PM segue aterrorizando os Morros do PPG

A- A A+

No mês de outubro, logo após a farsa eleitoral, as tropas do velho Estado incrementaram a repressão e militarização nas favelas da zona sul do Rio, já ocupadas pelas famigeradas UPPs. Nos morros do Cantagalo e Pavão-Pavãozinho (PPG), localizados nos bairros de Ipanema e Copacabana, no dia 28, PMs da Tropa de Choque e do BOPE tomaram os becos e vielas invadindo casas, agredindo e torturando pessoas.

http://anovademocracia.com.br/180/06a.jpg
Velório de Moisés, jovem assassinado em morro carioca

Segundo relatos de moradores, no dia 31, o jovem Moisés Mendes de Santana, de 20 anos, caminhava pelo Pavão-Pavãozinho quando foi atingido por um tiro de fuzil disparado por PMs do Choque. Em seguida, os policiais executaram Moisés com vários golpes de faca. O jovem foi enterrado no dia 3 de novembro no Cemitério São João Batista. No dia seguinte, a equipe de reportagem de AND esteve no PPG e conversou com moradores e com uma testemunha ocular do assassinato de Moisés.

— Ele estava em um bar, eu estava perto dele. Quando avisaram que o Choque estava subindo, todos se preparam para ir para casa. Ele foi o primeiro a sair do bar. Logo que ele saiu, nós ouvimos um barulho de tiro e o rapaz caiu no chão. Em seguida os policiais chegaram mandando todo mundo ir embora, ameaçando e esculachando todo mundo. Colocaram duas viaturas nas entradas do beco e não deixavam ninguém passar. Quando a gente desceu, o Moisés estava baleado, mas ainda estava vivo. Quando desceram com ele, ele estava morto e com um monte de marca de facada. Eles mataram o menino na faca para ninguém ouvir barulho de tiro. Um rapaz bom, trabalhador. Eu o conhecia. Mas para eles, todo mundo que mora na favela é traficante ou amigo de traficante — diz uma testemunha que preferiu não se identificar, com medo de represálias.

O assunto tampouco foi noticiado pelo monopólio dos meios de comunicação, apesar da extensa lista de vítimas da ação criminosa da PM. Vários moradores tiveram suas casas invadidas e suas portas arrombadas. Tudo com o aval do judiciário desse velho Estado carcomido. Isso porque, dias antes, o poder judiciário do Rio expediu mandado de busca e apreensão coletivo autorizando a Polícia Civil a fazer revistas aleatóriasnas casas do PPG. Na associação de moradores do Pavão-Pavãozinho, nossa reportagem conversou com moradores vítimas da ação da PM.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait