Servidores públicos rechaçam a farra olímpica no Rio

A- A A+

Em 6 de julho, milhares de estudantes, professores em greve e funcionários de diversos setores do funcionalismo público tomaram as ruas do Centro do Rio de Janeiro num ato unificado em defesa da educação, que também criticou os gastos públicos com a farra olímpica, que será realizada na cidade no mês de agosto.

http://anovademocracia.com.br/173/06a.jpg
Juventude combatente que ocupou dezenas de escolas é a linha de frente das manifestações no Rio de Janeiro

A manifestação, uma das maiores dos últimos meses na capital fluminense, teve concentração na Candelária, de onde saiu rumo à prefeitura, na Cidade Nova, com faixas, cartazes, bandeiras e palavras de ordem contra os cortes de direitos e os desmandos das gerências municipal e estadual de Eduardo Paes/Pezão/Dornelles, e da gerência federal de Michel Temer. Os manifestantes denunciaram os crimes contra o povo cometidos em nome das olimpíadas pelos gerenciamentos do PT/Pecedobê/PMDB/etc. e mantiveram elevadas as bandeiras de denúncia das perseguições, prisões e processos dos 23 ativistas do Rio de Janeiro contra a Copa da FIFA e contra o aparato de vigilância e repressão montado por Dilma/Temer/Paes/Pezão/Dornelles para o megaevento olímpico.

— Remoções, repressão, prisões e gastos astronômicos do dinheiro público. Esse é o legado olímpico — disse o estudante Vítor Alcântara.

http://anovademocracia.com.br/173/06b.jpg

A reportagem de AND acompanhou toda a manifestação e conversou com professores grevistas, que explicaram os motivos de seu protesto e reafirmaram a disposição de luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade para a população.

— Nós estamos em greve há quatro meses na tentativa de frear a ofensiva do Estado contra os trabalhadores da educação. Por conta de uma opção política dos gerentes do Estado de privilegiar os megaeventos, nós estamos passando por uma situação de falta de tudo nas escolas, desde o papel higiênico até a possibilidade de imprimir uma prova semestral para dar conta do calendário letivo. Nós estamos há dois anos sem reajuste e com a iminência de um projeto de lei do próprio governo para atacar a nossa previdência e também congelar os nossos salários. Justamente essa é a medida que eles construíram para dar conta da crise, que não somos nós, os trabalhadores, que criamos — contesta Bruno Salgado, professor de Filosofia da rede estadual.

 — A nossa greve é legítima, ela continua até o governo atender as nossas pautas. Estamos na luta juntos com os funcionários e alunos para defender a escola pública, ou pelo menos aquilo que restou dela por conta dos ataques dos governos anteriores — afirma Bruno.

A Juventude Combatente conformou um grande bloco. Com os rostos cobertos, fizeram combativa agitação entoando canções e palavras de ordem contra a farra olímpica, contra a farsa eleitoral e o oportunismo eleitoreiro.

http://anovademocracia.com.br/173/06c.jpg

Quando a manifestação caminhava pela Avenida Presidente Vargas, jovens queimaram uma bandeira da AERJ (Associação dos Estudantes do Rio de Janeiro), entidade oportunista dirigida por burocratas que se dizem “representantes dos estudantes”.

Em 14 de julho, durante um novo protesto no Maracanã, professores enfrentaram a polícia e impediram a prisão de estudantes.  Nessa data, a categoria aprovou, em assembleia,  a continuidade da greve.

Confronto no fim de junho

No dia 29 de junho, professores e estudantes saíram em manifestação da Cidade Nova até o Tribunal de Justiça (TJ), próximo à Praça XV, no Centro do Rio. Quando os manifestantes chegaram em frente ao TJ, eles se depararam com um grupelho fascista caricaturesco que pedia “intervenção militar”. Sem deixar sua marcha interromper, os manifestantes avançaram e repeliram os aspirantes a “galinhas verdes”. A polícia protegeu os fascistoides lançando bombas contra os trabalhadores e estudantes que não recuaram e resistiram. Algumas pessoas ficaram feridas com as cacetadas e os sprays de pimenta lançados pelos PMs. Os manifestantes cercaram os agentes de repressão e os pressionaram para libertarem um jovem, que foi solto graças a pressão popular.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait