Editorial - Os estertores de um Estado em decomposição

A- A A+

Ainda que a chamada delação do “fim do mundo” não tenha vindo a público em toda sua amplitude, já é possível aquilatar o pânico que toma conta do pântano em que se constituiu o sistema político brasileiro.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Fatos, por demais emblemáticos do afundamento dos três podres poderes deste arremedo de República, ocorreram nos últimos dias. Primeiro foi o encontro, registrado em escrachada foto, de Michel Temer, pelo executivo, Rodrigo Maia, pela Câmara dos Deputados e Eunício Oliveira, pelo Senado, ambos chefes do legislativo e Gilmar Mendes, ministro do Supremo pelo judiciário, tratando, no melhor estilo mafioso, de conjurar a crise política que ameaça levar de roldão, todo o apodrecido sistema político com seus caciques, mandões e maiorais, bem como todas as siglas do partido único. Outro, foi o “barraco” encenado por Gilmar Mendes ao desqualificar o Ministério Público pelo vazamento dos depoimentos e ameaçando, inclusive, de impugnar as delações premiadas e o troco que recebeu de Janot que sem citar o nome do indigitado qualificou-o de comensal dos grupos de poder.

Estas tratativas são antigas em nossa história política. Em meados do século passado o jornalista Aparício Torelli com a irreverência que o caracterizava, fazendo troça da corrupção endêmica no Brasil, propunha: “Ou instaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos”. Na verdade, nunca tivemos nem uma coisa nem outra, pois os pactos concertados na política brasileira, por serem extremamente casuísticos, postergam a instauração da moralidade e garantem a locupletação somente por parte dos oligarcas e burocratas de alto coturno, às custas dos impostos pagos pela população.

A difícil tarefa nas mãos da trupe é conseguir enganar o povo brasileiro nas próximas eleições as quais se realizarão em 2018. Mais difícil ainda será encontrar a fórmula que consiga livrá-los dos crimes imputados pela operação “Lava-jato” ao mesmo tempo que garanta sua eleição na próxima encenação da farsa eleitoral.

Prova da bancarrota do sistema político de governo como expressão da decomposição do velho Estado, uma vez mais a proposta de uma reforma política é lançada como panaceia. Desta vez clama-se por uma reforma de emergência baseada na votação em lista fechada, segundo a qual o eleitor ao invés de votar num candidato, votará em uma lista elaborada pelos mafiosos das siglas do partido único, sem poder indicar qual o de sua preferência. Esta proposta foi rejeitada por 90% de suas excrescências, quando apresentada há pouco mais de um ano, agora, diante do sufoco, os nobres parlamentares são pelo voto em lista fechada desde criancinha.

Gilmar Mendes, amigo de Temer há trinta anos, fala que a grande questão é a de separar o dinheiro do candidato, ou seja o dinheiro vai rolar, mas sem vinculação com os candidatos. Além de tudo propõe a criação de um fundo de cerca de cinco bilhões de reais para o custeio público das campanhas.

É possível que encontrem uma fórmula que contemple a maioria da picaretagem congressual, entretanto, dificilmente contemplarão a grande massa do eleitorado por demais já enojada e ainda mais ressabiada com as armações ilimitadas desta canalha que a cada dois anos lhe aplica o conto do vigário.

Os monopólios de comunicação, tendo à frente a rede Globo, já ensaiam suas pesquisas com vistas a direcionarem a vontade do eleitorado, entretanto, sua armação não impedirá o repúdio à farsa eleitoral. Também não adiantará às vivandeiras de quartel com seu reacionário discurso do “rearmamento moral” apresentarem-se como salvadoras da pátria, ainda que através de desbocados fascistas como Bolsonaro, nem os oportunistas eleitoreiros requentando seu “desenvolvimentismo” burocrático, encenarem mais uma vez a farsa de sua tragédia. Não vingará.

Diferente da proclamação da República a cuja encenação, nas palavras de Aristides Lobo, “o povo assistiu bestializado”, este engodo preparado pelo conluio dos poderes desta república de fancaria não ficará impune. O protesto popular tomará, por diferentes meios e formas, um volume nunca visto em nossa história e enfrentará a guerra civil reacionária em que o país já se acha mergulhado. As massas populares aprendendo a defender-se neste enfrentamento lançará mão da justa belicosidade para impor seus interesses.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait