Questão agrário-camponesa em debate

A- A A+

A Associação Brasileira dos Advogados do Povo (Abrapo), o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo) e o Comitê Mineiro de Apoio à Luta pela Terra promoveram no mês de agosto, em Belo Horizonte, Minas Gerais, o ciclo de debates intitulado A questão agrária – 21 anos da resistência camponesa de Corumbiara. Passadas pouco mais de duas décadas do massacre de famílias camponesas na fazenda Santa Elina em Rondônia, presencia-se, atualmente, a incontestável relevância do problema agrário para a realidade socioeconômica do Brasil. Em razão disso, organizações e personalidades do campo popular e democrático se reuniram, entre os dias 18 e 25 de agosto, para discutirem assuntos pertinentes à luta pela terra no país. A previdência rural, a legislação judiciária vigente sobre conflitos agrários e a violência no campo foram os temas que nortearam a realização dos seminários.

http://www.anovademocracia.com.br/177/09.jpg
Primeiro seminário do ciclo de debates sobre a questão agrário-camponesa

O primeiro deles ocorreu na Escola Superior Dom Helder Câmara e contou com a participação do Dr. Raphael Beviláqua, procurador da República em Rondônia, da Dra. Ana Cláudia Alexandre, defensora pública em Minas Gerais e do Dr. Matheus Leite, professor da PUC Minas. Os presidentes da Abrapo e do Cebraspo, Dr. Felipe Nicolau e José Pimenta, respectivamente, ficaram incumbidos dos trabalhos de mediação. A abertura da mesa A legislação e a prática do judiciário atual diante dos conflitos por terra e territórios foi realizada pelo pró-reitor da Dom Helder Câmara, Dr. Luiz Chaves. Ex- advogado da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais, a FETAEMG, Chaves recebeu da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) uma imagem do camponês conhecido como “Sula”, falecido no último dia 26 de julho e participante da resistência camponesa de Cachoeirinha, em Minas Gerais.

Em sua fala, José Pimenta chamou a atenção para a importância do debate proposto, já que o poder do velho Estado brasileiro se estrutura em torno da concentração e da dominação da terra. “A concentração da terra, que é elevadíssima no Brasil, está por trás das chacinas e das mortes no campo”, afirmou o presidente do Cebraspo. A esse respeito, a edição 169 de AND publicou dados, extraídos do trabalho de pesquisa do geógrafo Ariovaldo Umbelino, sobre o crescimento sem precedentes da concentração fundiária e da violência do latifúndio durante as gerências petistas. Pimenta citou os estados do Pará e de Rondônia como locais onde as lutas de camponeses, remanescentes de quilombolas e povos indígenas são mais violentamente reprimidas pelo aparelho estatal: “No ano passado, das 183 mortes decorrentes da luta pela terra no mundo, 51 ocorreram no Brasil, sendo que 20 só em Rondônia”.

O seminário prosseguiu com as intervenções do Dr. Raphael Beviláqua. De início, o procurador da República se dedicou a contar brevemente a história fundiária de Rondônia, aspecto que auxilia na compreensão dos conflitos agrários que ocorrem na região. Ele explicou que, a partir do princípio do século XX, o estado de Rondônia passou a ser ocupado graças à distribuição licitatória de terras feita pela União a particulares e entidades públicas. Após algumas décadas, os latifundiários perceberam que poderiam obter altos lucros com a compra e a venda dos títulos. Havia no processo de alienação de terras públicas um modo de acumulação de capital, segundo Beviláqua. “Os grandes latifundiários compraram esses títulos podres por valores irrisórios e revenderam por valores exorbitantes. E uma das formas também de elevar o valor das terras é a retirada de camponeses. Essas são basicamente as origens dos conflitos em Rondônia”, disse.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait