Guarani e Kaiowá resistem no Mato Grosso do Sul

A- A A+

Entrevista com liderança indígena

Em 2016, a equipe de reportagem do AND esteve no Mato Grosso do Sul em visita à retomada Tekoha Guaiviry, entre outras, onde centenas de indígenas Guarani e Kaiowá trabalham e tentam sobreviver às covardes investidas de latifundiários e do velho Estado. Ainda no gerenciamento Dilma/PT, tendo Kátia Abreu à frente do ministério da Agricultura, diversas denúncias foram registradas de covardes ataques à população Guarani e Kaiowá.

http://anovademocracia.com.br/189/12a.jpg
Genito Gomes, liderança indígena

Agora, pouco mais de um ano depois, no gerenciamento vende-pátria de Michel Temer/PMDB, voltamos a conversar com Genito Gomes, liderança Guarani e Kaiowá do Tekoha Guaiviry para acompanhar o prosseguimento da brava luta desse povo determinado a defender seus direitos e sua terra. Genito é filho do cacique Nísio Gomes, assassinado por pistoleiros a mando do latifúndio após a retomada do território em 2011, no  município de Aral Moreira, a 402 quilômetros da capital do estado – conforme  denunciado nas edições de nº 92 e 98 de AND.

Em entrevista concedida ao AND em 15 de abril de 2017, Genito denunciou a difícil situação da retomada Guaiviry onde vivem mais de trezentas pessoas em cerca de cem famílias. Os Guarani e Kaiowá têm enfrentado, de um lado, a total falta de assistência do velho Estado que por lei deveria garantir condições dignas de vida a este povo originário, e de outro, os crimes do latifúndio que querem usurpar as terras de direito dos indígenas.

http://anovademocracia.com.br/189/12b.jpg
Jovens indígenas em Tekoha após ataque

Genito Gomes esclarece que, frente aos criminosos ataques, os Guarani e Kaiowá têm empreendido uma brava jornada de lutas e respondido com uma tenaz resistência à repressão. E nos relatou brevemente o histórico de lutas de seu povo nos últimos anos:

Em 2004 a tribo foi atacada por latifundiários e pistoleiros da região e foi obrigada a deixar o Tekoha Guaiviry, passando a ocupar uma área à beira da estrada. Dois anos mais tarde, em julho de 2006, conseguiram retornar para a área retomada. Porém, logo depois de seu retorno foram novamente expulsos. Desta vez não só pela ação do latifúndio, mas também pela Fundação Nacional do Índio (Funai), sendo obrigados a voltar para beira da estrada, onde permaneceram até 2010.

A saga de luta dos Guarani e Kaiowá por sua terra prossegue em 2011, quando conseguem enfim retornar ao Tekoha no final do referido ano. Foi também em 2011 que o cacique Nísio Gomes sofreu uma criminosa emboscada que resultou no assassinato e desaparecimento do seu corpo por pistoleiros a mando do latifúndio. Crime este, cometido após sucessivos ataques contra o Tekoha Guaiviry. Até hoje o corpo do cacique Nísio Gomes permanece desaparecido.

Na entrevista concedida ao AND, Genito Gomes afirma ainda que a luta de seu povo prossegue em 2017. A liderança Guarani e Kaiowá denunciou ainda o gerenciamento Temer que não só aumentou o abandono, mas intensificou os massacres e perseguições aos Guarani e Kaiowá pelo latifúndio com o apoio do gerenciamento estadual.

http://anovademocracia.com.br/189/12c.jpg
Entrada do Tekoha Guaiviry

Segundo seus relatos, a intensificação das perseguições na região do Tekoha tem resultado em que os índios não podem mais ir à cidade sozinhos, tem sempre de andar acompanhados de no mínimo mais três companheiros como forma de garantir sua segurança. Pois, ao serem vistos circulando pela cidade, logo latifundiários e seus capangas comunicam-se para novas possíveis emboscadas. E sua denúncia prossegue, declarando que os indígenas que moram em retomadas estão tendo seu acesso negado aos hospitais públicos e que quando chegam para se tratar nestes órgãos são reconhecidos e discriminados. Os latifundiários têm promovido também uma verdadeira matança do solo com a monocultura da soja e o uso de agrotóxicos. Quando chove, os venenos usados nas plantações escorrem para os rios distribuindo-os por entre a terra, animais, peixes e os Guarani e Kaiowá que se alimentam da terra e consome m esse veneno. Outra situação denunciada à nossa equipe é o assustador índice de suicídio e depressão que cresce cada vez mais em meio ao povo indígena.

http://anovademocracia.com.br/189/12d.jpg

Os Guarani e Kaiowá exigem a demarcação de sua terra com extrema urgência, disso depende sua sobrevivência. Para que tenham garantido o direito de transitar, fazer compras básicas, utilizar  hospitais,  trabalhar a terra e plantar seus alimentos: arroz, milho, feijão, abóbora, banana sem venenos.

As retomadas de suas terras são o único caminho para esse bravo povo originário. Sem estas ações, os Guarani e Kaiowá serão jogados nos acostamentos das estradas para morrerem, sem nenhuma condição de plantio, de caça, pesca e até mesmo pela quantidade de atropelamentos propositais. Os fatos têm demonstrado cada vez mais que no que depender da Funai e do velho Estado, os povos indígenas não terão lugar e nem condição de sobrevivência. Mas este povo que resisti a séculos, continuará trilhando o caminho da luta e da retomada de suas terras tradicionais.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait