Folia de reis, tradição do povo

A- A A+

Tradicional em Minas Gerais, a folia de reis também está presente em outros estados brasileiros cuja tradição cultural não é associada a ela. Apaixonado por folia desde a infância, Mestre Hevalcy é filho de uma família antiga do Morro da Mangueira, no Rio de Janeiro, e luta para que essa tradição passe para gerações futuras.

http://www.anovademocracia.com.br/168/15a.jpg

— A folia de reis é uma manifestação folclórica, um grupo de cultura popular de fundo religioso, como várias outras tradições culturais brasileiras e folguedos populares. A nossa folia daqui da Mangueira é oriunda da cidade de Laranjal, Zona da Mata de Minas Gerais — fala Mestre Hevalcy.

— Ela chegou aqui na comunidade através de mineiros que vieram na expectativa de trabalho, de uma vida melhor, por volta de 1946, porque aqui funcionava a extinta Fábrica de Cerâmica Brasileira. Eles trouxeram consigo o seu costume, a tradição da sua terra, que foi bem recebida e ficou — continua.

— A tradição da folia de reis sobrevive em várias partes do Rio. Tem uma folia grande no Méier; em Botafogo tem a folia Santa Marta; no morro da Formiga, na Tijuca, também tem; no Catumbi, e muitos outros lugares. Mas, o grande foco mesmo é na Baixada Fluminense — acrescenta.

Mestre Hevalcy conta que se interessou por folia de reis ainda na infância.

— Sempre fui apaixonado, inclusive dei muito trabalho para minha mãe saindo de madrugada atrás de folia. Ela não queria me deixar sair por conta de um problema de vista, já nasci com catarata, mas não tinha jeito, acordava de madrugada e me juntava com os foliões.

— Umas três, quatro horas da madrugada já estava na rua ou em alguma casa com folia, isso com meus seis, sete anos de idade. Além disso, sempre que as folias iam na casa da minha bisavó por parte de pai, a Dona Germana, eu estava do seu lado — continua.

A família do Mestre Hevalcy é tradicional no Morro da Mangueira e conheceu os primeiros foliões que chegaram.

— Além das duas folias que tinham aqui na época, toda folia que batesse à comunidade, minha bisavó recebia. Se batesse umas trinta folias ela recebia todas. Ela era neta de escravos e apaixonada por folia de reis, igual a mim. Acredito que foi da Dona Germana que herdei esse gosto — constata.

— Na folia eu sou mestre, e o mestre toca viola caipira. Mas dentro de uma folia sei tocar todos os instrumentos. Por exemplo, quando tem outro mestre e não tem necessidade que eu toque viola, vou para o banjo ou para o cavaquinho — fala.

— A folia de reis tem vários estilos, de acordo com a sua região. Por exemplo, em São Paulo tem folia que não usa sanfona ou acordeon, em seu lugar está a rabeca. Aqui, mesmo sendo Rio de Janeiro, Mangueira, nós mantemos a tradição da roça, a folia mineira lá da Zona da Mata.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait