A estrangeirização das terras no Brasil e no mundo

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/185/16.jpg

A estrangeirização das terras é uma tendência mundial, com maior ocorrência na África, América Latina, Ásia e na Europa Oriental. Esta é uma das conclusões do relatório El acaparamiento global de tierras en el 2016, da organização espanhola Grain, divulgado no dia 28 de novembro de 2016.

Formas de controle da terra

As empresas monopolistas se utilizam de sofisticados mecanismos para obter o controle das terras, especialmente nos países que restringem a venda, o que dificulta o cálculo da estrangeirização.

O controle da terra não se limita a sua compra. O controle é exercido também por meio de acordos entre latifundiários e as empresas, a criação de filiais e subsidiárias, a compra de ações em empresas nativas, a realização de joint ventures, as concessões estatais, entre outras formas.

Além disso, tentar descobrir quem são os proprietários da terra implica em lidar com “tenebrosas transações”, uso de sociedades fantasmas, a titulação em nome de terceiros (os “laranjas”), barreiras burocráticas dos órgãos que administram os cadastros e registros públicos da propriedade, entre outros fatores. Tudo isso cria uma blindagem que esconde a identidade daqueles que controlam a terra e se apropriam das riquezas geradas.

Todos esses obstáculos dificultam dimensionar a magnitude real da estrangeirização, mas não há dúvidas de que o montante de terras sob o controle estrangeiro nas colônias e semicolônias é muito maior do que o registrado.

Panorama mundial

O relatório citado registrou que 490 acordos em trâmite até novembro de 2016 para a aquisição de terras por estrangeiros, em 78 países – em sua maioria semicolônias – abrangiam uma área de mais 30 milhões de hectares.

O Grain contabilizou apenas os acordos que abrangiam propriedades com mais de 500 hectares, que produziam alimentos e/ou biocombustíveis e que o processo de compra tenha se iniciado a partir de 2006.

A compra de terras tem sido mais intensa nas regiões que oferecem melhores condições para a produção de matérias-primas (no “economês”, as commodities), tais como: facilidades para inversões estrangeiras, menor preço das terras, baixo valor do imposto sobre a propriedade da terra, existência de infraestruturas (transporte, energia, comunicações etc.), disponibilidade de água e benefícios fiscais.

Outra condição importante apontada é a participação ativa dos gerenciamentos de turno das semicolônias na expansão das empresas, seja construindo infraestruturas, seja aprovando leis e estabelecendo parcerias “público-privadas” que facilitem o investimento das empresas na agropecuária.

O aumento da compra de terras por estrangeiros nos últimos anos está diretamente vinculado a tentativa de se atenuar os efeitos da crise geral do imperialismo, na qual este busca expandir o controle sobre os recursos hídricos, florestais e minerais, além de aumentar o estoque de terras para a especulação e para a produção.

tag:

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait