BA: despejo e prisão de lideranças indígenas

A- A A+

Na manhã do dia 07/04, Rosivaldo Ferreira da Silva, o Cacique Babau Tupinambá e seu irmão, José Aelson Jesus da Silva, o Teity Tupinambá, foram presos pela Polícia Militar no município de Olivença, Bahia, com a justificativa de um flagrante de posse ilegal de duas armas (uma pistola de uso exclusivo da PM e um revólver calibre 38), sendo ambos levados para a delegacia da Polícia Federal no município de Ilhéus.

http://www.anovademocracia.com.br/168/11a.jpg
Cacique Babau

As lideranças indígenas foram presas horas depois de irem prestar solidariedade aos seus parentes (os membros de sua etnia) da aldeia Gravatá — situada dentro da Terra Indígena (TI) Tupinambá de Olivença —, que, no dia anterior, havia sofrido uma reintegração de posse.

Babau e o irmão ficaram detidos no presídio Advogado Ariston Cardoso, em Ilhéus, dos dias 8 a 11 de abril, quando, em audiência de custódia no dia 11/04, o juiz Lincoln Pinheiro da Costa, da “justiça” federal de Ilhéus, substituiu as prisões preventivas por prisões domiciliares. Dessa forma, os indígenas deverão responder ao processo judicial em liberdade assistida.

A prisão dos indígenas está relacionada ao processo de demarcação da Terra Indígena Tupinambá de Olivença, que aguarda a homologação por parte da gerente de turno Dilma Rousseff /PT desde 2012. Sobre o território indígena incidem o Areal Rabo da Gata — do qual se extrai areia para a construção civil —, além de fazendas de plantação de cacau e resorts, por ser uma área turística.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No dia 06/04, Babau, que é membro do Programa de Defensores de Direitos Humanos da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, havia se reunido com a Secretaria de “Segurança Pública” do estado da Bahia para negociar a suspensão do cumprimento de ordem de despejo contra a aldeia Gravatá. Porém, o acordo não foi cumprido e no mesmo dia a reintegração foi executada, o que levou o indígena a ir averiguar a situação dos integrantes da aldeia após o despejo.

A liminar favorável à reintegração de posse havia sido concedida pelo juiz Lincoln Pinheiro da Costa, da “justiça” federal de Ilhéus, em 12 de janeiro, com a alegação de que os Tupinambás vinham impedindo a saída de caminhões, carregados com areia retirada do interior da aldeia. Na ação, foi mobilizado um grande contingente de policiais militares, mas não houve resistência por parte dos indígenas.

No dia 07/04, os Tupinambás da aldeia Gravatá realizaram uma manifestação e denunciaram a retirada ilegal de areia de seu território, mas sem impedir a passagem dos veículos. A PM, que por decisão judicial escolta os caminhões, logo agiu buscando retirar os indígenas do local, o que ocasionou um desentendimento. Na versão policial, o Cacique Babau teria atirado pedras contra as viaturas, além de impedir a saída dos caminhões do local, versão essa que os indígenas negam.

http://www.anovademocracia.com.br/168/11b.jpg
Indígenas protestam contra o genocídio

Em depoimento na PF, os indígenas negaram que as armas de fogo pertençam a eles, ressaltando que o armamento teria sido forjado pelos policiais, já que eles foram presos a cerca de 10 quilômetros de Gravatá, o que indica que a polícia os perseguiu.

Além da acusação inicial de porte ilegal, recaem sobre as lideranças Tupinambás outras quatro acusações: lesão corporal contra um dos trabalhadores do areal, ameaça de agressão contra trabalhadores e policiais, resistência à prisão e desacato à autoridade.

Em nota, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) destaca que a prisão do Cacique Babau e de seu irmão constitui-se numa retaliação pelo fato de estarem em luta pela demarcação das terras tradicionais dos Tupinambás. O Cacique Babau é comumente rotulado de mentor de toda a luta de seu povo e responsabilizado por ações diretas — retomadas, protestos e resistências — que envolvem cerca de 30 aldeias e mais de 10 mil indígenas.

O histórico recente de violências por parte do velho Estado contra os Tupinambás é vasto, tanto quanto de latifundiários e seus bandos pistoleiros, como temos denunciado nas páginas de AND. De prisões arbitrárias, abuso de força policial, torturas, destruição de casas, veículos comunitários, alimentos e equipamento escolar, a lista de crimes do velho Estado é colossal.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait