A crise do Governo Provisório e a Conferência de Abril

A- A A+

100 anos da Grande Revolução Socialista de Outubro

http://www.anovademocracia.com.br/187/12a.jpg

Em 18 de abril (1º de maio)* de 1917, o proletariado revolucionário e o povo da Rússia celebrou pela primeira vez abertamente o dia de solidariedade proletária internacional. Nas numerosas manifestações que desfilaram pelas ruas das cidades exibindo cartazes com as palavras de ordem “Viva a fraternidade dos povos!”, “Paz sem anexações nem indenizações”, “Proletários de todos os países, uni-vos”.

Em celebração à gloriosa data, Lenin proferiu um discurso aos manifestantes no Campo de Marte da capital, explicitando o significado do 1º de Maio e as tarefas da Revolução Russa. E, mais tarde, interveio também no comício do 1º de Maio dos operários das fábricas de pólvora de Okhata, realizado na Praça do Palácio.

Realizaram-se grandes manifestações de 1º de Maio em dezenas de cidades russas como Cronstadt, Reval (atualmente Tallinn), Riga, Ivanovo-Voznesensk, Níjni Nóvgorod, Kiev, Cárcovia, Oriol, Penza, Baku, Mykolaiv, Minsk, Sebastopol, Odessa, na bacia do Donets e em muitos outros lugares por todo o país.

Apesar da principal palavra de ordem das numerosas manifestações ser “Paz sem anexações nem indenizações”, o Governo Provisório prosseguia seus manejos contra o povo. E, através de seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Miliukov, declarou aos aliados, neste mesmo dia 18 de abril, a lealdade aos tratados czaristas que pretendiam continuar derramando quanto sangue do povo fosse necessário para que os imperialistas conseguissem sua “vitória final”.

A notícia chegou ao conhecimento dos operários e soldados no dia seguinte e, em 20 de abril, o Comitê Central (CC) do Partido bolchevique convocou as massas a protestar contra a política imperialista do Governo Provisório.

Nas fábricas e quartéis da capital ocorreram comícios de protesto e maciças manifestações espontâneas surgiram. Nos dias 20 e 21 de abril (3 e 4 de maio)*, saíram às ruas em manifestações mais de 100 mil operários e soldados, movidos pela indignação contra a “nota de Miliukov”. Nos cartazes liam-se as palavras de ordem: ”Que se publiquem os tratados secretos!”, “Abaixo a guerra!”, “Todo poder aos Sovietes!”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os operários e soldados marchavam dos subúrbios até o centro da cidade, em direção ao Palácio Mariinsky, sede do Governo Provisório, em frente da qual se concentraram aos milhares.

O Comitê Executivo do Soviete de Petrogrado, em uma vã tentativa de acalmar os manifestantes enviou o menchevique Matvéi Skóbelev e o socialista-revolucionário Gots. As suas intervenções não tiveram êxito. Os manifestantes, dentre eles, soldados do regimento Finliandsky, do regimento de granadeiros, do 1° regimento de metralhadoras, do 180° regimento de infantaria de reserva, da divisão blindada e de outras unidades militares, assim como marinheiros da esquadra do Báltico aprovaram uma resolução exigindo a imediata demissão de Miliukov.

Mais tarde, Lenin escreveu sobre as manifestações: “Em 20 e 21 de Abril Petrogrado ferveu. As ruas transbordavam de povo; grupos, ajuntamentos e comícios de diferentes dimensões formavam-se por toda parte dia e noite; as ações e manifestações de massas sucediam-se ininterruptamente […]”.

Durante os dias 20 e 21 de abril o Soviete de Petrogrado teve toda a possibilidade de tomar pacificamente o Poder, mas a maioria menchevique e socialista-revolucionária no Soviete, revelando seu caráter oportunista pró-burguês, cedeu às chantagens e intimidações do governo, que ameaçou demitir-se coletivamente. Assim, o Comitê Executivo do Soviete de Petrogrado contentou-se com um “esclarecimento” do Governo Provisório, que a nada o obrigava, e tudo fez para extinguir o protesto na capital e no resto do país.

Na nota “A Todos os Cidadãos”, no dia 21 de abril, o Comitê Executivo do Soviete de Deputados Operários e Soldados de Petrogrado, em defesa do Governo Provisório, chegou a lançar o seguinte apelo: “Em nome da salvação da revolução, da desordem que a ameaça, dirigimo-vos um apelo ardente: Mantende a calma, a ordem e a disciplina!”.

Os contrarrevolucionários mais descarados, como o general Kornílov, declaravam que as manifestações deveriam ser dissolvidas a tiros e chegou, inclusive, a dar ordens para a artilharia dirigir-se à Praça do Palácio. Entretanto, as tropas negaram-se a cumpri-las.

Também no dia 21, a assembleia de representantes da guarnição de Petrogrado decidiu só obedecer ao Soviete de Petrogrado, negando expressamente o mando militar de Kornílov, e o Soviete do bairro de Víborg exigiu investigação das ordens dadas pelo general Kornílov que poderiam ter tido consequências lamentáveis nas ruas.

Iniciava-se assim a crise do Governo Provisório, marcada pelos acontecimentos de 20 e 21 de abril. E, embora este Governo contasse com a funesta política oportunista de mencheviques e socialistas-revolucionários, não poderiam seguir enganando o povo por muito tempo, dado seu caráter burguês e atrelamento aos interesses imperialistas anglo-franceses. Era a primeira brecha importante que se abria na política oportunista dos mencheviques e socialistas-revolucionários para o seu desmascaramento frente às massas.

Durante as manifestações, um pequeno grupo do Comitê do Partido bolchevique em Petrogrado (Bagdatiev e outros) lançaram a palavra de ordem de derrubada imediata do Governo Provisório, atitude que contrariava a linha do Partido e que o Comitê Central do Partido bolchevique criticou severamente. Sobre essa questão, Lenin sublinhou na resolução do CC: “A palavra de ordem ‘Abaixo o Governo Provisório’ não é justa neste momento porque sem uma maioria sólida (isto é, consciente e organizada) do povo do lado do proletariado revolucionário tal palavra de ordem ou é fraseologia ou se reduz objetivamente a tentativas de caráter aventureirista”. Lenin considerava ainda que as palavras de ordem fundamentais do momento eram: “1) explicação da linha proletária e via proletária para acabar com a guerra; 2) crítica da política pequeno-burguesa de conciliação com o governo dos capitalistas; 3) propaganda e agitação de grupo em grupo em cada regimento, em cada fábrica, particularmente entre a massa mais atrasada, os criados, os operários não especializados etc., porque foi particularmente neles que durante os dias de crise a burguesia tentou apoiar-se; 4) organização, organização e mais uma vez organização do proletariado [...]”.

Em 29 de abril, Alexander Guchkov anunciou que abandonava o cargo de Ministro da Guerra e da Marinha e, três dias mais tarde também Miliukov foi afastado do Governo Provisório pela grande pressão das massas. E, em 2 de maio os jornais publicaram notícias sobre a demissão de Kornílov.

Frente à crise do Governo Provisório, a reação dos mencheviques foi bem característica. De início censuraram tanto os bolcheviques como os cadetes por serem intransigentes e extremistas, acusando-os de agudizar os acontecimentos, chegando ao ponto de, como assinalou Lenin, “acusar os bolcheviques (por absurdo que fosse isso) dos disparos na Avenida Nevsky; mas quando o movimento terminou, esses mesmos socialistas-revolucionários e mencheviques, no seu órgão oficial, o Izvéstia (mensageiro) escreveram que o ‘movimento popular’ ‘varreu os imperialistas Miliukov e outros’, isto é, louvaram o movimento!”.

Os dirigentes mencheviques e socialistas-revolucionários aceitaram também a formação de um Governo Provisório de coalizão, no qual, ao lado dos burgueses, estavam os mencheviques Skobelev e Irakli Tsereteli, e os socialistas-revolucionários Chernov e Alexander Kerensky, dentre outros. Com isso, passaram assim por completo para o campo da burguesia contrarrevolucionária.

A crise fora superada, mas como escreveu Lenin a propósito da situação, “as causas da crise não foram eliminadas, e é inevitável a repetição de semelhantes crises”.

A Conferência de Abril do Partido Bolchevique

No dia 24 de abril, foi promovida a VII Conferência (Conferência de Abril) do Partido bolchevique, a qual, pela primeira vez desde a sua existência, se reunia abertamente.

http://www.anovademocracia.com.br/187/12b.jpg
Lenin discursa aos operários da fábrica Putilov, Petrogrado,1917

A Conferência de Abril mostrou o impetuoso desenvolvimento do Partido. Assistida por 151 delegados, representando um total de 80 mil membros organizados, a Conferência discutiu e traçou a linha do Partido em todos os problemas fundamentais da guerra e da revolução: a situação do momento, a guerra, o governo provisório, os Sovietes, o problema agrário, o problema nacional etc.

A Conferência de Abril estabeleceu que uma das tarefas mais importantes do Partido era explicar incansavelmente às massas que o “Governo Provisório é, por seu caráter, o órgão de dominação dos latifundiários e da burguesia” e desmascarar a política oportunista dos  mencheviques e socialistas-revolucionários.

Nesta Conferência, Kamenev e Rykov se levantaram contra Lenin, assumindo a posição menchevique de que a Rússia não estaria preparada para a revolução socialista, propondo à classe operária limitar-se a “controlar” o Governo Provisório. A Conferência rejeitou a proposta de Kamenev.

Zinoviev também interveio contra a proposição da criação de uma nova Internacional Comunista, defendendo a união de Zimmerwald1, que ainda não havia rompido de fato com os defensivistas2 burgueses. Lenin condenou energicamente esta atitude, qualificando-a de “arquioportunista e perniciosa”.

Sobre o problema agrário, a Conferência, após ouvir o informe de Lenin, aprovou uma resolução pela confiscação das terras dos latifundiários para pô-las à disposição dos Comitês de camponeses e pela nacionalização de todas as terras do país. Dessa forma os bolcheviques convocavam os camponeses a lutar pela terra.

O informe do camarada Stalin sobre o problema nacional foi de grande importância. Sobre esta questão, Lenin e Stalin afirmavam que o Partido proletário devia apoiar o movimento de libertação nacional dos povos oprimidos contra o imperialismo. Assim, o Partido Bolchevique defendia o direito de autodeterminação das nações, pela igualdade de direito das nações e pela destruição de todas as formas de opressão e desigualdades nacionais. Piatakov e Bukarin manifestaram uma posição social-chauvinista contrária à proposição aprovada pelo Partido.

A importância histórica da VII Conferência (Conferência de Abril) consistiu em que o Partido bolchevique adotou por completo as Teses de Abril de Lenin não só em teoria, mas na prática. Levantando o programa leninista de passagem da revolução Russa à sua segunda etapa, formulou objetivamente o plano da luta pela transformação da revolução democrático-burguesa na revolução socialista e avançou a reivindicação da passagem de todo o Poder aos Sovietes. Sob esta palavra de ordem, os bolcheviques prepararam as massas para a revolução socialista.

Com base nas resoluções desta importante Conferência foi desenvolvido intensíssimo trabalho pela conquista das massas, por sua educação combativa e por sua organização. A linha do Partido, neste período, tinha por base conquistar a maioria dentro dos Sovietes e isolar das massas os partidos menchevique e socialista-revolucionário, por meio do esclarecimento paciente da política bolchevique e desmascaramento da política de compromisso daqueles partidos com o Governo Provisório.

Além do trabalho no seio dos Sovietes, os bolcheviques desenvolveram gigantesco trabalho nos sindicatos, comitês de fábrica e empresas industriais. Mas o trabalho era ainda mais intenso no seio do Exército, onde trabalhavam incansavelmente nas frentes e retaguarda para organizar soldados e marinheiros. Para a agitação e propaganda em meio aos soldados, o jornal publicado pelos bolcheviques e destinado à frente, intitulado Okopnaia Pravda (Verdade das Trincheiras), cumpriu destacado papel.

_______________________
Notas:

* Utilizaremos aqui sempre as datas conforme o Calendário Juliano, destacando sempre nas datas mais importantes sua correspondência também no calendário gregoriano.

1 - A união de Zimmerwald foi resultado de uma Conferência internacionalista que se realizou na cidade de Zimmerwald, Suíça, em 1905, após a extinção da Segunda Internacional social-chauvinista. Tomaram parte desta Conferência delegados representantes da Alemanha, França, Itália, Rússia, Holanda, Suécia, Bulgária, Suíça, Polônia, Romênia e Noruega. O Partido bolchevique tomou parte desta reunião formando um grupo de esquerda, com Lenin à frente. Inicialmente, Zimmerwald serviu ao desenvolvimento de um movimento internacional contra a guerra imperialista, mas com o avançar dos anos de conflito, apesar de propagandear a paz, a organização não logrou romper de fato com os defensivistas burgueses.

2 -  Defensivismo: Posição política adotada pelos partidos socialdemocratas oportunistas da Segunda Internacional que    apoiavam as burguesias de seus países para a manutenção da I Guerra Mundial Imperialista, votando a favor dos créditos de guerra. Aos adeptos desta posição se chamavam defensivistas. Sobre o defensivismo, Lenin afirmou em A Guerra e a Social-Democracia da Rússia, publicado em outubro de 1914: “Num momento da maior importância histórica mundial, a maioria dos dirigentes da atual Segunda Internacional Socialista (1889-1914) tenta substituir o socialismo pelo nacionalismo. Devido à sua conduta, os partidos operários destes países não se opuseram à conduta criminosa dos governos, mas chamaram a classe operária a fundir a sua posição com a posição dos governos imperialistas. Os dirigentes da Internacional cometeram uma traição em relação ao socialismo, votando a favor dos créditos de guerra, repetindo as palavras de ordem chauvinistas (‘patrióticas’) da burguesia dos ‘seus’ países, justificando e defendendo a guerra, entrando nos ministérios burgueses dos países beligerantes [...]”.

_______________________
Referências:

– História do Partido Comunista (Bolchevique) da U.R.S.S. Editorial Vitória. 1945. Redigido pela Comissão do Comitê Central do P. C. da U.R.S.S., aprovado em 1938.

– Albert Nenarókov. História Ilustrada da Grande Revolução Socialista de Outubro – 1917 na Rússia, mês a mês. Edições Progresso, Editorial “Avante!”.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait