É grave a situação do povo grego

A- A A+

“Líderes europeus aplaudem novas medidas de consolidação orçamentária apresentadas pela Grécia”, dizia com destaque o site do jornal Público, de Portugal, em 22 de junho, sob a manchete “Grécia faz concessões à austeridade e abre hipótese de acordo esta semana”.

De fato, no início daquela semana, tudo indicava para a costura do tal “acordo” entre os representantes do grande capital europeu e o gerenciamento grego, mais um acordo lesa-povo que, à custa dele e do que lhe pertence, garantiria a liberação de mais dinheiro de “resgate” ao Estado grego e a permanência da Grécia na Zona do Euro. Isso adiaria o início do esfacelamento político da União Europeia — conta que a crise geral vai cobrar mais cedo ou mais tarde — e, de quebra, amarraria juridicamente a Grécia a pelo menos mais dez anos de arrocho e desmonte do patrimônio público.

O “primeiro-ministro” da “esquerda radical e anti-austeridade” Alexis Tsipras nada fez nos últimos seis meses, desde que assumiu o gerenciamento do Estado grego, além de “concessões” à austeridade. De tantas em tantas, que ele, o arrocho, perpetua-se, como fosse a direita mais assumida a gerenciá-lo para o grande capital europeu, salvo uma maquiagem aqui, um jogo duro ali, para “garantir a esperança do povo grego”. Esperança esta que, nas palavras do ministro das Finanças do Syriza, Yanis Varoufakis, “não podemos dar-nos ao luxo de desbaratar”. Entre o que Tsipras ofereceu pessoalmente a Angela Merkel, Christine Lagarde e camarilha está nada menos do que um programa de privatizações de longos dez anos de duração.

Naquela mais nova e grande rodada de “concessões” oferecidas à Troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) constam cortes de gastos da ordem de 2,6 bilhões de euros em 2015 e de 5,2 bilhões de euros em 2016; aumento do imposto sobre consumo para vários produtos e serviços; adoção de cortes orçamentários automáticos sujeitos a metas de ajuste fiscal; contrarreformas na administração pública, reduzindo-lhe os custos não-salariais (ou seja, depredando o que restou de serviço publico de qualidade); liberalização de vários mercados de produtos e serviços, como a construção; mais uma contrarreforma da previdência, prevendo “poupar” com pensões 1,8 bilhão de euros em 2016 e com elevação gradativa em até oito anos da idade mínima para se aposentar; e, nas palavras textuais de Varoufakis, “uma extensa agenda de privatizações abrangendo o período entre 2015 e 2025”.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait