolítica em se tratando de entendimentos que precisam ser feitos com gerentes semicoloniais com a veia autoritária mais saltante, a cartilha da hipocrisia:

“A deslocação das populações, a violência contra elas, precisa parar e nós estamos prontos para trabalhar, de todas as formas que pudermos, com o governo de Myanmar e com a comunidade internacional, para garantir a ajuda que as pessoas precisam, mas, mais importante, para garantir que os seus direitos e dignidade sejam definitivamente reconhecidos”, disse Obama na ocasião.

Hoje, dois anos depois, mais precisamente no último 8 de maio, havia nada menos que oito mil birmaneses à deriva no oceano Índico, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, fugidos da perseguição político-religiosa em Myanmar ou de campos de refugiados no Bangladesh e tentando entrar na Malásia ou na Indonésia, cujos gerenciamentos, àquela altura, já haviam comunicado que não aceitariam mais desembarques de pobres diabos que integram o maior êxodo humano naquela região desde a Guerra do Vietnã. O gerenciamento do senhor Thein Sein, por sua vez, avisou dias depois que não aceitará o retorno deles a Myanmar.

Migrantes resgatados por pescadores indonésios relataram à emissora britânica BBC que mais de cem pessoas do barco em que estavam morreram esfaqueadas, enforcadas, espancadas até a morte ou atiradas ao mar por causa de brigas por comida após semanas à deriva no Índico.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Na Europa, ao passo que a crise geral se agrava, que o fascismo mais escancarado vai infestando as instituições “democráticas” do continente (ver nesta edição de AND) e que não param de chegar informações de mais e mais barcos lotados de africanos e asiáticos desembarcando imigrantes, sobretudo na costa da Itália, a União Europeia se esmera na montagem de uma autêntica campanha militar contra o que seus cabeças consideram uma invasão, indo além da criminalização de imigrantes “ilegais”, transformando-os mesmo em inimigos, ou “ameaças”.

Foi claramente neste sentido a declaração do chefe, ou melhor, do “secretário-geral” da Otan, Jens Stoltenberg, valendo-se do álibi sempre à mão do “terrorismo” para preconizar novas barbaridades cometidas em nome da “segurança”:

“Um dos problemas é que pode haver combatentes estrangeiros. Pode haver terroristas tentando se esconder, se infiltrar entre os migrantes”, disse Stoltenberg, ajudando a pavimentar o caminho para a entrada em ação da aliança militar transatlântica para mitigar, via bombardeios, a “crise migratória” no Mediterrâneo.

http://www.anovademocracia.com.br/151/16c.jpg
O "presidente" lacaio Thein Sein e seu chefe Barack Obama

Cabe lembrar que há alguns anos, na sua cúpula em Bucareste, em 2009, a Otan atribuiu a si própria a “missão” de “provedora de segurança claramente mais eficaz em um mundo cada vez mais globalizado e perigoso”.

O monopólio internacional da imprensa vem usando o gracejo “pingue-pongue humano” para se referir à recusa de “governos” em permitir o desembarque ou a permanência dos refugiados, ou mesmo à negativa de seus próprios países de origem em recebê-los de volta, como é o caso de Myanmar.

A União Europeia — este “bloco” criado sob a cortina de fumaça de mistificações como a “hospitalidade” e o “multiculturalismo”, mas de fato um grande artifício do capital monopolista do “velho continente” para incrementar e azeitar a dominação das nações centrais do imperialismo europeu sobre os elos mais fracos do bloco, bem como para estender a mais distantes latitudes e longitudes a jurisdição de suas “fronteiras externas” — está prestes a incrementar e azeitar também sua participação neste “pingue-pongue” humano, tendo em vista que um dos temas da reunião do Conselho de Ministros da UE realizada no último 18 de maio para discutir a “crise migratória” foi justamente o reforço das operações de “interceptação, apreensão e desvio” de embarcações de migrantes que naveguem rumo à Europa.

A especificidade aqui é que a Europa, a Europa do capital monopolista — o imperialismo europeu — joga “pingue-pongue humano” com ela própria, tendo em vista que no outro lado da rede, ou da mesa, é a face da miséria e da guerra frutos do colonialismo europeu que os deserdados da terra vão encontrar quando forem mandados de volta para seus países criados pelo esquadro das potências europeias e por elas rapinados pelas décadas e séculos.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait