PM mata três e aterroriza morador do Morro do Cantagalo-PPG

A- A A+

No último dia 10 de outubro, mais de cem policiais militares do Choque e do BOPE sitiaram os Morros do Cantagalo e Pavão-Pavãozinho deixando um rastro de sangue e morte pelos becos e vielas do PPG. Ao menos três pessoas foram mortas, uma delas executada sumariamente por policiais da UPP ainda de manhã. Após a execução, um intenso tiroteio entre traficantes e PMs começou no alto do morro e se estendeu até o final da tarde.

http://www.anovademocracia.com.br/179/05a.jpg
Rastro de sangue deixado pela polícia nos becos do PPG

Como de costume, o monopólio dos meios de comunicação aproveitou o episódio para criminalizar a população do Cantagalo e suas lideranças. Enquanto os abutres rondavam os acessos à favela entrevistando residentes das áreas mais abastadas de Copacabana, a equipe de AND subiu o morro para conversar com os moradores, que relataram o sufoco que viveram nesse fatídico dia.

Segundo os relatos, várias pessoas tiveram suas casas invadidas, pertences revirados, moradores foram agredidos — inclusive crianças — e inúmeros estabelecimentos e moradias foram destruídas por disparos de fuzil.

— A gente ouviu os fogos e logo depois começou o confronto. A gente ainda não sabia que os PMs da UPP tinham executado um rapaz. Eles disseram que a vítima estava com drogas, um radinho e uma pistola, mas isso é mentira, como provou a família do rapaz na delegacia. Teve um momento em que nós estávamos perto de um carro da polícia e nós ouvimos o comandante do choque no rádio dizendo que não queria ninguém vivo, que era para matar todo mundo. Foi quando nós subimos para acompanhar a rendição dos traficantes e garantir que ninguém fosse executado. Quando a polícia apareceu trazendo eles, os familiares começaram a chorar muito nervosos. Tinha um rapaz gravemente ferido com um tiro na barriga. Foi uma sensação horrível de medo, insegurança, impotência, muito ruim — diz a presidente da associação de moradores do PPG.

— Teve casa de morador que foi arrombada, crianças foram agredidas, tudo foi revirado pelos policiais. Crianças de dois a dez anos sendo amedrontadas por policiais, isso é um absurdo! Um restaurante foi metralhado. Não somos a favor do tráfico e nem contra a polícia. Não é essa a questão. Ao contrário disso, os moradores vivem isolados, sem terem em quem confiar. Pessoas que estavam trabalhando chegaram em casa e encontraram tudo destruído. Imagine a sensação. Eu lembro quando o governador falou aqui na inauguração da UPP, que a pacificação traria a paz, os direitos e a segurança para o morador. Mas hoje nós não temos nada disso. Se o policial cismar com a sua cara, ele te mete a porrada a troco de nada. Isso não está certo — protesta a líder comunitária.

— O choque entrou na minha casa, revirou tudo, bateu nos meus filhos que nem ao menos puderam me ligar, porque os PMs disseram que eles eram traficantes e queriam usar o telefone para alertar a quadrilha. Deram tapa na cara dos dois. Meu filho de 17 anos está traumatizado na casa da madrinha fora do morro — denuncia uma moradora do Pavão-Pavãozinho que preferiu não se identificar.

— Isso não vai acabar enquanto não houver uma mobilização dos moradores para mostrar para essa sociedade, para esse governo que nós não queremos os nossos jovens mortos. Quando estamos em época de eleição, todo mundo procura a comunidade. Mas quando você precisa de ajuda como nós precisamos tanto ontem, não aparece ninguém. Se não é a família subir o morro para acompanhar as prisões, nós teríamos uma chacina. Eu posso ser a próxima vítima. As armas e as drogas não são produzidas aqui dentro de favela. Quem traz isso para a favela são grandes traficantes que nunca são incomodados pela polícia. Isso tem que mudar — conclui a líder comunitária do Morro do Cantagalo e mãe de vítima da violência do velho Estado, Deize Carvalho.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait