Editorial - Túmulo caiado

A- A A+

O grande engodo da “reforma política” foi colocado em marcha no “congresso nacional” e o que se viu até agora, como prevíamos, mal poderá reformar a fachada do podre, anacrônico, ilegítimo e cada vez mais desacreditado sistema político brasileiro.

A “reforma política” vem sendo ensalsada pelas siglas do Partido Único como a panaceia para os males da nação e principalmente pelo oportunismo eleitoreiro (PT, pecedobê, PSOL, etc.) como bandeira geral e a mais importante e crucial questão política. Essa reforma teve o condão de mobilizar ainda algumas almas que, não vendo nenhuma forma de mudança fora da institucionalidade, embarcaram em mais um estelionato eleitoral petista para “derrotar a direita”.

A coisa está só começando e muitas matérias serão alteradas nos trâmites por câmara, senado e executivo, fora as pendengas resolvidas pelo STF, que mais uma vez será chamado a legislar. O certo é que, para variar, nada de bom para o povo sairá dessa que mais provavelmente será uma contrarreforma, que tratará basicamente do processo eleitoral.

Lembrem-se que a bandeira da “reforma política” foi ressuscitada e erguida pela gerência petista durante as jornadas de protesto popular de 2013, como tentativa de contrarrestar a repulsa das massas populares, destacadamente a juventude combatente, ao oportunismo eleitoreiro.

Para os oportunistas, isso não importa. As siglas do governo tratam já de tentar se safar com o ensebado argumento de que “tentamos”, mas o “congresso mais reacionário de todos os tempos” não permitiu. Seria o caso de se perguntar em qual oportunidade o congresso foi um mau servidor das classes dominantes.

Convenhamos, essa conversa fiada já não engana mais ninguém. O que tentam fazer passar por luta no congresso, na verdade é a concertação mais desavergonhada para atacar os direitos do povo, algo iniciado nesta gestão pelas MPs 664 e 665, que retiram direitos trabalhistas e previdenciários (de responsabilidade do executivo) e o PL 4330, das terceirizações (de origem no congresso). E quanto à terceirização, diga-se de passagem, vem sendo praticada amplamente com o consentimento de CUT, Força Sindical, CTB, etc, que agora armam gritaria elegendo-a como o pior e único mal que o congresso ameaça os trabalhadores. Todo esse processo transcorre de acordo com as exigências dos monopólios e aprovado, não sem encenações de protestos indignados dos diferentes grupos de poder.

Para manter, como se diz, “um pé na rua”, o oportunismo raspa o tacho dos movimentos corporativizados e centrais sindicais chapa branca em mobilizações cada vez mais insignificantes, como as do dia 29 de maio, para denunciar um suposto “golpe da direita”, fazer sua adocicada “crítica” ao governo e seguir amassando o barro da natimorta “reforma política”. Tudo isso enquanto promove mais e mais medidas antipovo em nome da “austeridade”. Esse é o verdadeiro golpe.

Esse reformismo barato não encontra mais o mesmo eco de tempos atrás. O indisfarçável pioramento das condições de vida do povo, bem como a indignação com todo o discurso mistificador do oportunismo, fazem ferver o caldeirão da insatisfação e da revolta popular. A cada dia se torna mais claro que o caminho para defesa de seus direitos é a luta combativa, longe da farsa eleitoral.

Os verdadeiros democratas e revolucionários, tanto no campo como na cidade, não podem ceder nem um milímetro de direitos e garantias da população, numa luta radical e incondicional contra as medidas antipovo e antinação, tanto da gerência federal como nos estados e municípios, elevando suas tarefas de organização e propaganda na preparação da Greve Geral.

O oportunismo eleitoreiro não pode mais refrear ou cavalgar com a mesma eficiência a luta das massas exploradas e oprimidas, que se levantarão inexoravelmente contra o velho Estado de grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo, principalmente ianque, para varrê-lo, juntamente com seus gerenciamentos, todo o oportunismo e tudo que é velho em nossa sociedade.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait