Os imigrantes e a ruína do imperialismo

A- A A+
Imprimir

A tal onda migratória de massas vindas principalmente das nações agredidas no Oriente Médio e norte da África, fugidas da desgraça causada pelas guerras de saqueio promovidas pelos imperialistas ou da miséria fruto da dominação colonial ou semicolonial, continuam batendo às portas da Europa.

http://www.anovademocracia.com.br/185/21c.jpg
Imigrantes são levados em trens para campos de contêineres

Tal como afirmou o AND, as potências imperialistas demandam incorporar força de trabalho imigrante em seu mercado de trabalho, dado o envelhecimento da população nesses países. A admissão de imigrantes também lhes serve para extrair lucro máximo do trabalho do proletariado rebaixando os não-nativos: neste sentido, a onda migratória é uma necessidade do imperialismo. Ao mesmo tempo, os governos reacionários agitam o chauvinismo e o nacionalismo burguês como “os imigrantes roubam empregos” etc. para dividir o proletariado, enfraquecer suas lutas, conjurar a revolução e ampliar a exploração.

No entanto, refugiados e imigrantes, provenientes especialmente das nações agredidas pelas guerras de rapina promovidas pelo imperialismo, quando submetidos a mais profunda exploração nas entranhas das potências imperialistas se rebelam, agitam a luta de classes nesses países e frequentemente promovem atos de guerra contra todo o quadro de opressão, como ataques a bomba – chamados de “atentados” pelo monopólio de imprensa. É o que se denomina de “a guerra imperialista regressa a casa”.

Crimes contra refugiados na Hungria

O parlamento reacionário e semicolonial húngaro aprovou, neste 7 de março, uma absurda lei que ordena aprisionar em precários contêineres todos os refugiados que solicitaram asilo no país enquanto durar a avaliação de seus pedidos. Esta criminosa lei não poupa sequer crianças, que também serão detidas.

Segundo as próprias normas dos órgãos do imperialismo, como a ONU e a UE, não se pode deter refugiados ou solicitantes de asilo exceto em justificadas circunstâncias relativas à segurança, somente após terem sido adotadas outras medidas menos agressivas para alcançar tal objetivo. Já no caso das crianças, é proibido sua detenção em qualquer circunstância.

O velho Estado húngaro já havia anunciado outras medidas tão absurdas quanto. Uma nova cerca com câmeras e sensores, com um custo de 123 milhões de euros, está sendo construída na fronteira com a Sérvia com o objetivo de barrar criminosamente a entrada de refugiados. O anúncio ocorreu neste 27 de fevereiro pelo “governo” húngaro.