36º ENEPe: estudantes de Pedagogia afirmam caminho da independência e combatividade

A- A A+

Entre os dias 17 a 24 de julho, aconteceu na Universidade Federal de Rondônia (UNIR), campus José Ribeiro Filho, em Porto Velho, o 36º Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ENEPe), que teve no centro de seus debates o tema Pátria Educadora ou Pátria Contra Educação Pública? Perspectivas de luta do movimento estudantil de Pedagogia. O Encontro, que destacou a região Norte, contou com a participação de estudantes dos cursos  de Pedagogia de quase todos os estados do país.

http://anovademocracia.com.br/174/04a.jpg
As discussões e atividades feitas durante o Encontro reafirmaram a disposição de luta

O evento cumpriu importante papel de denunciar os ataques dos gerenciamentos de turno à educação pública, aos trabalhadores em educação e ao povo brasileiro. Além das palestras, grupos de discussão e apresentação de trabalhos, foi realizado um dia de trabalho de campo e os estudantes puderam conhecer um acampamento de camponeses em luta pela terra no interior do estado, a área ribeirinha São Carlos e outros locais importantes da região.

No dia 23, os estudantes realizaram vigorosa manifestação pelas ruas de Porto Velho. Eles denunciaram o desmonte da educação pública e exigiram o fim do Programa de Educação com Mediação Tecnológica (EMMTEC) em Rondônia. Na ocasião foi denunciado também o ataque da polícia, sem ordem judicial, ao acampamento Enílson Ribeiro, no município de Seringueiras [ver página 9 desta edição de AND]. A manifestação seguiu até a sede do “governo” do estado. Reproduzimos a seguir uma adaptação da Nota de Avaliação da Comissão Organizadora do evento.

A Comissão Organizadora do 36º ENEPe saúda a todos os estudantes de pedagogia do Brasil e em especial aos que se fizeram presente em nosso Encontro, assim como os que não puderam vir mas colaboraram com a construção deste em meio às sabotagens e ações nefastas do oportunismo. Além das dificuldades em conseguir ônibus e ajuda de custos das universidades devido aos ataques que estas vêm sofrendo, assim como toda educação pública e serviços que se destinam ao povo.

http://anovademocracia.com.br/174/04b.jpg
Manifestação pelas ruas de Porto Velho

Todos sabem o quanto foi difícil realizar este evento, pois, além do já exposto, há uma peculiaridade do nosso estado. A UNIR não é uma das grandes universidades do país, tampouco nosso estado é um dos mais ricos e não estamos no centro da vida financeira nacional. Ao contrário, Rondônia é um estado que expressa a semifeudalidade do Brasil devido a sua altíssima concentração de terra e o açambarcamento destas pelo latifúndio para especulação ou para usos nocivos para a população como, em geral, se dá com a produção de commodities para exportação sem qualquer beneficiamento. Nossa universidade carece de estrutura e as condições para a realização do encontro são mais difíceis.

Mas não digam que os estudantes de pedagogia votaram em nossa proposta enganados, votaram sabendo das dificuldades. Votaram, inclusive, por causa das dificuldades. Os estudantes de pedagogia quiseram levar o encontro para a Amazônia, ousaram discutir a educação dos povos do interior, os mais necessitados e esquecidos. Porém, mil vezes comprovadamente combativos e revolucionários lembremos da greve da UNIR de 2011 e como foi cabalmente comprovado pelo trabalho da Comissão Organizadora.

O Encontro contou com a presença de estudantes de todo país e especialmente da região norte. Foi a primeira vez que o ENEPe contou com uma delegação do Acre, estiveram presentes estudantes do interior de Rondônia e do Amazonas, um feito notável.

Notavelmente nesse Encontro a participação do público foi enorme. É comum nos encontros que uma parcela dos presentes não participe plenamente do evento. Dessa vez, no entanto, o que constatamos foi a massiva participação dos estudantes. Todas as mesas de debate, grupos de discussão, atividades culturais e trabalho de campo foram um sucesso.   

No tocante ao conteúdo das discussões, seguramente o 36º ENEPe entra para história pela qualidade e profundidade dos debates. Debatemos com muito afinco todos os temas propostos, situação política com grande decisão pela revolução, o verdadeiro papel do imperialismo em ditar o ensino no nosso país e dos gerentes de turno em aplicar os pacotes anti-povo, o processo de privatização do ensino e a sangrenta luta pela terra no Brasil e em especial em Rondônia e a educação do campo, luta que ganhou o apoio do 36º ENEPe por meio de declarações no ato público e a aprovação de uma nota de apoio.

Nosso trabalho de campo deu noção prática do problema agrário em nosso país, um verdadeiro cala boca a todos os que insistem em dizer que não existe mais campesinato, luta pela terra e pior, atacam e criminalizam os que apoiam essa bandeira. Visitamos uma área ribeirinha, principal atingida pela grande cheia do Rio Madeira de 2014 e construção da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, povo que está sofrendo com a implantação do Ensino Médio a Distância e combatendo todos esses ataques. Fomos também ao acampamento Jhonne Santos de Oliveiras em Ji-paraná, que tem sido exemplo de combatividade e decisão pela revolução agrária e destruição do latifúndio. Nesse mesmo dia em Seringueiras (RO), 300 policiais atacaram o acampamento Enilson Ribeiro, com viaturas e helicópteros dando rajadas de metralhadoras contra os camponeses.

http://anovademocracia.com.br/174/04b.jpg
Manifestação pelas ruas de Porto Velho

Temos certeza, assim, que cumprimos com o desejo dos que nos elegeram, de fortalecer o MEPe (Movimento dos Estudantes de Pedagogia) nacionalmente, varrer e neutralizar os pelegos que comprovadamente são a camisa de força do movimento estudantil brasileiro, proporcionar um espaço para um debate necessário e condizente com a realidade econômica e política atualmente assim como reafirmar o caráter de combatividade, independência do MEPe. Primamos pela qualidade dos espaços de discussão e exposição das produções científicas. Coerente com a nossa posição de defesa da ciência.

Viva o combativo movimento estudantil de pedagogia!

Todos para o 37º ENEPe no Vale do São Francisco!

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait