A dominação pela água

A- A A+

A próxima adoção do sistema pré-pago para o fornecimento de água nos estados de Goiás e Tocantins, e a privatização da Cedae, no Rio de Janeiro, são consideradas uma nova etapa de um processo de eliminação dos monopólios governamentais do "ouro líquido" e de transformação de bens naturais em commodities*, atendendo grupos econômicos transnacionais que disputam os mercados de saneamento e de água engarrafada no mundo inteiro, de valor estimado em US$ 800 bilhões.

http://www.anovademocracia.com.br/19/19-10.jpg
No sentido horário: o cartão pré-pago, o medidor digital de consumo e a turbina que substituirá o hidrômetro no novo
sistema que deverá ser implantado em breve em Goiás e Tocantins

A ofensiva das empresas transnacionais no mercado da água nos últimos 10 anos é indício de que a humanidade perde para os monopólios corporativos o controle de seu recurso mais vital. Analistas americanos e europeus apostam que esses grupos, num prazo máximo de 15 anos, estarão controlando de 65 a 75% dos serviços de água atualmente públicos.

A notícia de que a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos), última remanescente das empresas estatais do Rio, completou 29 anos no mês de maio amargando um prejuízo acumulado de R$ 1,8 bilhão, estrutura inchada e, ainda assim, pagando média salarial de R$ 3.600, coincidiu com a decisão da Saneago (Empresa de Saneamento de Goiás S/A) de cobrar uma taxa mínima até dos consumidores que dispõem de poços artesianos, e a revelação, pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de que a população brasileira tem intensificado o consumo de água engarrafada, por suspeitar cada vez mais da qualidade do produto fornecido pelas estatais. As maiores empresas que disputam este mercado — as francesas Vivendi Génerale dês Eaux , Suez-Lyonnaise dês Eaux e Sauer-Bouy-gues; a RWE-Thames Water, da Alemanha; a Enron, dos Estados Unidos, e as inglesas United Utilities, Severn Trent, Anglian Water, e Kelda Group — apontam a mercantilização e a privatização como soluções ideais para anunciada crise global de falta d’água.

A agricultura e a pecuária são responsáveis por 80% do consumo de água do mundo: é a chamada "água virtual", restando apenas 10% para consumo humano. Governos e instituições internacionais, armados de dados e documentação, apregoam que, ante a escassez, o melhor é dar preço à água, colocá-la à venda e deixar que o mercado se encarregue do futuro (!?).

Água no pré-pago

O chamado sistema pré-pago de fornecimento de água também é considerado uma das etapas que precedem a quebra do monopólio dito estatal. Ele funciona do seguinte modo: instala-se no imóvel, em lugar do hidrômetro, um aparelho acoplado a uma central eletrônica, que fica ligada a um gerenciador de consumo. Conectado via telefone ao computador central da companhia de saneamento, o gerenciador é recarregado a partir da senha do cartão pré-pago. Estes cartões são como os de recarga de aparelhos celulares, e a quantidade da água a ser consumida varia conforme os créditos adquiridos. Esgotados os créditos, tem-se de recarregar novamente o gerenciador. Se o consumidor não tiver como comprar novo cartão, ele contrairá um empréstimo (uma das funções do gerenciador) a ser descontado no próximo cartão de recarga. Terminados novamente os créditos, se não houver recarga, a água será cortada.

E vão fazendo

No Brasil, há pelo menos três empresas testando o sistema pré-pago: a Companhia de Saneamento de Tocantins (Saneatins), a Saneago de Goiás e a Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp). A experiência da Saneago envolve 800 domicílios de Abadia de Goiás, enquanto a Sabesp faz testes em laboratório e protela a utilização do sistema por considerar demasiadamente elevados os custos de instalação.

Primeira a testar o sistema no Brasil, a Saneatins aguarda apenas autorização do Procon (Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor) e do Ministério Público para implantá-lo comercialmente. A empresa tem a coragem de declarar que esse instrumento é a melhor solução para a inadimplência. Ressalta que possibilita ao consumidor o contro-le dos gastos, a detecção imediata de vazamentos e aquisição de água de acordo com a disponibilidade financeira, de um lado e, de outro, antevê a redução das reclamações, fraudes do processamento de dados e do volume de água produzido, devido à melhor utilização e controle do consumo.

Além do Brasil, países como África do Sul, USA, Curaçao, Nigéria, Tanzânia, Suazilân dia, Sudão, Malawi, e Namíbia já estão se submetendo ao sistema pré-pago, sobre o qual o Banco Mundial afirma ser "uma forma eficiente de reduzir a falta de pagamento pelos serviços, o aumento da dívida das áreas pobres, bem como de acelerar a participação do setor privado na prestação de serviços de abastecimento."

O impacto de sua implementação, todavia, como era de se esperar, é desastroso. O Reino Unido começou a privatizar o fornecimento dos serviços de água na década de 90, e em 1992 os problemas começaram a surgir com o aumento dos casos de desinteria em diversas cidades, devido ao corte da água para consumidores inadimplentes. O governo entendeu que a suspensão do abastecimento de água é uma ameaça à saúde e decretou sua ilegalidade.

As empresas então resolveram implantar outro artifício: o sistema de medidores pré-pagos, transferindo para os consumidores a responsabilidade do corte, dando a impressão de que eles próprios iriam se desconectar caso não tivessem como comprar cartões. Em Birmingham, 2.400 residências ficaram sem abastecimento e o problema foi parar na Justiça. Em 1998 foi promulgada a Lei da Água, que proibiu de uma vez por todas a introdução do sistema pré-pago.

Uma falha no sistema de medidores pré-pagos instalado na comunidade rural de Madlebe, em KwaZulu Natal, África, provocou um corte de três semanas no abastecimento de 20 mil famílias, que passaram a usar água de fontes contaminadas, o que resultou numa epidemia de cólera. Os equipamentos voltaram a trabalhar, mas enguiçaram de novo e a epidemia se alastrou, chegando a infectar 113.966 pessoas, com 259 mortes, entre agosto de 2000 e fevereiro de 2002. O sistema pré-pago foi abandonado e o governo restabeleceu as torneiras públicas. No Brasil, numerosos advogados afirmam que a possibilidade de interrupção do fornecimento de água trazida pelo novo sistema fere o princípio segundo o qual os órgãos públicos têm de fornecer de forma contínua os serviços considerados essenciais.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda reputa como essencial o abastecimento de água e, por este motivo, deve ser oferecido de forma gratuita para aqueles que não podem pagar. De acordo com o Comitê da ONU para os Direitos Econômicos Sociais e Culturais, o direito humano à água é um pré-requisito para a realização dos outros direitos. O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça do Brasil considera preocupante a possibilidade de corte automático do fornecimento de água por causa da relação direta do recurso com a saúde pública.

Povo X Nestlé

Porém, longe de frear a ganância dos trustes, eles já controlam o abastecimento de cerca de 60 municípios brasileiros, destacando Manaus, Campo Grande e Limeira (SP). Mas um conflito entre a Nestlé e a população de São Lourenço, estância hidromineral mineira onde há nove fontes de águas minerais mundialmente conhecidas, deixa entrever a dimensão dos problemas que surgirão no futuro.

Ao adquirir o controle acionário do Grupo Perrier Vittel, no meio da década de 90, a Nestlé ficou também com o Parque de Águas de São Lourenço, que a Perrier comprara para explorar a conhecida "Água Mineral São Lourenço". Seu objetivo, porém, era outro: instalar ali a primeira fábrica de "Pure Life", água purificada e adicionada de sais, desenvolvida especialmente para os chamados países do "Terceiro Mundo". Por se tratar de um "conceito" internacional, a "Pure Life" deve ter sempre a mesma fórmula e o mesmo padrão, seja ela produzida no Brasil, na Índia ou no Paquistão. Para isto, pouco importa se vai se utilizar água mineral — uma água rara, nobre — para a fabricação de uma água de mesa desmineralizada e artificialmente enriquecida de sais.

Tendo lançado uma fábrica no Paquistão, em 1998, dois anos depois a Nestlé obteve licença para construir uma "Pure Life" em São Lourenço, a despeito da alta vulnerabilidade da área, devido à proximidade dos aquíferos da superfície e do risco deles serem contaminados. Logo os efeitos se fizeram sentir: secou uma das fontes do parque, a magnesiana...

Um grupo de cidadãos, inconformado com o desaparecimento da fonte magnesiana e com o dano causado ao Parque, fundou o Movimento de Cidadania pelas Águas de São Lourenço, que obteve do Ministério Público o ajuizamento de ação civil pública contra a empresa. Perdendo a causa, a corporação estrangeira fechou a fábrica por dois dias apenas, mas recorreu da decisão. Surpreendentemente ganhou o recurso e aguarda um novo julgamento.

As iniciativas da Nestlé de privatizar as águas minerais também estavam acontecendo na Suíça, país sede da transnacional, na cidade de Bevaix. A mobilização dos cidadãos de Bevaix conseguiu bloquear o processo de privatização de suas fontes minerais e deu início a um movimento de solidariedade internacional que conseguiu resultados satisfatórios. No Fórum Mundial de Davos, essa desmoralizada instância colaboracionista, Peter Brabeck, presidente mundial da Nestlé, declarou que a fábrica de São Lourenço seria fechada e que a desmineralização das águas minerais acabaria.

No mesmo dia que a imprensa suíça denominava celebração da vitória da sociedade civil, autoridades brasileiras se apressaram a socorrer a Nestlé. Em poucas semanas — contra uma recomendação do Ministério Público Federal — o Conselho de Política Ambiental (Copam) de Minas Gerais concede uma "licença corretiva" para o funcionamento da fábrica "Pure Life" em São Lourenço e o DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral) anunciou a publicação de uma nova portaria permitindo a desmineralização parcial das águas minerais, adequando claramente a legislação brasileira aos criminosos interesses de uma transnacional. Ninguém foi preso.


*comercialização pelos maiores centros financeiros (onde são ditadas as cotações) de um produto de grande importância econômica, em estado bruto. A maioria dos negócios é realizada a termo, ou seja, pagamento e entrega da mercadoria a futuro.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait