Talento aqui e lá fora

A- A A+

Cantor, compositor e instrumentista, o paulistano Fabio Cadore tem seu talento reconhecido no exterior. Com participação especial em álbuns de artistas de diversas partes do mundo e três discos autorais lançados também na Argentina, Japão e Coreia do Sul, Fabio está envolvido em muitos projetos que ajudam a valorizar a música brasileira.

http://anovademocracia.com.br/175/18a.jpg

— Descobri a música ainda cedo, mas nem ao menos sei de onde surgiu minha fixação por querer ter um violão aos seis anos de idade. Logo comecei a tocar de maneira autodidata, mas, aos onze anos já me sentia incomodado pela falta de direcionamento, novos conhecimentos. Foi quando vi na televisão um show do João Gilberto e sua bossa nova — conta.

— Não conhecia nada de música além do que se podia ouvir nas rádios, então o impacto foi avassalador. Gravei o show em VHS, e passei bons meses aprendendo todas as músicas e acordes do violão daquele sujeito desconhecido para mim até aquele momento — continua.

Fabio ingressou em um importante conservatório de São Paulo, e passou cinco anos estudando violão clássico.

— Participei de cameratas, orquestras, concertos diversos. Enquanto meus colegas adolescentes jogavam video game, eu me divertia estudando uma nova peça de Heitor Villa-Lobos. A partir daí não podia mais parar, a música se tornou meu motivo condutor — fala.

— A preparação de maneira acadêmica é importante, mas, desde que não se sobreponha à criatividade, ao frescor da intuição, a não ser que a pessoa queira ser um pesquisador, doutor etc. é claro. Cansei de ver músicos que sabiam tudo de teoria, porém, mal vivenciaram a escuta, o aprendizado informal — expõe.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

— Na universidade sou graduado em canto e licenciatura, já no violão me formei apenas em conservatório. Quase engrenei um mestrado em trilha sonora pra cinema na UNICAMP, mas, passado o primeiro módulo, decidi parar e me dedicar inteiramente ao meu trabalho artístico — diz.

Logo depois disso surgiu, em 2008, seu primeiro álbum, “Lúdico Navegante”.

— Senti que esse nome simbolizava bem todo o projeto, que trazia um Fábio ainda sonhador, ingênuo, tentando fincar o primeiro pé no meio musical e mirando bem alto, sempre. É também o nome de uma das canções do disco — explica.

— O segundo se chama “Instante”. Dá nome à primeira música do disco e novamente fotografa meu momento pessoal: “botando o pé na porta” pra chamar a atenção para as novas reflexões, novas canções que havia escrito — continua.

— O terceiro e mais novo álbum é o “Acto 1” (Ato 1), título em espanhol para um trabalho que pretende ser o primeiro de alguns atos. Também dá nome a uma das músicas, que tem uma estrofe em português, outra em espanhol, falando de uma relação amorosa, brincando com o ato no teatro: a peça, o cenário, os atores etc. — diz.

Experimentos e música de qualidade

— Gosto de misturar ritmos brasileiros com ritmos do mundo, colocar num liquidificador, tocar de maneira jazzística e cantar de maneira pop. Difícil definir o gênero que trabalho, principalmente para mim que levanto a bandeira da mistura, do híbrido — define.

— Sou letrista e melodista. Tenho canções escritas inteiramente por mim, outras que fiz a letra e outras que musiquei letras de outros autores. Os assuntos são sempre muito variados, e apesar de ser um romântico nato, desde meu primeiro disco também toco em temas sociais, políticos, tudo o que move o homem e seu meio — diz.

http://anovademocracia.com.br/175/18b.jpg

Atualmente é um músico brasileiro com uma sólida carreira no exterior.

— Em 2009, um pianista e compositor sul-coreano encontrou meu perfil na internet e descobriu minha música. Nos conectamos e começamos a compor juntos, eu fazia letras em português para suas melodias. Três anos depois já haviam dois álbuns solistas seus com sete canções nossas, e minha voz circulava por toda a Coréia do Sul — conta.

— Fiz turnês pela Coréia por dois anos seguidos. E recebi um convite por parte de um grande artista da região Basca, na Espanha, para gravar uma música sua, em um projeto onde também participaram grandes artistas latino-americanos — continua.

— Fui convidado a gravar um disco com um importante quarteto de jazz da Dinamarca, e o disco foi bastante elogiado em toda a região escandinava. Nesse meio tempo surgiu minha paixão por outros países latino-americanos — acrescenta.

Fabio diz que sempre foi recebido no exterior de braços abertos, mesmo quando ninguém o conhecia.

— Costumo dizer que a vantagem de ser artista brasileiro é que, mesmo quando não te conhecem, sempre estarão com ouvidos atentos para descobrir o que você faz. Apresento músicas minhas, consequentemente brasileiras, mas ultimamente tenho composto várias músicas em espanhol também — fala.

— Tenho parceiros diversos em todos os cantos do mundo. Amigos de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Belém do Pará, Argentina, Uruguai, Espanha, Coreia do Sul, Dinamarca e por aí vai. Por mais incrível que possa parecer, como compositor eu prefiro a qualidade e não a quantidade — continua.

— Trabalhar com músicos de outros países é incrivelmente fácil quando todos falam bem a linguagem da música. É a soma da sua cultura com a de outro indivíduo. É a coisa mais enriquecedora que se pode ter. Muito profundo e poético. Guardo isso como meu maior capital — acrescenta.

O trabalho atual de Fabio, “Acto 1”, foi feito em parceria com Hernan Jacinto, pianista e compositor argentino.

— O álbum foi lançado na Coreia do Sul, Japão, Brasil e Argentina. Acabo de voltar de uma grande turnê por toda a Argentina, shows em quinze cidades, percorrendo de norte a sul. Uma experiência impar em minha carreira — declara.

— Assinei contrato com uma importante gravadora argentina para gravar com Hernan Jacinto, ainda esse ano, nosso álbum “Acto 2”. Também tenho dois projetos de disco e musical infantis, para estreia no final de 2016 — avisa.

— E estou produzindo o disco de um importante cantor de boleros da Argentina. Devemos lançá-lo no começo de 2017. E por aí vai, muitas coisas, e espero que surjam mais — finaliza.

www.fabiocadore.com.br é o contato do artista.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait