SP: Grupo de extermínio tortura e executa jovens

A- A A+

Em 5 de novembro, os corpos de cinco rapazes foram encontrados em avançado estado de decomposição e enterrados num barranco em um matagal na Estrada Taquarussu, em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo. Supostamente assassinados por policiais militares, todos eles sofreram torturas, tinham marcas de queimadura, levaram vários tiros e seus corpos foram levados na madrugada de 7 de novembro para o Instituto Médico Legal (IML) para exames.

http://anovademocracia.com.br/180/07c.jpg
Familiares choram a morte de jovem assassinado cruelmente

O mais novo do grupo, Robson Fernando Donato de Paula, de 16 anos, era cadeirante, tinha uma prótese na coluna e usava fralda geriátrica. “O cadeirante tinha sinais de execução, com a mão amarrada com a algema de material plástico e com muitos sinais de tortura. A sua cabeça foi arrancada do corpo e não foi encontrada”, declarou Luiz Carlos dos Santos, vice-presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe). Robson, que foi identificado na tarde de 8 de novembro, tinha deficiência física devido a uma agressão sofrida no passado pela polícia.

Um dia antes, os corpos de Caíque Henrique Machado Silva, de 18 anos, e de César Augusto Gomes Silva, 19, já tinham sido identificados. Além desses três, haviam desaparecido Jonathan Moreira Ferreira, 18, e Jonas Ferreira Januário, 30. As covas em que seus corpos foram achados estavam cobertas de cal.

Os cinco rapazes estavam desaparecidos desde o dia 21 de outubro, quando saíram do Jardim Rodolfo Pirani, na Zona Leste da capital paulista, local onde moravam, e se dirigiram para uma festa em Ribeirão Pires, Grande São Paulo. No dia em que desapareceram, Jonathan Ferreira relatou, através de áudio enviado por WhatsApp para uma amiga, que havia sofrido “enquadro” e “esculacho” da Polícia Militar: “Os polícia tá me esculachando. Não vai ter como encostar aí nas duas pistas não, mano. Cê é louco, o bagulho tá louco (sic)”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O crime brutal praticado pelo grupo de extermínio teve a participação de guardas civis e há fortes indícios do envolvimento de policiais militares com a comprovação do uso de munição restrita. No total, 3 guardas civis de Santo André, no ABC, tiveram participação no desaparecimento e na bárbara chacina, sendo que um deles confessou ter usado uma rede social para atrair os jovens para a falsa festa em Ribeirão Pires.

Em 10 de novembro, o monopólio da imprensa divulgou que os corpos dos cinco poderiam ser enterrados como indigentes, segundo a Secretaria de Segurança Pública estadual de São Paulo (SSP). Contra essa total falta de respeito, as famílias pobres que perderam seus filhos se recusaram a retirar os corpos do IML enquanto não fossem feitas novas perícias.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait