Verdades inconvenientes para a grande burguesia crioula

A- A A+

O gerenciamento da frente oportunista e eleitoreira de Dilma Rousseff (PT/PMDB/pecedobê) desmorona a olhos vistos. Este é um fato objetivo, irrefutável, de grandes proporções e importância histórica que vai para muito além da insossa e permanentemente requentada disputa eleitoral entre a falsa “esquerda” eleitoreira e a direita declaradamente “neoliberal”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

As repercussões políticas da bancarrota do governo petista trazem consequências gravíssimas que, forçosamente, unificam as preocupações entre as classes dominantes, fazendo tirar o sono desde coronéis como Sarney até politicastros playboys como Aécio Neves.

Quem, entre os grupos de poder nas diferentes frações do Partido Único das classes dominantes, é minimamente esclarecido, mesmo que do seu ponto de vista reacionário, sabe muito bem que a bomba relógio no colo de Dilma Rousseff não é só dela ou do seu partido. Até entre a imprensa marrom burguesa já se ouvem gritos histéricos de pseudo-cientistas políticos e congêneres que, depois de a casa já ter pegado fogo, começam a berrar que estão sentido o cheiro da fumaça do que afirmam ser uma “crise institucional”.

Sob mil e um eufemismos, em declarações mais sinceras ou nem tanto, é perceptível o desespero entre aqueles que vislumbram a barafunda em que se enfiaram. Não que a banqueirada e o “agronegócio” cogitem a possibilidade de “pagar o preço da crise”. Isto, desde sempre, está fora de questão. Mas, simplesmente, porque, apesar de entorpecidos em sua ignorância reacionária, sabem o que o desemprego, o arrocho e a carestia de vida costumam fomentar entre a “plebe”.

Ademais de ódio e desprezo, toda esta canalha tem muito medo do povo, é claro, com razão. Luiz Inácio da Silva, operário padrão do FMI, um dos maiores (senão o maior) pelegos, já treinado pelas escolas contrainsurgentes do sindicalismo ianque em todo o mundo, sabe muito bem desta inconveniente verdade e joga com a mesma, se apresentando novamente como a tábua de salvação dos monopólios estrangeiros e nacionais, como se ainda fosse possível, por meio de seu já um tanto quanto puído “carisma”, conter o agravamento da crise econômica, política e social do capitalismo burocrático no país. Até que ponto uma mente megalomaníaca e doentia como a de Lula é capaz de ter consciência da realidade não tem tanta importância, fará o que tiver ao seu alcance, venderá mais um dedo, se necessário, para poder cumprir o seu pomposo papel de “salvador da pátria”.

Rousseff, que não tem o mesmo cacife e traquejo, está já com as mãos coçando para passar a batata quente para frente, ainda que não esteja convencida em largar o osso, digladiando contra moinhos de vento dentre peemedebistas, tucanos e delatores. Para não sermos injustos, podemos dizer que, com estes mais de 4 anos de experiência no “poder”, a “mulher sapiens” Dilma Rousseff está “evoluindo” de um mero poste para se transformar em um exímio saco de pancada.

As classes dominantes estão entre a cruz e a espada. Não possuem mais a carta nas mangas que foi o PT para jogar água fria no descontentamento popular e, para não colocar em risco um centavo sequer dos lucros do imperialismo, a política econômica de austeridade com seus tarifaços, cortes de direitos e verbas nos serviços básicos somados às incontroláveis taxas de juros e inflação, deixam pouca margem para suas manobras.

Olham apreensivos entre as frestas, sentindo o cheiro da maresia e o barulho das ondas batendo com sua justa violência no casco de seu velho e carcomido navio sem rumo... Para nós, humildemente, com o otimismo que nos é característico (e que é para esta canalha inexplicável), a festa está ainda em seu início, já que o proletariado mal entrou em cena. As grandes jornadas de luta de junho/julho de 2013 foram tipo um ensaio, como uma banda passando o som às pressas antes do show, mas já foi o suficiente para gerar tanta confusão e desespero entre eles e, ao mesmo tempo, deixar as coisas bem mais claras para nós e entre nós! Mais uma vez, só nos resta dizer: “Bem-vinda seja a tempestade!

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait