Dia do Índio: Povos nativos valem menos que vacas?

A- A A+

Há cerca de 500 anos, quando as Américas foram “descobertas” e invadidas por Espanha, Portugal e outros aventureiros, houve um debate entre as classes dominantes européias sobre os índios aqui encontrados. Eram seres humanos? Ou não?

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Passados tantos séculos, as classes ricas da semicolônia Brasil, principalmente os latifundiários-fazendeiros do agronegócio (sim, os heróis de certas propagandas da TV ou as “vítimas” da operação Carne Fraca conforme a servil Rede Globo e o resto da mídia burguesa monopolista) se decidiram, tudo indica, pela resposta negativa. Ou seja: não, os indígenas não são humanos como o resto das pessoas. Ou são menos humanos do que se pensa por aí. Ou não merecem ser tratados como seres humanos. Enfim, resumindo, em outras palavras: não vale a pena perder nosso precioso tempo com eles.

Os velhos “conquistadores”/invasores do século 16 foram mais progressistas que esses moderníssimos executivos gigolôs de bois e reis dos agrotóxicos e motosserras. Pois naquela época antiga concluiu-se que os índios tinham alma, e portanto, eram homens. Embora, é bom que se diga, tenha sido uma postura hipócrita. Isso porque o massacre contra a população nativa continuou. Com alma ou sem alma, a indiarada levou só pau nos anos 1500. E segue levando agora.

A situação é tão feia que há índios no MS (Mato Grosso do Sul) que estão resistindo à agressividade do latifúndio através da própria morte. Os Kaiowá estão se suicidando aos montes, sob o olhar intrigado dos guerreiros, a grande maioria, que preferem as formas costumeiras de luta.

De qualquer modo, os suicídios parecem ser a reedição (trágica, desesperada e talvez equivocada) de uma revolta indígena singular efetuada nos anos 1500, principalmente por guaranis e incas. Numa espécie de greve geral, no Brasil, no Paraguai e na cordilheira dos Andes, os índios pararam de trabalhar para os patrões brancos/poderosos, dedicando-se totalmente a práticas culturais seculares (como danças e cantos), até morrerem de cansaço, desnutrição e brabeza.

Entre os Guarani, este movimento foi chamado de Rebelião de Oberá. E entre os incas de Dança Enferma.

Agora, nos dias atuais, os Guarani e Kaiowá do MS estão protestando contra a classe que os espolia e oprime, através do próprio enforcamento, o qual envolve um grande simbolismo. Isto é: ao enforcarem-se mostram que sua voz/grito/garganta/palavra está sendo cortada-negada pelos inimigos fazendeiros. E a palavra pode encarnar um poder tão forte quanto os cabelos eram para Sansão.

Conforme o jornal Globe and Mail, do Canadá, em reportagem recente (março de 2017), o número de suicídios entre os Guarani e Kaiowá é lamentavelmente 22 vezes maior que a média brasileira.

Viajando pelo MS, a jornalista canadense Stephanie Nolen afirmou que “(na estrada) depois de um tempo você percebe que muito mais terra foi dada às vacas do que aos humanos indígenas”.

Portanto, pela enésima vez, nada a comemorar neste Dia do Índio.

Saudações aos leitores e companheiros do AND !

Rosana Bond*, Florianópolis-SC, 20 de abril de 2017.

________________________
*Rosana foi repórter e editora deste jornal durante vários anos. Por ter sofrido um AVC e estar ainda em tratamento é integrante licenciada do Conselho Editorial.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait