Editorial - Só a Revolução salvará o Brasil da barbárie

A- A A+

As recentes cenas de destruição do parlamento paraguaio reavivaram na memória os acontecimentos de 2013, quando a juventude enfurecida incendiou parte do Palácio Tiradentes, sede do poder legislativo do Rio de Janeiro. Lembraram, também, as últimas escaramuças de servidores públicos com salários atrasados e ameaçados de perder direitos.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Em se falando de revolta do povo, já se tornou rotina o protesto das populações de favelas contra execuções e “balas perdidas” promovidas pela Polícia Militar. No Rio de Janeiro: Acari, Chapadão, Cidade de Deus, Maré, Alemão, Manguinhos, Morro dos Macacos, Complexo do Lins e Dona Marta são só uma amostra dos últimos quinze dias da guerra civil reacionária desencadeada contra o povo pelas classes dominantes brasileiras, através do seu velho Estado, com o incentivo e justificativa cínica do monopólio da imprensa.

Para o mal ou para o bem, o Rio de Janeiro tem sido a vitrine do genocídio cotidiano que o Estado leva a cabo em todo o país. Na verdade, o Rio é a realidade mais escancarada da situação revolucionária que se desenvolve no Brasil.

Por um lado, temos desde 2013 as acusações contra Cabral, ainda governador, quando professores e a juventude lhe fizeram um cerco que culminou com sua renúncia. A partir daí juntaram-se revelações de corrupção de Cabral, Cunha, Cavendish, Odebrecht, Moreira Franco, Pezão, Eduardo Paes, Picciani, Eike Batista e, agora, a cúpula do Tribunal de Contas do Estado (TCE), da qual deverá arrolar, pelo menos, mais uma centena de “nobres” ocupantes do aglomerado de suntuosas coberturas no Leblon, São Conrado e Barra da Tijuca.

O roubo desavergonhado na Petrobras e nos cofres do estado e na prefeitura do Rio de Janeiro tiveram o efeito de transformar, de uma hora para outra, irrisórios patrimônios em potentados nababescos. Farras homéricas, viagens indescritíveis, jóias, presentes e bebidas caras fizeram parte da gastança ilimitada, filha da gatunagem estratosférica.

A corrupção desbragada como modus operandi deste atrasado capitalismo burocrático tem na situação falimentar do estado do Rio de Janeiro sua cara mais exposta. Tal situação só faz ampliar exponencialmente a miséria endêmica da população, abandonada nas questões básicas do convívio social como saúde, educação, transporte, habitação, saneamento, em sua existência permanentemente à mercê da violência do Estado e da delinquência.

Longe de pensar que esse quadro só ocorre no Rio de Janeiro! Essa é também a realidade de estados como Minas Gerais, Rio Grande do Sul e outros Brasil afora. O que ocorre é que no Rio de Janeiro a bandalheira das classes dominantes foi potencializada pela certeza de que, para o ricos, o crime compensa, como de fato nos comprova a situação de condenados cumprindo prisão domiciliar.

No outro lado da moeda, o Rio de Janeiro é a vitrine mais assustadora para as classes dominantes e sua récua de politicalhos. Tomando-se como marco as grandiosas manifestações de 2013, contra a Copa das Confederações, contra a Copa da Fifa, pela punição dos torturadores do regime militar, contra os desmandos de Cabral, o boicote à farsa eleitoral em 2014 e 2016 resultando no baixíssimo número de votos dos “eleitos”, as manifestações contra a retirada de direitos dos servidores e dos trabalhadores em geral — com as reformas reacionárias da Previdência e Trabalhista —, e, principalmente, os cotidianos protestos dos moradores de bairros e favelas contra a covarde repressão policial e por acesso aos serviços públicos. Todas essas manifestações são claramente a demonstração de que o povo não aceita mais viver sob o tacão da velha ordem e está a indicar que somente pela revolta violenta poderá se defender das injustiças, abusos, exploração e selvageria do Estado genocida, do caos em que se afunda o país, no plano inclinado para a barbárie.

Cansado de ver as promessas eleitoreiras de todas as siglas do Partido Único dar em nada ou piorar a situação, e descrente das instituições do famigerado “Estado Democrático de Direito” (isto é, Estado das classes dominantes para oprimir e explorar as massas), só resta ao povo pugnar por uma Revolução.

Uma Revolução realizada pela frente única das classes dominadas, sob a hegemonia do proletariado: a classe operária e o vasto semiproletariado urbano, o campesinato principalmente pobre, quilombolas, professores, funcionários públicos, pequenos e médios proprietários (de indústrias, de comércios, de serviços e do campo), povos indígenas, juntamente com todo o povo oprimido. A Revolução de Nova Democracia para varrer a semifeudalidade, o capitalismo burocrático e o imperialismo, baseada no confisco dos latifúndios, o confisco e a nacionalização dos bancos, das propriedades do imperialismo, da grande burguesia local e o cancelamento das dívidas interna e externa.

Com tais recursos, a Revolução poderá implementar a entrega das terras aos camponeses pobres sem terra ou com pouca terra, promover a produção nacional com trabalho, alimentação, educação, saúde, transporte, habitação e saneamento para toda a população, pois, diferente das promessas eleitoreiras, a Revolução terá nas mãos os recursos provenientes da confiscação dos bens e capitais dos exploradores do povo.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait