A Revolução Democrática e o príncipe dos reacionários

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/172/03.jpg

“Há a implosão de todo um sistema político-eleitoral que aparta o Congresso, os partidos e mesmo o Executivo do sentimento popular”. Tomada em separado, esta afirmação poderia ser retirada das páginas do AND que, com a presente edição,completa quatorze anos de existência.

A constatação, entretanto, foi feita por Fernando Henrique Cardoso em artigo assinado no Estadão de 05 de junho passado. Sobre os seus 8 anos à frente do Palácio do Planalto, a nossa opinião de que fez o governo mais imoral e vende-pátria de todos os tempos, emitida na chamada de capa do número 05, continua a mesma até hoje. E, continuamos a afirmar que, tanto como gerente de turno quanto como intelectual, deu enorme contribuição para a manutenção do caráter semicolonial e semifeudal do Estado brasileiro. Condição que o torna um Estado atrasado posto que dominado por classes sociais retrógradas como a latifundiária e a grande burguesia submissas ao imperialismo, principalmente ianque.

Beneficiário que foi deste apodrecido sistema político, seja por sua eleição com a respectiva “governabilidade”, seja na compra de apoio para a sua reeleição, Cardoso tem realmente conhecimento de causa para descrever o sistema político-eleitoral vigente como assentado: “Em colégios eleitorais com milhões de votantes e centenas ou milhares de candidatos, os verdadeiros eleitores não são os cidadãos, mas as organizações intermediárias que financiam campanhas e/ou coletam votos para os candidatos: uma prefeitura, uma igreja, um sindicato, um clube de futebol, uma empresa. É a estas organizações que o representante se sente ligado e a elas presta serviços. Baseada em associações desse tipo, somada ao acesso a fundos públicos e privados, a ‘máquina eleitoral’ está suficientemente azeitada para produzir o resultado político pretendido pelos que a operam. O cidadão comum está e continuará distante do eleito, cujo nome nem guardará, e seus interesses e sentimentos serão olimpicamente desconhecidos pelo parlamentar. É assim que se faz grande parte de nossa ‘representação’ política”.

Embora confesse isto, Cardoso convenientemente separa o sistema político de governo do sistema de Estado (Poder) e, principalmente, da base que o determina: a condição semicolonial/semifeudal do país e seu capitalismo burocrático. Como quadro político e intelectual da burguesia, além de capacho do imperialismo, Cardoso não consegue enxergar que o sistema político putrefato que rechaça está determinado e condicionado por um sistema econômico-social igualmente apodrecido. Daí que a solução saída de sua pena é prenhe de medidas cosméticas, copiadas de outros países, inclusive, daqueles que não têm a história de subjugação nacional a que o Brasil está secularmente marcado. Ele descarta mudanças profundas, pois no seu entendimento: “Estruturas políticas (como as econômicas e as sociais) não mudam de repente nem o fazem em sua totalidade, salvo em momentos historicamente revolucionários, o que claramente não é o nosso caso”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Cardoso desconhece ou desdenha da situação revolucionária em desenvolvimento no país e acredita que o povo brasileiro sempre se deixará engabelar pela farsa eleitoral, desde que substitua o seu script e mude alguns atores.

 Jogando com as aparências Cardoso perora contra o excesso de siglas do partido único, talvez com saudade dos tempos do regime militar de ARENA e MDB, duas siglas que abrigavam os mesmos problemas de fundo das quase quarenta de hoje. Dele, como dos demais políticos da velha ordem, não pode sair nada mais além do nhem-nhem-nhem da “reforma política”. E a sua, visando um semipresidencialismo ou um semiparlamentarismo, estaria ancorada na “regeneração” do quadro partidário, pois, para ele: “um partido não pode ser apenas uma organização nem um lobby. Precisa defender valores, ter uma mensagem que mostre sua visão do país e da sociedade. Até hoje, como expressão de algo parecido a isso, só o PSDB e o PT, e agora o PMDB, se propuseram a ‘liderar’ o País. Há outros partidos, menores, que se juntaram aos três referidos, como o DEM, o PCdoB, o PPS, os socialistas e outros poucos mais. Estes partidos, a despeito de seus choques atuais, precisam dialogar sobre a reforma. E tomara isolem os que se congregam no chamado ‘centrão’, expressão que caracteriza os agrupamentos de pessoas e interesses clientelísticos, ‘fisiológicos’ e corporativistas, que, sem terem um projeto político nacional, mantêm a sociedade amarrada ao reacionarismo político e cultural”.

Tá bom ou não presta? Querer separarPSDB, PT, PMDB e seus agregados dentro do partido único como DEM, Pecedobê, PPS, PSB, PDT do “clientelismo”, “fisiologismo” e “corporativismo” do restante da raia miúda que lhes dá sustentação nos governos de turno é querer desconhecer o sistema oligárquico que serve de base ao sistema eleitoral brasileiro. O “centrão” que Cardoso detona em sua “reforma política” é o mesmo que o ajudou a abiscoitar um segundo mandato e a modificar a Constituição para facilitar as privatizações e a desnacionalização do patrimônio nacional. Assaltos promovidos pelo PSDB como parte do serviço de manter a “sociedade amarrada ao reacionarismo político e cultural”.

Este sistema político-eleitoral que se reproduz por si mesmo não pode ser removido por “reformas políticas” do próprio sistema, ele tem que ser varrido por completo e, como FHC reconhece e não pode mais que renegar, só uma revolução democrática pode fazê-lo. Como pretendeu o PT e a escumalha com quem associou-se, Cardoso quer aplicar-lhe um “banho de loja” só mudando as aparências. Nada de ir fundo, de liquidar o latifúndio, de assegurar a soberania e independência nacionais. Este é o sentimento popular.

É, Dr. Cardoso, seus cabelos mudaram, mas a sua sabujice continua a mesma. Mas é preciso reconhecer que FHC não é um reacionário tosco como os do “Centrão” aos quais debita os males da nossa sociedade; ele é sofisticado, é o príncipe dos reacionários!

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait