Apologia à semicolonialidade na TV

A- A A+

A Rede Globo iniciou em agosto deste ano uma campanha de propaganda intitulada “Agro é Tech, Agro é Pop, Agro é tudo”, com a divulgação de vídeos a cada 15 dias, que serão exibidos na sua programação até junho de 2018, onde se aborda em cada vídeo um produto do agronegócio na agricultura e na pecuária. Até o presente momento já foram abordados: algodão, arroz, café, carne de frango, dendê, flores, laranja e milho.

http://anovademocracia.com.br/181/08P.jpg
clique para ampliar

Cabe abrir um parêntese aqui para registrar que, esse órgão do monopólio dos meios de comunicação é um dos principais divulgadores de campanhas publicitárias do grupo JBS – uma das principais empresas do agronegócio no Brasil –, que diga-se de passagem, foi uma das principais financiadoras das campanhas presidenciais do PT, PSDB e PMDB em 2014. Como diz o ditado popular: quem paga a banda, escolhe a música. Fecha-se aqui o parêntese.

Os vídeos, com duração de 50 segundos, visam embelezar o latifúndio de novo tipo, o agronegócio, buscando demonstrar a importância desse setor econômico para toda a sociedade brasileira. Eles enfatizam o faturamento anual de cada produto, o faturamento com as exportações e a quantidade de empregos gerados.

A campanha publicitária faz um elogio à condição semicolonial do país ao abordar a quantidade de produtos agropecuários em que o Brasil é “campeão” de exportação. Tal campanha apenas escancara o caráter vende-pátria e serviçal do imperialismo desse grupo empresarial e a sua indiferença com os interesses do povo brasileiro.     

O agro é pop? Não, ele é export!

A partir dos próprios dados divulgados nos vídeos podemos verificar que o “agro” não tem nada de “pop”, mas sim de export, pois grande parte das mercadorias selecionadas pela campanha publicitária são voltadas para o mercado externo. Vejam-se alguns exemplos.

No caso do algodão, apenas nos dizem que obteve um faturamento de R$ 13 bilhões em 2015. Mas segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), na safra 2015/2016, quase  40% da produção de algodão foi exportado (ver Tabela 1).

Podemos inferir que a receita gerada com essas exportações está concentrada em um punhado de latifundiários, tendo em vista dois aspectos: (I) a extrema concentração de terras que caracteriza a estrutura fundiária brasileira; (II) o fato da cultura do algodão necessitar de grandes extensões de terra, tanto que o Censo Agropecuário de 2006 contabilizou apenas 6.794 estabelecimentos que cultivavam o algodão – não existem dados atualizados.

No vídeo sobre o café, tradicional produto do sistema agroexportador do Brasil, fala-se em “três milhões de pessoas empregadas” em sua cadeia produtiva, mas a fonte não é citada.

Conforme dados do ministério do trabalho, todo o setor agropecuário gerou 1.479.633 empregos formais em 2014 e 1.500.561 em 2015. Nos últimos doze meses, também de acordo com dados do ministério do trabalho, a agropecuária gerou 993.451 empregos formais e demitiu 1.021.152 pessoas. Nesse cenário, por mais ampla que seja a cadeia produtiva do café, o número de empregos gerados nos parece superestimado.

“O Brasil é o maior produtor e o maior exportador de suco de laranja do mundo. Em 2015 faturou 1,8 bilhão de dólares [...] A laranja dá emprego a 200 mil trabalhadores no campo e na indústria”, ressalta-se no vídeo.

O que eles não dizem é que mais de 70% da produção citricultora concentra-se no estado de São Paulo e que considerável parte da produção é de responsabilidade dos pequenos produtores. Dados da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos de 2009 demonstravam que no “cinturão citrícola”, que abrange os pomares de São Paulo e do triângulo mineiro, 87% dos produtores eram de pequeno porte e detinham apenas 21% das árvores do cinturão citrícola, enquanto 1% eram de grande porte e possuíam 47% das árvores.

Sobre a soja, que ainda não foi abordada pela campanha, pode-se registrar que esse produto permanece sendo a principal matéria-prima exportada pelo Brasil. Os dados evidenciam que metade da produção em grãos é exportada, isso sem contabilizar as exportações em farelo e óleo de sojas.

O arroz é tratado como se fosse uma típica cultura do agronegócio, que gerou um faturamento de R$ 11 bilhões e 200 mil empregos. Entretanto, é importante ressaltar que historicamente a produção do arroz concentra-se na agricultura camponesa, sendo realizada em pequenas extensões de terra. Aqui podemos constatar uma diferença fundamental entre o sistema do latifúndio e a agricultura camponesa: a primeira é voltada para a exportação de matérias-primas e a segunda para o abastecimento do mercado interno.

Latifúndio e a subjugação nacional

O sistema do latifúndio semifeudal constitui uma das bases da exploração e opressão do Brasil pelo imperialismo, principalmente o ianque, contribuindo para graves deformações na economia nacional e trazendo resultados funestos para o povo. A semifeudalidade e a semicolonialidade vinculam o latifúndio com o imperialismo. Existe um conjunto de relações econômicas que atuam, quer na produção, quer na distribuição dos produtos destinados ao exterior. Essas relações econômicas tem base em uma rede de empresas e de agentes cuja função, em última instância, é extrair por processos extorsivos, de coerção econômica ou extra-econômica, a maior parte possível da produção dos camponeses e/ou a mais-valia dos trabalhadores. Nessa rede, incluem-se os monopólios, nativos e estrangeiros, além de empresas formalmente nacionais, que atuam por conta dos monopólios estrangeiros.

Cabe relembrar que, no âmbito da “Divisão Internacional do Trabalho”, as colônias e semicolônias “especializam-se” na produção de matérias-primas para a exportação, no geral, de baixo valor agregado, enquanto os países imperialistas se “especializam” na produção de mercadorias manufaturadas, no geral, de maior valor agregado. Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, 47% das exportações brasileiras em 2015 eram provenientes da agropecuária, o que evidencia a grande participação deste setor na balança comercial do país, o que reflete o processo de desindustrialização em curso há décadas e que se traduz na primarização da pauta de exportações brasileiras, reforçando a nossa condição semicolonial e semifeudal.

Diante disso, constata-se que enquanto não se liquidar com o latifúndio no país, como base econômica, e os latifundiários como classe, sua base política, não se consegue golpear e derrubar o domínio do imperialismo, principalmente o ianque, no Brasil.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait