Luta dos povos indígenas

A- A A+

AM: Ato contra remoção

Com informações de Amazônia Real

No dia 22/01, no bairro Tarumã-Açu, em Manaus (AM), indígenas de diferentes etnias que residem na Comunidade Parque das Tribos, realizaram um ato contra uma ordem de despejo que não tem data para ser cumprida.

http://anovademocracia.com.br/184/11b.jpg
Protesto contra a remoção da Comunidade Parque das Tribos

Desde 2014, os mais de 4 mil indígenas de 37 etnias vivem no parque, que abrange uma área de mais de um milhão de metros quadrados. A comunidade recebe indígenas que saem do interior do Amazonas em busca de emprego na capital do estado.

Com a ocupação da área, os moradores do Parque das Tribos passaram a sofrer ameaças de remoção pelo pretenso proprietário do terreno, o empresário do setor imobiliário Hélio Carlos D’Carli.

Segundo parecer de 21 de junho de 2016, da Procuradoria Geral do Estado de Amazonas (PGE), o título do imóvel do empresário seria inválido, devendo ser cancelado. “Verifica-se que o título que funda o registro de propriedade em nome de Hélio Carlos D’Carli é inválido e ineficaz, pois ficaram demonstradas diversas violações ao ordenamento jurídico, sendo mais um lamentável episódio de ‘grilagem’ urbana ocorrida no Estado do Amazonas, razão pela qual devem ser cancelados os registros”, frisa o documento. Entretanto, o juiz da 3ª Vara da Justiça Federal do Amazonas, Ricardo Salles, expediu no dia 11/01 o mandado de reintegração de posse.

Os indígenas anunciaram que não pretendem sair da área e resistirão a qualquer tentativa de reintegração de posse.


RS: retomada de território tradicional

Com informações do Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

http://anovademocracia.com.br/184/11a.jpg

No dia 27/01, cerca de 30 famílias Guarani Mbya retomaram uma área de ocupação tradicional de 300 hectares em Maquiné (RS).

O território retomado está sobreposto pelo Centro de Pesquisas do Litoral Norte, pertencente à Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), extinta em 21 de dezembro de 2016 como uma das medidas do pacotaço antipovo do gerenciamento estadual de José Sartori/PMDB.

“Muito tempo que ocupamos esse litoral. Mas aí fomos sendo expulsos. Colono chegava e tirava. Nossos velhos decidiram ir voltando. Seguimos nessa volta. Queremos agora a demarcação”, declarou o cacique André Benites ao Cimi.

Os Guarani Mbya anunciaram que pretendem fundar uma nova aldeia na área, ressaltando que a retomada visa garantir o acesso à terra, à água e à Mata Atlântica, permitindo assim que eles vivam conforme o modo de vida Guarani.


MS: Indígenas em situação de risco

Com informações do Conselho Aty Guasu

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
O Conselho Aty Guasu denunciou a falta de atendimento médico pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e o não fornecimento de cesta básica de alimentação, o que estaria colocando em risco a vida dos indígenas.

A entidade, que representa os Guarani e Kaiowá, também denunciou a proibição de que os indígenas produzam alimentos nas terras retomadas, o que tem contribuído para o quadro grave de desnutrição nesta população.


MA: Ka'apor denunciam Funai

Com informações do Cimi

Os Ka’apor da Terra Indígena Alto Turiaçu (MA) denunciaram que agentes da Funai tem tentado dividir o Conselho Gestor Ka’apor, que realiza um projeto de autodemarcação e autodefesa dos seus territórios, principalmente contra a ação de madeireiros.

No final de dezembro, a Funai tentou judicialmente proibir a entrada de quatro pesquisadores na TI Alto Turiaçu. José Mendes de Andrade, Simone Moraes Coelho, Maria Raimunda Oliveira Trindade e Eloi Filho Rocha Oliveira tem em comum a divergência política com o órgão indigenista federal e o apoio à autodemarcação indígena.

“Estamos fazendo esse trabalho sozinhos. A Funai, que deveria nos ajudar, só tem atrapalhado”, comentou Itahu Ka'apor ao Cimi.


Ataque de Temer contra a demarcação de terras

Com informações do Amazônia Real e Cimi

No início deste ano, o gerenciamento federal de Michel Temer/PMDB, por meio do ministério da Justiça, promulgou uma medida que modifica o processo de demarcação de terras indígenas no país.

No dia 18/01, publicou-se a portaria nº 68, que nos seus 5 artigos, retira da Fundação Nacional do Índio (Funai) a competência exclusiva na demarcação das terras indígenas, compartilhando-a com o Grupo Técnico Especializado (GTE), composto pela Consultoria Jurídica, a Secretaria Especial de Direitos Humanos e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.             

Frente a mobilização e pressão dos indígenas por todo o país e de organizações democráticas contra a portaria, a gerência federal foi obrigada a recuar e revogar a medida. Em sua substituição, Alexandre de Moraes, ministro da Justiça, publicou no dia 20/01, a portaria nº 80, com artigo único, no qual manteve-se a criação do GTE, o que retira na prática a competência exclusiva da Funai na demarcação das terras.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), em nota de repúdio, ressaltou que o gerenciamento Temer “cria mais entraves à conclusão dos procedimentos de demarcação, ou seja, quer inviabilizar a demarcação das terras indígenas”, sendo a portaria uma forma de “emperrar ou inviabilizar a demarcação das terras indígenas em favor dos invasores desses territórios”.  

Com a aprovação da portaria, as terras indígenas podem ter os seus processos revistos pelo GTE, retardando ainda mais a demarcação das terras. A medida afeta particularmente as terras com processo de demarcação em andamento, que são alvos de conflitos fundiários, principalmente com latifundiários, madeireiros, mineradoras e empreiteiras. 

Conforme o Cimi, em 14 de junho de 2016, existiam 1.116 terras indígenas no país, das quais 398 (35,6%) estavam registradas – última etapa da demarcação, 14 homologadas (1,2%), 69 declaradas (6,1%), 44 identificadas (3,9%), 175 a identificar (15,6%) e 352 (31,5%) sem providência.


MA: Ka’apor denunciam Funai

No dia 12/01, o ministério da Justiça nomeou o pastor evangélico Antônio Fernandes Toninho Costa para presidente da Funai. O ministro-chefe da Casa Civil, o latifundiário Eliseu Padilha, nomeou o general do Exército Franklimberg Rodrigues de Freitas para o cargo de diretor da Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável do órgão indigenista. Este departamento é responsável por autorizar licenciamentos ambientais, o que interessa a latifundiários, mineradoras e empreiteiras.

Além disso, o gerenciamento federal está elaborando um projeto de “reestruturação” do órgão indigenista. Neste projeto, o Departamento de Proteção Territorial, responsável pelo sistema de demarcação das terras indígenas, ficaria sob a responsabilidade da Casa Civil, hoje chefiada por Padilha.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait