O modus operandi dos ianques

A- A A+

Equipes de caça humana. Genocídios praticados por passatempo. Exibir e guardar corpos de jovens afegãos como troféus. Simular confrontos para matar famílias inteiras. Estes fatos, repugnantes para qualquer pessoa, são retratos cotidianos da ocupação militar ianque contra o Afeganistão, que este ano completa 16 anos, sustentada sob a nojenta campanha de “guerra ao terror”.

O relato foi colhido da confissão feita pelo soldado ianque, Jeremy Morlock, hoje com 28 anos, ao tribunal militar do USA. Ele admitiu participar de uma “Equipe da Morte” – como chamava a si mesmo o bando genocida – que simulava confrontos, tendo carta-branca para saciar sua sede incontrolável de sangue. “O plano era matar pessoas, senhor”, confessou o assassino a um juiz em Fort Lea, perto de Seattle, USA, em 2011, conforme denunciado em AND nº 83.

Segundo investigações e relatos, alguns soldados guardavam partes de corpos das vítimas afegãs, incluindo um crânio, como lembrança.

O soldado ianque disse aos investigadores que participou de vários assassinatos entre janeiro e maio de 2010. Em um dos relatos, ele narrou o assassinato de um jovem civil afegão de 15 anos, Gul Mudin, no qual destruíram a cena do crime com uma granada. Crianças, mulheres e até um homem com deficiência mental foram algumas das inúmeras vítimas.

Nesse episódio, o sargento ianque Calvin Gibbs cortou um dos dedos do jovem Mudin e deu ao soldado Andrew Holmes, que também atuava no bando, como um troféu por ter matado pela primeira vez um afegão. Após um período, esse “dedo troféu” foi utilizado como ficha de aposta em um jogo de cartas. Jeremy Morlock, um mês antes de ir para o Afeganistão, já havia respondido a um processo por “desvio de conduta” após queimar sua própria esposa com cigarros.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait