Amanhã do Museu

A- A A+

“Tio tira uma minha!”

“Vou dar um mortal, tira uma minha.”

“Sai da frente!”

http://anovademocracia.com.br/183/11a.jpg

Os chamados e pedidos que haviam começado tímidos, quase inexistentes, agora se avolumavam a ponto de me deixarem tonto.

Eu, sentado no meio da molecada, à margem da imunda Baía de Guanabara, na cidade do Rio de Janeiro, tendo o faraônico “museu do amanhã” ao fundo e cercado por uma multidão de turistas com diversos sotaques, me sentia impetuoso ao participar do grupo de mini-heróis que voavam sobre o insuportável calor carioca para saírem gloriosos no frescor da água do mar.

Me lembrei de um antigo pensamento: criança precisa de pouco para se divertir, é verdade, mas naquela situação não se tratava de escolha e sim de necessidade, de falta de opção. Onde ali acontecia uma simples brincadeira de criança, aparecia um dos maiores problemas sociais do país nas grandes cidades, e também no campo.

http://anovademocracia.com.br/183/11b.jpg

Falo do grupo de crianças do morro da Providência e adjacências que têm o costume, nesses dias de horrível calor no Rio, de mergulhar na Baía de Guanabara ao lado do “museu do amanhã”. Agora, nas férias escolares, o volume de crianças é ainda maior. Fui atraído por essa ação ao ir fotografar a sujeira da Baía para uma matéria do jornal AND. Eu já havia visto algumas fotos deles mergulhando, mas atrás dessa improvisada brincadeira dos moleques me chamou a atenção o retrato de uma ação política de “higienização”, reflexo da prática antipovo desse Estado que nega aos pobres os mais elementares direitos de vida.

Hoje, temos o “museu do amanhã” e toda a “revitalização” da área portuária tida como legado olímpico, onde milhares de turistas do país e do mundo vêm, atraídos por sua magnitude, passear e fotografar. Ao seu redor encontram-se esses meninos que não se incluem nesta chamada “revitalização” da zona portuária – área essa que não se preocuparam em construir alguma forma de ocupação para as crianças dos arredores por apenas visarem o lucro.

http://anovademocracia.com.br/183/11c.jpg

Na verdade, são pessoas “invisíveis” que não trazem nenhum interesse financeiro para a cidade. Ali no meio dos turistas que vêm gastar, que pagam ingresso, consomem no “museu do amanhã” e seus arredores, nos confrontamos com o costumeiro abandono. As pessoas que não geram interesse, pois não tem condições de gastar, de consumir e, portanto, não são vistas pelos “governos”; elas não existem. E é assim que começa a infância dos que moram numa favela, sendo excluídos desde criança. Na verdade, são vistos como entrave aos interesses financeiros desse sistema capitalista no qual só existe quem pode comprar.

A grande maioria daquelas crianças está em férias escolares e não tem nenhuma oferta de recreação. Jogadas à sorte, à vida de insegurança da favela, com risco de serem influenciadas pelo crime, algumas filhos de pais que precisam trabalhar em horário integral e não têm onde deixar as crianças; elas são jogadas à sorte.

http://anovademocracia.com.br/183/11d.jpg

No meio do recesso escolar, essas crianças não têm uma colônia de férias, uma atividade oferecida pelo estado para ocupar a mente, alguma atividade esportiva, de lazer e recreação. As antigas colônias de férias que existiam nas escolas públicas foram enterradas no esquecimento sob os entulhos da destruição do ensino promovida pelos consecutivos “governos”. Se ter ano letivo com a crise da educação já é difícil, imagina colônia de férias! No Rio de Janeiro, o “Projeto Botinho” é cancelado depois de décadas levando crianças a participar, durante as férias, de cursos com os bombeiros nas praias. O motivo é a crise financeira que o estado atravessa.

Os filhos das massas das favelas e periferias são crianças que não existem ao olhar desse Estado inimigo do povo. Só se fazem enxergar quando chegam à orla da Zona Sul e incomodam ao tomarem o espaço considerado cativo por aqueles que têm dinheiro para gastar. A exclusão, a falta de opção já começam cedo nas famílias do povo. O não investimento na juventude tem um interesse político e financeiro. As privatizações das prisões explicam muito bem o não investimento nas crianças. Atividades nas quais a construção social, da personalidade, do caráter e influência de boas ideias não interessam a quem investe fortunas em cadeias e espera retorno disso, agora também com as privatizações. 

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Para os pobres, a segregação, o rigor da lei e a repressão, e o mesmo vale para as suas crianças e adolescentes. Essa é uma das marcas desse Estado burguês-latifundiário que só serve aos interesses das classes reacionárias e do imperialismo. Vivemos dois “mundos” em um, separados por um abismo. Os que, ao olhar do Estado não consomem e, portanto, não existem, e os que consomem. Assim, vamos vivendo nessa barbárie, em que uma guerra se instala nessa diferença e na qual o inexistente só aparece quando interfere no dia a dia dos existentes.

É dever de todos nós acabar com esse império corrupto do velho Estado, que só visa o lucro das classes dominantes e exclui a imensa maioria da sociedade. Isso, se quisermos viver numa sociedade sem opressão, exploração e violência contra o povo, em que todos realmente existam e o “amanhã” não seja apenas um nome de museu.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait