Editorial - Quem semeia vento colhe tempestade

A- A A+

As recentes votações que aprovaram profundas modificações nas leis trabalhistas, retirando direitos dos trabalhadores — as “mexidinhas” que prometem fazer no senado não são mais do que tráfico, barganhas e chantagens em suas contendas com o “governo” — receberam de pronto o protesto popular através da Greve Geral que paralisou o país com marcantes manifestações no campo, com cortes de rodovias, e nas maiores cidades com embates entre os trabalhadores e as forças de repressão do velho Estado.

A cobertura dos dois acontecimentos pelo monopólio de comunicação, mais uma vez, denotou o seu caráter de classe reacionário e mentiroso. Enquanto os protestos foram minimizados como manifestações de minorias, a votação no congresso e as reações do gerenciamento Temer tiveram o destaque de “grande vitória” e “avanço” para a “retomada” do desenvolvimento e fim da recessão. Pior para eles, já que o dia 28/04 só foi um prenúncio de uma batalha que apenas se iniciou!

Somente os tolos e os oportunistas incorrigíveis acreditam que este apodrecido parlamento brasileiro seja palco para os trabalhadores na sua luta de classes. Deste antro reacionário, expressão direta e escancarada da semifeudalidade e da semicolonialidade, não poderíamos esperar outra coisa.

Como agrupamento de restos das oligarquias regionais latifundiárias, de assalariados da grande burguesia local e de office-boys dos bancos e multinacionais e, ainda, de pelegos da aristocracia operária, todos, ao fim e ao cabo, por ação ou omissão, compõem o partido único da reação. Assim, de aparente sustentáculo da democracia e do “Estado Democrático de Direito”, em essência, o parlamento constitui-se num dos esteios da ditadura de classe da grande burguesia, do latifúndio e do imperialismo sobre a classe operária e o campesinato, sobre professores, funcionários públicos, sobre os pequenos e médios proprietários industriais, comerciais e de serviços e sobre as massas desempregadas.

Mas não só os parlamentares e sim todos os chamados Três Poderes da República, juntamente com o monopólio da imprensa, são autores destes que são os mais cruéis golpes contra o povo e a Nação na história da república e que, mais cedo ou mais tarde, todos seus autores pagarão caro por estes crimes hediondos.

Os calhordas comemoram a hipotética vitória da aprovação do ataque aos direitos trabalhistas (assim como da aprovação do ataque à Previdência Social na comissão especial da Câmara), sob o surrado argumento de que os países desenvolvidos já adotam tais medidas. Cinicamente, desdenham do fato de que estes países as adotam por serem desenvolvidos exatamente à custa da espoliação e rapina que secularmente praticam sobre as nações atrasadas como o Brasil, no qual a aplicação destas medidas só aprofunda o atraso e a miséria, ao sugar o suor e o sangue do povo brasileiro para encher as burras do latifúndio, da grande burguesia e do imperialismo.

Temer, Meirelles, Maia, Eunício, a Fiesp, a Bolsa, a embaixada ianque, o monopólio de imprensa e demais escroques e vendes-pátrias confraternizaram sob a doce ilusão de que seus nefastos objetivos, transformados em lei, perdurarão para todo o sempre. Ledo engano, nada mais fizeram do que semear vento provocando a ira das massas. E, quando a ira das massas, com o crescente aumento dos protestos, se transformar numa força material capaz de levantar labaredas a transformar em brasas, carvão e cinzas a velha ordem, nenhum canalha escapará da maré montante da revolta popular.

Porque semeiam ventos, colherão tempestades.

Para o proletariado e às massas oprimidas e exploradas não existem derrotas definitivas. Esperem e verão.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait