Criminalização de lideranças e movimentos no campo

A- A A+

No dia 17/05, em Brasília (DF), foi aprovado o texto principal da “Comissão Parlamentar de Inquérito” (“CPI”) da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A “CPI” da Funai/Incra criada e dirigida pela bancada latifundiária no parlamento reacionário, com a participação de Osmar Serraglio/PMDB – ministro da Justiça, apontado pela Polícia Federal como líder da organização criminosa que permitia a adulteração de alimentos na Operação “Carne Fraca” – visa criminalizar os movimentos populares de camponeses, indígenas, quilombolas e entidades democráticas que apoiam esses movimentos e suas lutas. Além disso, a “CPI” criminaliza o trabalho de funcionários dos órgãos federais responsáveis pela condução das políticas falidas de demarcação de terras indígenas, de responsabilidade da Funai, e pela “reforma agrária” e demarcação de territórios quilombolas, encargo do Incra.

O documento que teve como relator Nilson Leitão/PSDB, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), conhecida frente do latifúndio – autor do Projeto de Lei 6.442/2016, no qual se diz que o trabalhador rural poderá trabalhar por comida ou habitação ao invés de salário –, indiciou mais de 100 pessoas, entre lideranças indígenas, ativistas de movimentos democráticos como o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), além de funcionários do Incra e da Funai, antropólogos, procuradores da República e até o ex-ministro da Justiça no gerenciamento petista, José Eduardo Martins Cardoso.

O relatório da “CPI” utilizou trechos de documentos produzidos pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) a mando do gerenciamento de Dilma/PT, que monitorou lideranças indígenas, movimentos democráticos e populares, especialmente os contrários aos grandes empreendimentos do velho Estado na região amazônica, como as usinas hidrelétricas.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait