50 anos da Grande Revolução Cultural Proletária

A- A A+

Antecedentes da Grande Tempestade

Os antecedentes da Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP) na China — particularmente o final da década de 1950 e início dos anos de 1960 — foram marcados por uma feroz luta ideológico-política na direção e comitês do Partido Comunista da China (PCCh) e na sociedade chinesa. Já em 1962, na reunião do Comitê Central (CC), o Presidente Mao Tsetung predicou que “Nunca, jamais se deve esquecer a luta de classes”, e grandes tempestades ideológicas revolveram profundamente o Partido Comunista e a Nova China.

http://www.anovademocracia.com.br/167/22a.jpg
“Liu Shao xi, Deng Xiaoping e Tao devem sair do Comitê Central do Partido!”, 1966

Em 14 de junho de 1963, o Comitê Central do PCCh publica a Carta de 25 pontos, ou A Carta Chinesa, como ficou conhecida a Proposição Acerca da Linha Geral do Movimento Comunista Internacional, uma contundente resposta do CC do PCCh à carta do CC do Partido Comunista da União (PCUS) de 30 de março daquele ano. Deste modo, abriu-se publicamente a Grande Polêmica, batalha ideológica que já vinha sendo travada no seio do Movimento Comunista Internacional entre a linha revolucionária, vanguardeada pelo PCCh, e o revisionismo moderno encabeçado por Nikita Khrushov e a direção revisionista do PCUS.

O Presidente Mao Tsetung encontrava-se, portanto, no centro da tarefa monumental de dirigir, internamente, a Revolução Socialista e a luta contra os representantes da burguesia, defensores da via capitalista encrustados no partido e no governo e, na arena do Movimento Comunista Internacional, a grande batalha ideológica contra o novo revisionismo.

Muito pouco ou quase nada a respeito das tormentosas lutas de duas linhas travadas no seio do PCCh e da sociedade chinesa nesse período foi publicado à época ou chegou ao conhecimento dos comunistas em nosso país.

Para que se compreenda profundamente a importância e o significado da Grande Revolução Cultural Proletária se faz necessário verificar a situação geral da luta pela construção socialista na China, como também da luta em defesa do marxismo-leninismo no Movimento Comunista Internacional.

Trata-se dos antecedentes e da luta feroz que resultou na sistematização e contribuição universal do maoísmo para a Revolução Proletária Mundial. As necessidades de sucessivas Revoluções Culturais Proletárias como continuação da revolução sob a ditadura do proletariado e seu caráter indispensável — pois sem ela a revolução não pode prosseguir sua marcha para o comunismo.

Aparência e essência

Em 10 de novembro de 1965, o Wen Hui Bao, um jornal diário de Xangai, publicou um artigo do jovem jornalista Yao Wen-Yuan*, membro da seção de propaganda do Comitê Municipal, sob o título “A propósito da peça histórica ‘A destituição de Hai Juei’”. Com a publicação desse artigo, acendeu-se — para utilizar uma expressão do Presidente Mao — uma chispa que incendiou a pradaria. O fogo subterrâneo que ascendeu em grandes labaredas, em maio de 1966, com a deflagração da Grande Revolução Cultural Proletária, já vinha ardendo no interior do partido desde o final dos anos de 1950.

http://www.anovademocracia.com.br/167/22b.jpg
Peng Dehuai sendo denunciado para ser humilhado publicamente pela Guarda Vermelha.

A peça de teatro intitulada A Destituição de Hai Juei, apresentada pela primeira vez em 1962, foi composta pelo autor e historiador Wu Han, que até 1964 fora vice-presidente do Comitê Municipal de Pequim. Ela narra a história de um funcionário da antiga China, vítima de um imperador tirânico que o destituíra injustamente. A peça denunciava os “males do autocratismo” e exaltava a resistência de Huai Juei e a sua firmeza perante os reveses de que era vítima. Sob a forma de uma peça histórica, Wu Han fazia, na realidade, uma alusão bastante evidente à destituição de Peng Teh-huai, que, apoiado pelos dirigentes revisionistas da URSS e sua camarilha anti-partido, tentara um golpe contra a direção de Mao Tsetung em 1959. A destituição de Hai Juei foi produzida em 1961, justamente quando Peng Teh-huai, com apoio de alguns dirigentes, pedia sua reabilitação no partido.

Foi sob orientação do Presidente Mao Tsetung, que Yao Wen-yuan e as organizações do partido em Xangai se lançaram na crítica de Wu Han, que constituía o primeiro passo da estratégia planteada pelo Presidente Mao Tsetung para promover uma profunda transformação revolucionária nas superestruturas da sociedade chinesa.

Em setembro de 1962, realizou-se a X Seção Plenária do VIII Comitê Central, quando o Presidente Mao Tsetung planteou que “a sociedade socialista cobre uma etapa histórica bastante longa. Durante a etapa histórica do socialismo, ainda existem classes, contradições de classe e luta de classes: existe a luta entre o caminho socialista e capitalista e existe o perigo da restauração capitalista. É preciso compreender quão longa e complicada é essa luta. É imperativo elevar nossa vigilância. É necessário realizar a educação socialista. É necessário compreender e tratar de maneira correta o problema das contradições de classe e da luta de classes e distinguir acertadamente as contradições entre nós e o inimigo e as existentes no seio do povo e tratá-las de maneira correta. De outro modo, um país socialista como o nosso se converterá no seu contrário, degenerará e se produzirá a restauração”. E lança o chamamento de “não há que esquecer a luta de classes”.

Nesse momento, Peng Cheng, presidente do Comitê de Pequim, membro do Comitê Permanente e do Birô Político do PCCh, se mostra como o principal opositor à linha revolucionária e a chefatura de Mao Tsetung.

Sabotadores

Peng Cheng e seu grupo esforçam-se sobremaneira para limitar e impedir o debate sobre a crítica de Wu Han, buscando atribuir a ela um caráter meramente acadêmico, retirando seu conteúdo político. Na República Popular da China, um artigo importante como a crítica de Yao Wen-Yuan era reproduzido em vários outros órgãos de imprensa, tanto centrais como locais. Mas, através de Lu Ting-yi — encarregado do serviço de propaganda do CC —, Peng Cheng travou indiretamente a difusão de A propósito da peça histórica “A destituição de Hai Juei”, fazendo com que oartigo de Yao Wen-yuan só fosse reproduzido nos jornais e revistas da China Oriental. Somente três semanas após sua publicação no Diário de Xangai é que o artigo foi editado no Diário de Pequim, no entanto, com uma nota bastante ambígua que tentava apresentar o caso Wu Han como um debate menos político do que histórico. Aqui fica claro o porquê da orientação do Presidente Mao de começar o ataque pela província e não em Pequim.

http://www.anovademocracia.com.br/167/22c.jpg
“Esmagar completamente a linha contra revolucionária de Liu-Deng”. 1967

Em dezembro, Teng Tuo, adjunto de Peng Cheng, publicou um artigo no Diário de Pequim intitulado “A destituição de Hai Juei” ao problema da herança dos valores morais, com o tom de um debate sobre literatura em geral e não como um problema político, afirmando que deveria limitar-se ao exame de certo número de questões relativas a investigação histórica. Enquanto isso, Peng Cheng e Lu Ting-yi seguiam proibindo a publicação de vários artigos que aludiam a problemas políticos ligados a crítica de Wu Han.

Nos meses seguintes, entre o fim de dezembro de 1965 e fevereiro de 1966, Peng Cheng e seu grupo seguiam empenhados em impedir as publicações de crítica a Wu Han e a impor suas ideias. Em 27 de dezembro de 1965, Wu Han publicava uma longa autocrítica no Diário de Pequim e no Diário do Povo e tudo fazia crer que, com essa autocrítica, tivesse encerrado o debate.

Peng Cheng afirmava que se chegaria a uma conclusão da questão Wu Han “dentro de dois meses”, mas a discussão da peça fazia parte de um movimento muito mais vasto, um movimento que se integrava a outro ainda mais profundo de crítica a ideologia burguesa e das sobrevivências do passado. Já se ouvia falar em Revolução Cultural, embora o termo só passasse a ser utilizado amplamente a partir de abril de 1966.

No início de 1966, o CC do PCCh constitui o Grupo dos 5 encarregado de dirigir a Revolução Cultural, composto por Peng Cheng, Lu Ting-yi, Chu Yang, Wu Leng-si e Kang Cheng. No Grupo dos 5, apenas Kang Cheng, ex-membro do Komintern e membro suplente do Birô Político do PCCh durante a GRCP era considerado partidário da linha revolucionária de Mao Tsetung.

Todos os documentos oficiais mostram que o início do movimento em 10 de novembro, em Xangai, foram preparados por uma importante reunião de trabalho do Comitê Central realizada em setembro e outubro de 1965 sob a presidência de Mao Tsetung. Como compreender então por que Peng Cheng, que vinha se opondo frontalmente a linha revolucionária, estivesse no Grupo dos 5 encarregado de dirigir a Revolução Cultural — e mais, tivesse papel dirigente nele? O desenvolvimento da GRCP comprovará, mais uma vez, a justeza e o acerto da direção do Presidente Mao Tsetung.

Em 5 de fevereiro de 1966, Peng Cheng, apesar da provável oposição de Kang Cheng, aprovou um Relatório sobre o atual debate acadêmico redigido pelo Grupo dos 5, destinado a orientar o desenvolvimento da GRCP. Tal relatório tendia a conferir um caráter acadêmico aos diversos debates em curso, sobretudo aos relacionados com a peça de Wu Han, e continha diversas recomendações que mais tarde foram duramente criticadas.

Peng Cheng cometeu assim um erro fatal e revelou sua posição revisionista. Existia agora um documento escrito que explicitava detalhadamente sua concepção errônea e restritiva da Revolução Cultural.

“Linha negra”

A partir de março, o relatório de fevereiro passou a ser alvo de duras críticas. Sob a direção de Mao Tsetung, realizou-se uma reunião da direção do partido no qual Peng Cheng e o serviço de propaganda do CC (que apoiou as manobras para impedir o debate sobre Wu Han) foram duramente criticados.  Foi lançada a palavra de ordem “é preciso derrubar o Rei dos Infernos e libertar os diabretes”, isso significava que o serviço central de propaganda e seus dirigentes deveriam ser criticados pelos organismos e pelos quadros que lhes estavam subordinados, método preconizado por Mao Tsetung para retificar o trabalho no partido: submeter os escalões superiores à crítica dos escalões inferiores.

http://www.anovademocracia.com.br/167/22d.jpg
“O traidor renegado e sarnento Liu Shao-xi deve ser para sempre expulso do Partido”. 1968

Em nova reunião ampliada do secretariado do CC, Peng Cheng foi acusado de se opor a linha revolucionária de Mao Tsetung. Também foram criticados Lu Tin-ui, responsável pela propaganda; o chefe do estado-maior Luo Juei-king e Yang Chang-kuen, um membro do CC. Toda essa luta se deu no interior do partido e nenhum dos quatro foi destituído de suas funções. A imprensa central do PCCh publicou críticas às teses contidas no Relatório de fevereiro sem citar o nome do autor e dos demais. Somente um ano mais tarde foram divulgados seus nomes. Durante todo este tempo criticaram-se suas teses, suas ideias, mas não as pessoas.

O Diário de Pequim, que continuava a ser dirigido pelos colaboradores de Peng Cheng, publicou apressadamente artigos “autocríticos” relativos a duas crônicas: As palestras da noite em Yenchan e A Aldeia dos Três. Crônicas produzidas há algum tempo por Wu Han, Teng Tuo e Liao Mo-cha, partidários de Peng Cheng e figuras importantes no Comitê Municipal de Pequim. Era tentativa desesperada de se salvarem da tempestade que sentiam aproximar.

Em abril, iniciou-se uma grande ofensiva ideológica contra a orientação até então seguida por Peng Cheng, com base no documento intitulado Relatório das conversas tidas durante a concentração dos artistas e literatos das forças armadas. Este documento trazia a síntese dos debates de uma reunião realizada sob a direção de Chiang Ching, destacada dirigente do PCCh e partidária da linha revolucionária do Presidente Mao Tsetung, que seria uma das mais proeminentes dirigentes da GRCP e defensora do pensamento Mao Tsetung.

Sem fazer alusão direta ao caso Wu Han, o documento elaborado por Chiang Ching destacava a primazia do político sobre o acadêmico. Sublinhava a existência de uma “linha negra” no domínio literário e artístico que impedira que este tomasse características verdadeiramente proletárias.

Em 18 de abril, o Diário do Exército publicava um editorial intitulado: Exaltamos o pensamento de Mao Tsetung. Participemos ativamente na grande revolução cultural socialista.

Prenúncio: raios e trovões

A luta se tornava cada vez mais aguda. Em 8 de maio foram publicados diferentes artigos que punham em evidência a “linha negra” seguida por Wu Han, Teng Tuo e Liao Mo-cha. Em 10 de maio, Yau Wen-yuan publica em Xangai novo artigo intitulado A propósito da Aldeia dos Três e tem como subtítulo “O caráter reacionário das ‘Palestras da noite em Yenchan e da Crônica da Aldeia dos Três’”. Os autores são acusados de se oporem desde há muito tempo à linha revolucionária do Partido e a Mao Tsetung, critica os textos autocríticos publicados em 16 de abril na revista Frente e no Diário de Pequim, demonstrando que tratavam-se de falsas autocríticas. Menciona o fato de os autores terem defendido a peça de Wu Han, intitulada A destituição de Hai Juei, e de, em coordenação com a corrente revisionista dos dirigentes da URSS, terem publicado, em diversos órgãos de imprensa, teses contra a linha do Partido.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No interior do partido a crítica era muito mais rigorosa e certos documentos internos designavam nomeadamente Peng Cheng como um “representante da burguesia”. Isto era claramente indicado na circular do Comitê Central datada de 16 de maio de 1966, que anuncia a anulação do Relatório de fevereiro.

Este documento, assinado pelo CC do PCCh, cuja redação foi dirigida pessoalmente pelo Presidente Mao Tsetung, em 10 pontos, com rigor teórico e clareza extremos, dá as orientações fundamentais para impulsionar de forma justa a Grande Revolução Cultural Proletária.

A partir da publicação da Circular de 16 de maio, a Grande Revolução Cultural Proletária adquire fisionomia e dimensão completamente diferentes. A revolução socialista ingressa a um novo e superior patamar, o mais alto já alcançado pela Revolução Proletária Mundial até os dias atuais.

* Yao Wen-yuan viria mais tarde a ser membro do Grupo Encarregado da Revolução Cultural e também um dos chefes do comitê revolucionário de Xangai criado em janeiro de 1967 e no  IX Congresso do PCCh, em 1969, eleito membro do CC e de seu Birô Político.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait