Junho festivo do Nordeste

A- A A+

Surgindo no Hemisfério Norte como festas pagãs para celebrar a colheita durante o mês de junho, e tempos depois transformadas em uma celebração aos santos: Antônio, João e Pedro, as festas juninas ganharam maior ênfase na região nordeste, onde se misturou com a cultura local. Natural de Sergipe, forrozeiro e apresentador do programa Puxa o Fole veiculado pela Rádio Nacional/RJ, Sergival vive e conta o junho nordestino.

http://anovademocracia.com.br/190/17a.jpg

— Assim como as escolas de samba estão para o Rio de Janeiro e o chimarrão para o Rio Grande do Sul, assim o licor, a pamonha, a canjica, o mugunzá e uma série de iguarias estão para todo o Nordeste nas Festas Juninas, que é a época do milho. E essa característica se completa com o forró, a dança e tantos outros elementos que são típicos da região — fala Sergival.

 — Não existe um motivo único para as festas juninas terem crescido mais no nordeste, mas posso afirmar entre eles que três fatores contribuíram decisivamente: a forte religiosidade do nordestino, a fartura das colheitas do milho em junho e a identificação com os elementos simbólicos que constituem a festa — relata.

Inicialmente as festas juninas eram basicamente rurais ou do interior.

— Graças a um fenômeno musical chamado Luiz Gonzaga e também aos nordestinos que migraram para os grandes centros do Brasil, hoje essas festas fazem parte do calendário nacional. Personagens como Lampião, Maria Bonita, o noivo e a noiva do casamento caipira, o padre, o coronel, o delegado etc. ainda se fazem presentes — conta.

 — Mas cabe ressaltar que os trajes são estereotipados e uma sátira que mais lembra o Jeca ao personificar o lavrador com suas roupas remendadas de trabalhar na roça. Porém, não reflete a realidade deste mesmo lavrador — continua.

 — Quando vai para uma festa, uma quermesse, sabe-se que ele se utiliza das melhores roupas que tem em casa. E as Quadrilhas Juninas de hoje, em sua maioria, estão de certa forma reparando essa distorção com seus figurinos luxuosos, lembrando a origem da corte portuguesa e seus nobres de onde são originárias — acrescenta.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

 — O São João é a principal festa do nordeste, é a identidade maior do povo nordestino — diz Sergival.

A importância cultural que tem para a região é justamente por carregar essa identidade. Busca fortalecer a tradição da nossa cultura através da música, da dança, dos trajes, do cordel, do sotaque no falar, enfim, de todos esses elementos que levo ao público em minhas apresentações artísticas — explica.

 — Tem algumas diferenças de um estado para outro. Em Sergipe, por exemplo, nós temos uma série de características peculiares como o grupo “Pisa-Pólvora” e o “Barco de Fogo” da cidade de Estância que é um espetáculo belíssimo. Em Areia Branca, o “Café da Manhã Nordestino” servido ao público no “Forródromo” ao raiar do dia... — conta.

 — Em Aracaju, tem a “Marinete do Forró” que é um ônibus antigo onde em seu interior tem apresentações de Quadrilhas Juninas e trios de forró e que circula pela cidade com os turistas etc. Mas, no geral, todos os estados se revestem de bandeirinhas, arraiás, casamento matuto e palcos públicos para apresentações musicais — continua.

Festa do povo para o povo

 — No passado as quadrilhas eram dançadas pelos nobres da corte francesa e foram trazidas para o Brasil pelos colonizadores. Por isso, muitas partes ou comandos como o aportuguesado “anarriê” (em francês en arrière, que significa para trás) são usados até hoje por algumas quadrilhas — conta Sergival.

http://anovademocracia.com.br/190/17b.jpg

Mas essa mudança que mostra o povo inserindo a festa junina no seu mundo, não é a única que tem acontecido.

 — As festas juninas têm mudado por ter se tornado em alguns lugares uma excelente oportunidade de lucros. Me recordo que teve a fase da inserção da “música de duplo sentido” que se utilizava dos instrumentos musicais tradicionais, porém traziam letras de péssimo gosto — relata.

 — Depois vieram as “bandas de forró eletrônico”, “forró de plástico” ou “oxente music” onde dos instrumentos musicais só sobrou a sanfona, e mesmo assim em último plano. Traziam um apelo sexual gritante e letras de baixo calão, e de uns anos pra cá está ocorrendo a contratação, nas principais festas, de ritmos alheios aos festejos juninos como o “arrocha”, “sertanejo” e “música brega” ou “sofrência”  — continua.

  — Não tenho nada contra os artistas que desenvolvem esse trabalho e muito menos com seu público, porém, por esses estilos estarem massacrando nossos ouvidos o ano todo na grande mídia e estarem nas paradas com altos cachês, não justifica os gestores prejudicarem a tradição de um povo, desempregar ou desvalorizar os artistas forrozeiros que em sua grande maioria só trabalham nesse período — declara.

  — A não ser que eles tenham outros interesses “por baixo dos panos”, pois nada justifica. O fato é que está acontecendo hoje em todo o Nordeste grandes campanhas nas redes sociais, manifestações de artistas, intelectuais e da população esclarecida que veem no forró a nossa identidade cultural — diz.

  Contudo, Sergival afirma que as festas juninas continuam sendo do povo e para o povo.

  — As famílias ainda se reúnem para enfeitar a rua com bandeirinhas, preparam os pratos típicos da festa, o forró ainda é ouvido nas casas, fazem arraiás e festas particulares. Os artistas continuam compondo, cantando, tocando nossa música tradicional — conta.

 — Cada dia surgem novos talentos, sanfoneiros espalhados pelo nordeste, zabumbeiros, novos trios de forró e os pioneiros da tradição. E meu mais recente CD, Festança, além de celebrar meus trinta anos de carreira, traz um apanhado dos principais clássicos forrozeiros de Sergipe — anuncia.

  — Lancei ao vivo esse disco na Europa onde o forró está muito forte, e conquistei o prêmio de melhor CD do ano no Troféu Sanfona de Ouro. Estou no Nordeste para apresentações juninas e na volta tem as festas “julhinas”, “agostinas” e até “setembrinas” no sudeste, onde estou radicado. Em outubro começo a gravar meu novo disco e primeiro DVD — finaliza Sergival.

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. é o contato do artista.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait