Notas nacionais

A- A A+

DF: Brasília arde em chamas em protesto contra Temer

Na tarde de 24 de maio, mais de 100 mil pessoas se reuniram em Brasília para protestar contra as “reformas” previdenciária e trabalhista do gerenciamento Temer/PMDB e toda a sua quadrilha. Ante a fúria combativa das massas, o reacionário Temer decretou ação para garantia “da lei e da ordem”, autorizando intervenção das Forças Armadas no Distrito Federal no mesmo dia.

http://anovademocracia.com.br/189/13-liga.jpg
Liga Operária ergue faixa pela Greve Geral e contra o gerenciamento Temer

Apesar da tentativa das centrais sindicais pelegas de transformar o protesto em palanque eleitoral e de controlar as massas, propagandeando os seus discursos de conciliação com o velho Estado, os manifestantes romperam o bloqueio feito pelas forças policiais e se dirigiram ao Congresso Nacional, que foi cercado com grades, além da presença de um grande cordão policial.

O confronto entre manifestantes e policiais se espalhou pela Esplanada dos Ministérios. Os policiais tentaram dispersar os manifestantes com o lançamento de bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo, além de efetuarem disparos com armas de fogo e de bala de borracha. O povo reagiu com paus, pedras e coquetéis molotov.

A fúria popular resultou na destruição dos ministérios da Agricultura e da Fazenda, com os manifestantes ateando fogo em salas desses edifícios. As fachadas e vidros dos ministérios do Turismo, Cultura, Planejamento, Meio Ambiente e Minas e Energia também foram destruídas pela justa revolta das massas contra as medidas antipovo de Temer e Meirelles.

Pontos de ônibus foram quebrados, barricadas foram erguidas, objetos incendiados e muros foram pichados com frases de protesto. Um manifestante foi ferido por arma de fogo e outro manifestante teve um olho perfurado por bala de borracha. Pelo menos sete pessoas foram detidas e 49 feridas.


RJ: Revolta popular contra Temer e Pezão

Em 24 de maio, os deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovaram mais um crime contra o povo, o projeto de lei que aumenta a contribuição previdenciária dos servidores fluminenses. Com mais esta criminosa medida a alíquota passa de 11% para 14%. O aumento entrará em vigor em três meses, em respeito ao prazo mínimo constitucional.

http://anovademocracia.com.br/189/13-rio.jpg
Milhares vão às ruas contra Temer no Rio de Janeiro, 18/05

Do lado de fora da Alerj, milhares de pessoas se concentraram em protesto contra o covarde ataque aos servidores. Quando a votação terminou, a Polícia Militar e a Força Nacional de Segurança iniciaram os ataques aos trabalhadores com muitas bombas de efeito moral e balas de borracha. Antes mesmo deste confronto, a polícia já havia lançado bombas contra manifestantes na parte lateral da Alerj.

O confronto tomou grandes proporções e se espalhou pelas ruas próximas, onde a Juventude Combatente ergueu barricadas e sustentou longo tempo de enfrentamento com os cães de guarda da repressão. Após a dispersão, policiais em cima de viaturas e em motocicletas começaram a perseguir manifestantes pelas ruas do Centro. Alguns jovens chegaram a ser presos.

Seis dias antes, em 18 de maio, inúmeras manifestações espontâneas ocorreram por todo o país depois que foi divulgada a denúncia de que o gerente federal Michel Temer/PMDB autorizou a compra do silêncio de Eduardo Cunha. A reportagem de AND acompanhou a manifestação no Rio de Janeiro onde milhares de pessoas se reuniram no Centro. O ato foi marcado por um intenso confronto em que a Juventude Combatente, com paus, pedras e fogos de artifício, confrontou a Polícia Militar e ergueu várias barricadas em chamas pelas ruas da região central da cidade.


SP e PR: Manifestações antifascistas

No dia 13 de maio, manifestantes se concentraram na Praça da Sé, Centro de São Paulo, para uma Marcha Antifascista que relembrou, no terceiro ano consecutivo, o histórico episódio que ficou conhecido como a “Revoada dos Galinhas Verdes”, quando, em 7 de outubro de 1934, na mesma Praça da Sé, comunistas, anarquistas e ativistas democráticos travaram um confronto armado contra os fascistas integralistas, ou “galinhas verdes”, que fugiram em debandada diante da ação popular.

http://anovademocracia.com.br/189/13-saopaulo.jpg
Juventude combatente nas ruas de São Paulo

A manifestação desse ano contou com a presença massiva da Juventude Combatente e dos trabalhadores, que denunciaram os crimes do velho Estado em sua escalada fascista de repressão contra o povo. Em vários momentos foram entoadas palavras de ordem afirmando que o Brasil precisa de uma Grande Revolução e contra o oportunismo da “esquerda” eleitoreira. No trajeto da manifestação, a PM atacou com gás lacrimogêneo, bombas de efeito moral e balas de borracha.

No mesmo dia, apesar do público menor do que o esperado, uma vigorosa Marcha Antifascista reuniu cerca de 200 pessoas em Curitiba, Paraná. O principal foco da Marcha foi a revolta popular contra a crise política e econômica, assim como pautas contra a criminalização dos movimentos populares, pela liberdade de Rafael Braga, pelo fim da violência contra a comunidade LGBT e a violência contra as mulheres.  


Barricadas pelo país

Em meio à crise em que o Brasil se encontra, durante o mês de maio continuaram os protestos populares radicalizados por todo país.

No dia 16 de maio, moradores bloquearam a Rodovia Marechal Rondon, em Itu, interior de São Paulo, exigindo a construção de uma passarela para os bairros Potiguara e Chácaras Reunidos do Ipê.

Em 19 de maio, famílias que tiveram suas residências desapropriadas no Vale do Reginaldo, na Avenida Geraldo Melo, em Maceió, Alagoas, ergueram uma barricada de pneus e objetos em chamas em protesto contra o atraso do aluguel social.

No dia 22 de maio, moradores do povoado Soinho, Zona Rural de Teresina, Piauí, colocaram fogo na rua e bloquearam a via que dá acesso às localidades Tapuia, Cacimba Velha e ao município de José de Freitas em protesto contra a frequente falta de luz na região.

No mesmo dia, moradores do bairro Flamboyant, na Zona Leste de Porto Velho, Rondônia, bloquearam o portão de entrada da Secretaria Municipal de Obras em protesto contra as péssimas condições em que o bairro se encontra.

http://anovademocracia.com.br/189/13a.jpg

http://anovademocracia.com.br/189/13b.jpg

http://anovademocracia.com.br/189/13c.jpg

http://anovademocracia.com.br/189/13d.jpg

http://anovademocracia.com.br/189/13e.jpg

http://anovademocracia.com.br/189/13f.jpg

http://anovademocracia.com.br/189/13g.jpg

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait