Editorial - Repelir energicamente a repressão com mais protesto popular

A- A A+

O interventor do FMI e do Banco Mundial, Henrique Meirelles, prepara o assalto de todos os assaltos aos cofres da União e dos Estados. Para tanto reúne o rebotalho do chiqueiro que se autodenomina congresso nacional para modificar a constituição e com isso impor metas draconianas de redução de despesas públicas. Tais medidas incidirão basicamente sobre a educação, a saúde e a previdência social, piorando bastante o que já é ruim e que, como tal, tem merecido a indignação e o protesto do povo brasileiro, em massivas e justas manifestações, tanto no campo como na cidade.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Como medida complementar, o gerente interino Michel Temer pôs em funcionamento o finado Gabinete de Segurança Institucional (GSI, por sugestão do comandante do exército, general Eduardo Villas Bôas, e do ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim). Tal órgão incorporará a já existente Abin (Agência Brasileira de Inteligência).

De acordo com informações divulgadas no endereço virtual do jornalista Carlos Amorim, caberá a ele [GSI] o monitoramento dos movimentos sociais, especialmente no campo, e de grupos radicais nas cidades. Entre os alvos na zona rural estão o MST, a Liga dos Camponeses Pobres (atua na região amazônica), a Via Campesina e outros grupos menores, todos de esquerda. Nas cidades, a preocupação é com o MTST, o MEPR (Movimento Estudantil Popular Revolucionário), os black blocs, anarquistas e tendências jovens dispostas a recorrer à violência durante protestos.

Procurando se antecipar a um vigoroso aumento do protesto popular diante de suas medidas leoninas, Temer/Meirelles imediatamente cuidaram de retirar dos parcos recursos da União cerca de três bilhões de reais para aplicar na repressão, especialmente no Rio de Janeiro. Usando como desculpa a “segurança” das olimpíadas, será armada uma megaoperação para inibir e reprimir qualquer manifestação popular.

No campo, pelo que nos consta, este “serviço”, que não é de hoje, vem se acentuando cotidianamente. No dia 24 de maio, por exemplo, no município de Ji-Paraná/RO, cinco estudantes foram presos durante uma panfletagem, sendo quatro da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e um do Instituto Federal de Rondônia (IFRO). Os estudantes foram abordados no centro da cidade por policiais à paisana que rapidamente acionaram a Polícia Militar, sendo montada uma mega- operação com a chegada de mais de cinco viaturas para apreender os panfletos como se fossem criminosos. Tratados com xingamentos e ameaças, foram algemados com truculência e levados para a delegacia. Um deles foi jogado ao chão e sofreu escoriações.

O conteúdo do panfleto defendia o acesso à terra pelos camponeses da região de Ji-Paraná e denunciava os crimes e abusos do latifúndio em conluio com a Polícia Militar de Rondônia, destacando a ação criminosa dos elementos mais fascistas desta corporação.

Recorrer à repressão é a prova maior da falência total do velho Estado genocida que de tão podre e carcomido, por ser o instrumento de dominação das classes retrógradas do país serviçais do imperialismo, não consegue mais nenhum argumento para seguir manipulando a vontade do povo através da farsa eleitoral. Nem mesmo as aparentes faxinas alardeadas como campanha anticorrupção poderão modificar o panorama de crescente revolta com toda esta podridão, exploração e opressão. Campanha que ao final das contas desmascara o discurso de “Estado democrático de direito”, revelando cruamente o Estado policialesco que é e com o judiciário corrupto, se fazendo passar por ético, para justificar todo ataque à liberdade de organização e manifestação e a mais brutal repressão às massas populares rebeladas.

A crescente mobilização, politização e organização das massas na cidade e no campo só pode ter como meta a Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista. Tudo que for colocado como “alternativa” ou “mal menor” será puro diversionismo a serviço da velha ordem.

Com o aprofundamento da crise agravarão os motivos da rebelião das massas que querem terra, feijão, saúde, educação, moradia, transporte, democracia e liberdade de manifestação. Sua revolta será como água de morro abaixo e fogo de morro acima, ninguém segurará.  O povo irá às ruas colocando ao lado de suas exigências uma bandeira a mais: O BRASIL PRECISA É DE UMA REVOLUÇÃO!

tag:

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait