Haixia (1975): uma joia quase perdida da Revolução Cultural

A- A A+

O filme Haixia retrata a vida dura num vilarejo de pescadores na costa sudeste da China no período pré-revolucionário, as conquistas posteriores e como um grupo de mulheres pega em armas para defender suas famílias, lares e a Revolução.

http://www.anovademocracia.com.br/178/19a.jpg
Cena do filme

A menina Haixia é adotada ao nascer por uma humilde família de pescadores. Seus pais biológicos eram mais pobres ainda e se viram sem condições de criá-la. Desde muito cedo ela percebe a opressão. Um poderoso comerciante local, auxiliado pelas autoridades, controla toda a pesca, comércio e a vida dos moradores. Ela cresce sempre tendo uma postura crítica e rebelde contra as injustiças, o que lhe acarreta diversos castigos. Seu pai morre em uma pescaria e, por reclamar das precárias condições do barco, tem sua casa incendiada, matando também seu irmão. Pouco tempo depois sua mãe vem a falecer por ação de uma doença.

Haixia também é vítima das tropas do Kuomintang, que invadem o povoado, saqueando-o. Desrespeitam e roubam os poucos alimentos da moça. 

As coisas começam a mudar com a chegada das tropas revolucionárias. Ela percebe um comportamento totalmente diferente desses soldados e passa a colaborar com eles.

Os revolucionários travam uma dura batalha e expulsam as tropas oficialistas. A partir de então, convocam tribunais populares nos quais são julgados os tiranos que oprimiram o povoado.  A vida na vila muda profundamente, mais próspera e sem temor dos poderosos e seus capangas.

Alguns anos depois, Haixia, já adulta, assim como os outros jovens do povoado, passa a fazer parte dos guardas revolucionários, tendo treinamento militar, carregando seu fuzil, fazendo guarda noturna para proteger o litoral. Ao mesmo tempo, trabalha na pesca e na lavoura comunitariamente, colaborando com os assuntos da comunidade.

Haixia assume cargo de liderança. O povoado se torna possível alvo dos inimigos que estão com navios de guerra nas proximidades. Chega artilharia para reforçar as defesas do lugar. É descoberta uma dupla de espiões repassando informação da localização das defesas por radiotelegrafia. Os espiões são detidos.

Armam uma emboscada e, na hora em que as tropas inimigas desembarcam, logo são recebidas com forte resistência. O filme se foca na efetiva ação das mulheres que usam metralhadoras e fuzis, lançam granadas, disparam canhões. Elas são enérgicas, fortes e determinadas, no combate, no trabalho e na vida.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait